Pesquisar
Pesquisar

Conselho Europeu pressiona Macron após mais de 1500 prisões e violência policial em protestos

Além do uso excessivo de força, organismos internacionais criticam os ataques do governo francês aos manifestantes e a criminalização das mobilizações
Armando G. Tejeda

Tradução:

As mobilizações durante novas dias consecutivos na França pela reforma da aposentadoria, muitas delas protagonizadas por estudantes e trabalhadores combativos, também teve uma resposta contundente por parte das autoridades francesas, que mobilizaram mais de 12 mil agente para reprimir a revolta popular, informou a imprensa francesa.

Este fato já provocou um mal-estar em diversos organismos internacionais, como o Conselho da Europa, que fala de um “uso excessivo da força”, a Organização das Nações Unidas (ONU), Anistia Internacional e Repórteres sem Fronteiras, entre outras.

Continua após o banner

Uma de suas preocupações é a altíssima cifra de detidos: só na jornada da passada quinta-feira foram reportadas 457, mas desde o início dos protestos à raiz da aprovação por decreto da reforma da previdência a cifra já supera os 1.500. 

No greve geral de anteontem, a nona desde o início das mobilizações, foram registrado cenas de duríssimos enfrentamentos entre os manifestantes e a polícia, que se empenhou a fundo com gases lacrimogêneos, jatos de água, granadas de fumaça e de aturdimento e o uso contínuo de seus cassetetes. Os dados facilitados pelo ministério do Interior são eloquentes: 457 detidos, 4.411 policiais feridos, mais de 900 incêndios e abundantes danos materiais no mobiliário urbano. 

Por isso há preocupação em diversos organismos internacionais, apesar da postura oficial do presidente Emmanuel Macron e de seu ministro do Interior, Gérald Darmanin, que não só não lamentam o uso excessivo da força nos dispositivos policiais, mas sim que além disso voltaram a atacar os manifestantes, ao chamá-los nos últimos dias de “facciosos”.

Além do uso excessivo de força, organismos internacionais criticam os ataques do governo francês aos manifestantes e a criminalização das mobilizações

Foto: Florian Philippot/Twitter

Como consequência dos protestos, o governo anunciou a anulação da visita oficial do rei da Inglaterra, Charles III

Em um comparecimento em Bruxelas, Macron expressou seu apoio à polícia e ao seu ministro do Interior, ao firmar que “vi cenas nas quais os nossos gendarmes foram objeto de ataques completamente desproporcionais em mãos de militantes extremamente violentos e equipados para a luta. O uso da violência na democracia não é um direito”.

Mas desde o Conselho de Europa, a comissária de Direitos Humanos, Dunja Mijatovic, declarou em um comunicado que: “Produziram-se incidentes violentos, alguns dos quais tiveram como objetivo as forças da ordem, mas os atos esporádicos de violência por parte de alguns manifestantes ou outros atos reprováveis cometidos por outros durante uma manifestação não podem justificar o uso excessivo da força por agentes do Estado. Estes atos tampouco são suficientes para privar os manifestantes pacíficos de desfrutar o direito à liberdade de reunião”. 

Desde a ONU, o relator para a liberdade de associação, Clement Voule, explicou que: “É importante recordar que as manifestações pacíficas são um direito fundamental que as autoridades devem garantir e proteger e os funcionários encarregados de fazer cumprir a lei devem facilitar seu desenvolvimento e evitar o uso excessivo da força”.

Continua após o banner

Neste clima de tensão, a jornada de ontem foi mais tranquila quanto a manifestações, mas seguem as paralizações e greves indefinidas em setores chaves para a economia. 

De fato, o governo francês ordenou a intervenção nas refinarias para qie chegue o combustível aos postos e aos aeroportos, que advertiram que estavam em uma situação crítica de provisão de querosene. Três de cada dez postos de gasolina têm problemas de abastecimento, segundo informou o ministério de Transição Energética.

Grande mídia ignora protestos na França contra Otan e envio de armas à Ucrânia

Como consequência dos protestos, o governo anunciou a anulação da visita oficial do rei da Inglaterra, Carlos III, que estava prevista para este domingo. Os sindicalistas da CGT já advertiram que não fariam nada para o dito encontro; nem pôr o tapete vermelho nem o mobiliário de acordo com um encontro desse nível. 

Macron sustentou que tomou uma decisão “de senso comum, já que não seríamos sérios e nos faltaria certo senso comum ao propor à sua majestade o Rei Carlos III e à rainha consorte vir em visita de Estado em meio das manifestações”.

Armando G. Tejeda | La Jornada


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação