Pesquisar
Pesquisar

Conheça Elisa Loncón, a líder mapuche que vai presidir a assembleia constituinte chilena

Linguista e defensora dos direitos dos povos indígenas, Loncón apoia, desde criança, as lutas de outras comunidades na América Latina
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Santiago

Tradução:

Elisa Loncón Antileo, uma mulher mapuche de 58 anos, professora e mãe, ocupa hoje as manchetes da imprensa chilena como a imagem de um país que se abre a mudanças sociais profundas.

Loncón foi eleita no dia anterior como presidente da Convenção Constitucional, cujos 155 membros terão agora a tarefa histórica de redigir uma nova Constituição, pela primeira vez neste país sul-americano com plena participação popular.

Após sua proclamação, claramente emocionada e agitando uma bandeira mapuche, ela disse que sua eleição é uma manifestação do desejo dos constituintes de redigir uma Constituição que abra espaço para um Chile multicultural e plurinacional que defenda os direitos das mulheres e das minorias e o cuidado com a natureza.

“Este sonho é um sonho de nossos antepassados. É possível refundar este Chile para estabelecer uma nova relação entre todas as nações que compõem este país”, enfatizou.

Leia também

“Teremos que nos defender e resistir”, diz líder Mapuche após ameaças de Piñera

Mas, além disso, ela não hesitou em referir-se à necessidade de fazer justiça a todos os presos durante a revolta que eclodiu em outubro de 2019 e até promover um perdão para muitos jovens que estão atrás das grades por se manifestarem.

Linguista e defensora dos direitos dos povos indígenas, Loncón apoia, desde criança, as lutas de outras comunidades na América Latina

Prensa Latina
Elisa Loncón Antileo

Compromisso social herdado do bisavô

Nativa da comunidade mapuche Lefweluan, na província de Malleco, na região sul da Araucanía, ela está envolvida em várias organizações sociais mapuche desde sua infância.

Ela herdou seu compromisso social de sua família e comunidade, pois seu bisavô, cujo sobrenome era Loncomil, lutou contra a ocupação militar da Araucanía no século 19 e, nos anos 1970, seu pai, Juan Loncon, foi um ativista do Partido Socialista e candidato a congressista.

Após o golpe de Estado de 11 de setembro de 1973, sua família foi perseguida e seu avô materno, Ricardo Antileo, um líder territorial mapuche, foi preso por liderar a recuperação da terra no final dos anos 1960 e início dos anos 70.

Durante a ditadura, frequentou a escola primária e secundária em Traiguén e se matriculou na Universidade de la Frontera, na cidade de Temuco, onde se formou como professora de inglês, diploma que obteve enquanto trabalhava como empregada doméstica para pagar suas despesas de moradia.

Durante seus anos universitários, ela participou da luta contra a ditadura nas organizações estudantis esquerdistas e mapuches.

Elisa Loncón se destacou por sua vasta bagagem cultural, após seus primeiros passos como professora de inglês e Mapudungun (língua mapuche) nas escolas de La Araucanía.

Atualmente, ela trabalha como acadêmica no Departamento de Educação da Universidade de Santiago do Chile, como professora na Pontifícia Universidade Católica e coordenadora da Rede para os Direitos Educacionais e Linguísticos dos Povos Indígenas do Chile.

Sobre os mapuche:

La Cancion del Pueblo Mapuche

Ela também é mestre em Linguística pela Universidade Autônoma Metropolitana do México e doutora em Humanidades pela Universidade de Leiden, Países Baixos.

Em seu trabalho como linguista e defensora dos direitos dos povos indígenas, ela também apoia as lutas de outras comunidades na América Latina, entre as quais é reconhecida por sua contribuição para os direitos linguísticos das nações ancestrais.

Loncón dedicou sua vida profissional ao resgate das línguas indígenas, do sistema linguístico Mapudungun e das metodologias de ensino, entre outros assuntos, e publicou livros e artigos acadêmicos sobre filosofia e línguas indígenas, principalmente Mapudungun.

Como mulher mapuche e educadora, ela promoveu a educação bilíngue intercultural na Lei Geral de Educação e apresentou o projeto de lei sobre os Direitos Linguísticos dos Povos Indígenas e está liderando as demandas pelos direitos das mulheres dos povos indígenas.

Redação de Prensa Latina desde Santiago del Chile

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Confira também:

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri