Pesquisar
Pesquisar

Conselho de Segurança da ONU aprova resolução sobre mulheres e paz

Apesar da conquista, a ministra de Relações Exteriores e Cooperação da África do Sul, Naledi Pandor ressaltou que ainda há muito o que fazer
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Bruxelas

Tradução:

Apesar das diferenças de alguns membros do Conselho de Segurança da ONU sobre o enfoque do texto, esse organismo aprovou por unanimidade uma resolução sobre mulheres, paz e segurança. 

A ministra de Relações Exteriores e Cooperação da África do Sul, Naledi Pandor, destacou o consenso conseguido para a aprovação do documento que reconhece os avanços e ressalta o muito que ainda fica por fazer. 

Disse, ao intervir neste debate aberto, que as mulheres de todo o mundo “estão fartas que falemos, elas querem medidas concretas, querem mudanças”. 

Ao se aproximar o vigésimo aniversário da resolução 1325, a primeira do Conselho de Segurança referida a mulheres, paz e segurança, é necessário ter resultados visíveis, ressaltou a ministra sul-africana. 

Do mesmo modo, continuou, urge aumentar a participação das mulheres nos processos políticos, e incrementar seu número nos componentes militares e civis das operações de paz da ONU. 

Apesar da conquista, a ministra de Relações Exteriores e Cooperação da África do Sul, Naledi Pandor ressaltou que ainda há muito o que fazer

Nações Unidas
As mulheres de todo o mundo “estão fartas que falemos, elas querem medidas concretas, querem mudanças”

Pandor também sublinhou a importância de incluir na resolução recém aprovada os temas sobre proteção dos direitos humanos das mulheres, em especial o direito ao acesso a serviços de saúde sexual e reprodutiva.

Este foi um dos temas que causou controvérsia no Conselho de Segurança. A representação dos Estados Unidos, por exemplo, mostrou seu inconformismo com o fato de se fazer referência à saúde sexual e reprodutiva na resolução, e deixou claro seu rechaço ao aborto.

Por sua parte, a delegação do Reino Unido indicou que embora tenha sido difícil chegar ao consenso no Conselho, os membros souberam sobrepor-se às diferenças. De mesma forma, enfatizou a importância de incluir os serviços de saúde sexual e reprodutiva no documento. 

Nesta semana, o Conselho de Segurança acolhe um debate aberto sobre mulheres, paz e segurança, tema que o secretário geral da ONU, António Guterres, assinalou como uma das prioridades de seu mandato. 

Ao intervir na reunião de hoje, o máximo representante das Nações Unidas ressaltou que as mulheres ainda encaram a exclusão de demasiados processos políticos e são adotados acordos de paz sem levar em consideração as necessidades de mulheres e meninas. 

A triste realidades é que os compromissos que ficam refletidos em torno a esta mesa do Conselho, depois não são traduzidos em uma mudança genuína no mundo, observou. 

Também persistem os ataques contra mulheres defensoras dos direitos humanos, e a violência continua sendo empregada como uma arma de guerra, sublinhou Guterres, enquanto as sobreviventes dessas agressões não encontram apoio ou justiça diante desses crimes.

*Tradução: Beatriz Cannabrava

**Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza