Pesquisar
Pesquisar

Conexão entre rombo na Americanas e venda da Eletrobras prova urgência de reestatização

Empresa que fez auditoria da rede varejista é a mesma que recomendou privatização da antiga estatal
Rafael Sanz
Revista Fórum
São Paulo (SP)

Tradução:

A crise das Lojas Americanas parecer ter aberto um novo argumento para a reestatização da Eletrobrás, após a descoberta que a PwC (Price Waterhouse Coopers), uma das quatro maiores empresas de consultoria e auditoria do mundo, que aprovou balanços considerados fraudulentos da varejista, também foi a responsável por avalizar, novamente via balanços fraudulentos, a privatização da estatal.

A informação foi divulgada pelo deputado federal Glauber Braga (PSOL-RJ) e confirmada pela Revista Fórum. “Lula, a hora de retomar o controle do sistema elétrico do país é agora. Aqui temos mais um argumento para a reestatização”, afirmou Braga.

Os rombos encontrados nas finanças das Lojas Americanas superam os R$ 20 bilhões, dos quais cerca de 2,4 bilhões têm o BNDES como credor. Neste caso, os balanços teriam sido aprovados pela auditoria da PwC.

Empresa que fez auditoria da rede varejista é a mesma que recomendou privatização da antiga estatal

Foto: Bruno Spada/MME
Após a privatização avalizada pela PwC, ex-estatal saiu de uma condição de lucros a prejuízo

Já em se tratando da Eletrobrás, após a privatização avalizada pela PwC, a ex-estatal saiu de uma condição de apresentar lucros de quase R$ 1 bilhão no último balanço anterior à privatização, no primeiro trimestre de 2022, para um prejuízo de R$ 88 mil dois trimestres adiante. Além disso, a dívida líquida da empresa também cresceu 75%.


A crise das Lojas Americanas

As Lojas Americanas vivem um momento turbulento. A crise instalada em uma das maiores varejistas do Brasil, que ainda tem poderosos acionistas como Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Bruno do grupo 3G Capital, foi vista como uma surpresa.

No dia 11 de janeiro, a empresa informou um rombo de R$ 20 bilhões (valor pode chegar a R$ 40 bilhões) em sua conta, um valor 8 vezes maior do que o seu valor de mercado. O rombo se refere a balanços aprovados de 2022, e anos anteriores. O rombo foi causado pela prática do ‘risco sacado’, que consiste na tomada de financiamento com um banco para o pagamento de fornecedores. A ideia é antecipar os fornecedores para em seguida pagar os bancos. No entanto, no caso das Lojas Americanas, a prática não foi relatada nos balanços.

O balanço fraudado pode abrir margem para cobranças antecipadas de dívidas e foi exatamente o que aconteceu quando o rombo foi informado. A situação fez com o novo CEO da empresa, Sérgio Rial, renunciasse ao cargo na mesma hora, após apenas 9 dias da sua posse. Para o seu lugar, foi colocado o então diretor de Recursos Humanos da empresa, João Guerra, que não esteve envolvido na gestão financeira da empresa. 

Luis Nassif: 6 evidências sobre o golpe das Americanas, orquestrado ao longo de 10 anos

No dia seguinte (12) as ações da empresa despencaram 77,3%, fechando o dia a R$ 2,72, no que ficou registrado como a maior queda de uma empresa da Ibovespa em um mesmo dia desde 1994. Nesse momento, além dos bancos credores, também os acionistas da empresa começaram a cobrar medidas de mitigação da crise. 

Já a sexta-feira 13 ficou conhecida como o ‘dia do terror’ dos credores. Na data, as Lojas Americanas conseguiram uma medida judicial que a protege por 30 dias da execução das dívidas.

O banco BTG Pactual, um dos credores da Americanas, entrou com recurso para derrubar a decisão. Na argumentação, o banco alega que a empresa fraudou seu mercado de crédito. Além disso, também apontou que teve de estornar, por conta da decisão, cerca de R$1,2 bilhão. No bojo do BTG Pactual, outros bancos credores também mostraram-se descontentes e esperam o início de uma batalha judicial a fim de liberar a cobrança antecipada das dívidas. O acordo que os bancos aceitam fazer deve conter a injeção de capital na empresa por meio dos acionistas.

Raphael Sanz | Revista Fórum
Com informações de O Globo. 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Rafael Sanz

LEIA tAMBÉM

China-Xiamen-Airlines
China ultrapassa EUA e se torna país que mais gasta com turismo no mundo
Petro-Colômbia
"Saída do neoliberalismo": Petro celebra aprovação da reforma da previdência na Colômbia
Neoliberalismo
Thatcher 2.0? Think tank Atlas Network invade Europa com negacionismo e ultra liberdade de mercado
Lula-Brasil2
Cannabrava | Lula tem que aproveitar sua popularidade e apresentar um projeto nacional