Pesquisar
Pesquisar

Confederação Israelita do Brasil condena uso de slogan nazista em campanha bolsonarista

Em nota, a mais importante entidade no país, repudia o uso pela Secom, de slogan que reaviva a memória do campo de extermínio de Auschwitz
João Baptista Pimentel Neto
Diálogos do Sul
Rio Claro (SP)

Tradução:

É lamentável ver, mais uma vez, questões caras ao judaísmo e à humanidade em geral serem banalizadas e emuladas”, diz a nota da Conib. Responsável pela Secom, Fabio Wajngarten disse não ser possível ser acusado de nazismo por ser judeu – o que é contestado também dentro da própria comunidade judaica.

“É conhecidíssima a relação desse mote com a mais infame instituição do Holocausto, o campo de extermínio de Auschwitz. Ali, no seu portão de entrada, uma placa com esses dizeres transmitia a mentira de que aquele era um local de trabalho e de possível liberdade – quando se tratava da principal fábrica de mortos do nazismo.

É inaceitável constatar, mais uma vez, que temas tão sensíveis ao judaísmo e à humanidade em geral serem banalizadas e emuladas, ofendendo a memória das vítimas e dos sobreviventes, em um momento já tão difícil do nosso país e do mundo”, assinala a nota assinada pelo presidente da Conib, Fernando Lottenberg.

O chefe da secretaria de Comunicação do governo federal, Fabio Wajngarten, alegou que o fato de ser judeu lhe permite usar um slogan nazista, sem ser questionado pelos meios de comunicação.

“É impressionante: toda medida do governo é deformada para se encaixar em narrativas. Na campanha, faziam suásticas fakes; agora, se utilizam de analfabetismo funcional para interpretar errado um texto e associar o governo ao nazismo, sendo que eu, chefe da Secom, sou judeu!”, postou ele em seu twitter.

Em nota, a mais importante entidade no país, repudia o uso pela Secom, de slogan que reaviva a memória do campo de extermínio de Auschwitz

Wikipédia
“O trabalho liberta” – a conhecida frase na entrada do campo de extermínio de Auschwitz.

“Wajngarten é um neofascista”

No entanto, em entrevista à TV 247, o também judeu Jean Goldenbaum afirmou ser claríssimo o paralelo entre hitlerismo e bolsonarismo e disse que Wajngarten usa técnicas de comunicação nazistas com a clara finalidade de estimular o ódio na sociedade brasileira. “Wajngarten é um neofascista e é perigoso”, disse Goldenbaum.

Confira, abaixo,a entrevista:

Congregação Israelita Paulista  tão reage

O uso do slogan nazista também foi duramente criticado pelo rabino da Congregação Israelita Paulista, Michel Schlesinger em entrevista à BBC News Brasil. A alusão a um dos mais deploráveis slogans utilizados pelo Reich “agride a memória de vítimas do Holocausto e ofende a sensibilidade de sobreviventes”, afirmou.

Schlesinger ressaltou que o episódio se soma a uma série de outros em que o governo Bolsonaro se portou de maneira condenável em relação ao regime nazista.

Governo Bolsonaro é reincidente

O episódio ocorre poucos dias após o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, ser criticado por várias organizações judaicas por comparar a quarentena gerada pelo novo coronavírus aos campos de concentração.

Em janeiro, o ex-secretário nacional da Cultura Roberto Alvim fez um discurso sobre artes semelhante ao de ministro da Propaganda de Hitler, Joseph Goebbels. A fala causou revolta da comunidade judaica e culminou com sua demissão.

No ano passado, até mesmo o próprio Jair Messias foi severamente criticado pelos governo da Alemanha e de Israel por declarações negacionistas da história e ofensivas aos judeus ao declarar “que os crimes do Holocausto são perdoáveis”

João Baptista Pimentel Neto, jornalista da equipe da Diálogos do Sul.

*Com informações. da Confederação Israelita do Brasil, Brasil 247, BBC News Brasil, Revista Fórum e Secom


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
João Baptista Pimentel Neto Jornalista e editor da Diálogos Do Sul.

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização