Pesquisar
Pesquisar

Conheça o perigoso discurso de Martin Luther King, ocultado da história dos EUA desde 1967

Tanto dentro do país como fora, reduz-se King à sua versão oficialmente aprovada de um tipo de santo dedicado aos direitos civis; ele vai muito além disso
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Há justamente 55 anos, em 6 de abril de 1967, escutou-se um dos discursos mais perigosos da história desta nação. É um discurso que, apesar de seu autor ter sido elevado ao Olimpo estadunidense onde vivem as figuras heroicas do país e onde tem seu próprio dia feriado oficial, nenhum presidente ou líder político (com um par de exceções) se atreve a mencionar e menos ainda citar.  

Tanto dentro do país como no estrangeiro, reduz-se King à sua versão oficialmente aprovada de um tipo de santo dedicado aos direitos civis e sua mensagem limitada quase exclusivamente ao seu famoso discurso sobre igualdade racial conhecido como “Eu tenho um sonho” de 1963 em Washington. Mas quatro anos depois desse grande discurso, o reverendo Martin Luther King falou de outro sonho e convocou à luta por uma revolução nos Estados Unidos.

Lei também: Martin Luther King além do pop: ícone antirracista foi contra capitalismo e exploração de trabalhadores

“Estou convencido de que se queremos colocar-nos do lado acertado da revolução mundial, temos que empreender como nação uma revolução de valores. Temos que começar depressa a virada de uma sociedade orientada para as coisas a uma sociedade orientada para as pessoas. Quando as máquinas e os computadores, o afã de lucro e os direitos de propriedade são considerados mais importantes que as pessoas, é impossível conquistar os trigêmeos gigantescos do racismo, do materialismo extremo e do militarismo(…)”, declarou King desde o pódio da Igreja Riverside em Nova York.

Tanto dentro do país como fora, reduz-se King à sua versão oficialmente aprovada de um tipo de santo dedicado aos direitos civis; ele vai muito além disso

Rowland Scherman – Wikimedia Commons
"Já não podemos gastar mais em adorar o deus do ódio ou ajoelhar-nos ante o altar da represália", proclamou Martin Luther King

Verdadeira compaixão

“A verdadeira compaixão é mais que atirar uma moeda a um mendigo; não é algo caprichoso e superficial. Consiste em ver que um edifício que produz mendigos necessita de reestruturação. Uma verdadeira revolução de valores pronto verá com inquietude o patente contraste entre pobreza e riqueza. Com justa indignação, verá o outro lado dos mares e observará os capitalistas do Ocidente investirem somas enormes na Ásia, África e América do Sul, só para levar aos lucros sem nenhuma preocupação pela melhoria social dos países, e dirá; ‘não é justo’. Verá nossa aliança com os proprietários de terras da América Latina e dirá: ‘não é justo’. A arrogância do Ocidente de sentir que tem tudo que ensinar aos demais e nada que aprender deles simplesmente não é justa (…) Nossa única esperança hoje em dia reside em nossas habilidades de recuperar o espírito revolucionário e sair a um mundo às vezes hostil para declarar nossa hostilidade eterna à pobreza, ao racismo e ao militarismo”.

Ao proclamar-se nesse momento contra a guerra no Vietnã e as façanhas imperiais de seu país – ante a oposição de seus próprios assessores, críticas severas pelos principais meios nacional e ameaças de seu governo – advertiu que os Estados Unidos “jamais poderá ser salvo enquanto destrua as esperanças mais profundas do homem por todo o mundo”.

“Este apelo a uma irmandade mundial que eleve a preocupação pelo próximo além da tribo, raça, classe e nação de cada um é na realidade um apelo a um amor incondicional, que abarque toda a humanidade. Já não podemos gastar mais em adorar o deus do ódio ou ajoelhar-nos ante o altar da represália. Os oceanos da história se tornam turbulentos com as marés cada vez mais altas do ódio (…) Hoje ainda nos sobre uma alternativa: a coexistência não violenta, ou a co-aniquilação violenta. Temos que passar da indecisão à ação. Se não agirmos, seguramente seremos arrastados pelos longos, escuros e vergonhosos corredores do tempo reservados para aqueles que têm poder sem compaixão, poderio sem moralidade, e força sem visão…”

Um ano depois, enquanto impulsionava sua campanha nacional vinculando a luta pelos direitos civis à justiça econômica e ao anti-imperialismo, King foi assassinado. Seu discurso de 4 de abril de 1967 é cada vez mais contemporâneo, e portanto, seu convite, seu sonho a lutar por uma mudança a fundo de seu país continua sendo cada vez mais perigoso para os defensores dos pesadelos.  

O texto: https://guides.lib.berkeley.edu/c.php?g=819842&p=5924547

Áudio do discurso Beyond Vietnam, de Martin Luther King

David Brooks é correspondente do La Jornada em Nova York.
Tradução por Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação