Pesquisar
Pesquisar

Conheça o perigoso discurso de Martin Luther King, ocultado da história dos EUA desde 1967

Tanto dentro do país como fora, reduz-se King à sua versão oficialmente aprovada de um tipo de santo dedicado aos direitos civis; ele vai muito além disso
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Há justamente 55 anos, em 6 de abril de 1967, escutou-se um dos discursos mais perigosos da história desta nação. É um discurso que, apesar de seu autor ter sido elevado ao Olimpo estadunidense onde vivem as figuras heroicas do país e onde tem seu próprio dia feriado oficial, nenhum presidente ou líder político (com um par de exceções) se atreve a mencionar e menos ainda citar.  

Tanto dentro do país como no estrangeiro, reduz-se King à sua versão oficialmente aprovada de um tipo de santo dedicado aos direitos civis e sua mensagem limitada quase exclusivamente ao seu famoso discurso sobre igualdade racial conhecido como “Eu tenho um sonho” de 1963 em Washington. Mas quatro anos depois desse grande discurso, o reverendo Martin Luther King falou de outro sonho e convocou à luta por uma revolução nos Estados Unidos.

Lei também: Martin Luther King além do pop: ícone antirracista foi contra capitalismo e exploração de trabalhadores

“Estou convencido de que se queremos colocar-nos do lado acertado da revolução mundial, temos que empreender como nação uma revolução de valores. Temos que começar depressa a virada de uma sociedade orientada para as coisas a uma sociedade orientada para as pessoas. Quando as máquinas e os computadores, o afã de lucro e os direitos de propriedade são considerados mais importantes que as pessoas, é impossível conquistar os trigêmeos gigantescos do racismo, do materialismo extremo e do militarismo(…)”, declarou King desde o pódio da Igreja Riverside em Nova York.

Tanto dentro do país como fora, reduz-se King à sua versão oficialmente aprovada de um tipo de santo dedicado aos direitos civis; ele vai muito além disso

Rowland Scherman – Wikimedia Commons
"Já não podemos gastar mais em adorar o deus do ódio ou ajoelhar-nos ante o altar da represália", proclamou Martin Luther King

Verdadeira compaixão

“A verdadeira compaixão é mais que atirar uma moeda a um mendigo; não é algo caprichoso e superficial. Consiste em ver que um edifício que produz mendigos necessita de reestruturação. Uma verdadeira revolução de valores pronto verá com inquietude o patente contraste entre pobreza e riqueza. Com justa indignação, verá o outro lado dos mares e observará os capitalistas do Ocidente investirem somas enormes na Ásia, África e América do Sul, só para levar aos lucros sem nenhuma preocupação pela melhoria social dos países, e dirá; ‘não é justo’. Verá nossa aliança com os proprietários de terras da América Latina e dirá: ‘não é justo’. A arrogância do Ocidente de sentir que tem tudo que ensinar aos demais e nada que aprender deles simplesmente não é justa (…) Nossa única esperança hoje em dia reside em nossas habilidades de recuperar o espírito revolucionário e sair a um mundo às vezes hostil para declarar nossa hostilidade eterna à pobreza, ao racismo e ao militarismo”.

Ao proclamar-se nesse momento contra a guerra no Vietnã e as façanhas imperiais de seu país – ante a oposição de seus próprios assessores, críticas severas pelos principais meios nacional e ameaças de seu governo – advertiu que os Estados Unidos “jamais poderá ser salvo enquanto destrua as esperanças mais profundas do homem por todo o mundo”.

“Este apelo a uma irmandade mundial que eleve a preocupação pelo próximo além da tribo, raça, classe e nação de cada um é na realidade um apelo a um amor incondicional, que abarque toda a humanidade. Já não podemos gastar mais em adorar o deus do ódio ou ajoelhar-nos ante o altar da represália. Os oceanos da história se tornam turbulentos com as marés cada vez mais altas do ódio (…) Hoje ainda nos sobre uma alternativa: a coexistência não violenta, ou a co-aniquilação violenta. Temos que passar da indecisão à ação. Se não agirmos, seguramente seremos arrastados pelos longos, escuros e vergonhosos corredores do tempo reservados para aqueles que têm poder sem compaixão, poderio sem moralidade, e força sem visão…”

Um ano depois, enquanto impulsionava sua campanha nacional vinculando a luta pelos direitos civis à justiça econômica e ao anti-imperialismo, King foi assassinado. Seu discurso de 4 de abril de 1967 é cada vez mais contemporâneo, e portanto, seu convite, seu sonho a lutar por uma mudança a fundo de seu país continua sendo cada vez mais perigoso para os defensores dos pesadelos.  

O texto: https://guides.lib.berkeley.edu/c.php?g=819842&p=5924547

Áudio do discurso Beyond Vietnam, de Martin Luther King

David Brooks é correspondente do La Jornada em Nova York.
Tradução por Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Europa
Escalada da ultradireita na UE é derrota dos EUA, vitória geopolítica para Putin e alerta ao Brasil
Greg-Casar
Greg Casar: deputado dos EUA quer proteção a indocumentados e fim do imperialismo
4 - Iryna Borovets 2
Vice-chanceler da Ucrânia diz que país deseja paz, mas insiste em adesão à Otan
emmanuel-macron-olaf-scholz (2)
Apoio inconsequente de Macron e Sholz à Ucrânia alimentou extrema-direita na UE