Pesquisar
Pesquisar

Conservadores do direitista Nova Democracia vencem eleições legislativas na Grécia

Com 39,8% dos votos e 158 deputados, a direita chega ao poder. O Syriza, que chegou a ser cunhado como "esquerda radical" deixa o governo
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

A “direita de sempre”, Nova Democracia, ganhou as eleições legislativas que este domingo se realizaram na Grécia, tendo obtido a maioria absoluta no Parlamento, uma vez que, de acordo com a lei eleitoral vigente na Grécia, ao partido mais votado são atribuídos mais 50 deputados.

Kyriakos Mitsotakis, que prometeu crescimento econômico e cortes nos impostos para cidadãos e empresas, será o novo primeiro-ministro, devendo ainda esta segunda-feira apresentar-se ao presidente da República, Prokopis Pavlopoulos, para jurar o cargo.

O Syriza abandona o governo e passa a principal força da oposição, com 31,5% do sufrágio e 86 deputados. Seguem-se a coligação Movimento da Mudança (onde figura o Pasok), com 8,1% (21 deputados), o Partido Comunista (KKE), com 5,3% (15), a Solução Grega, com 3,7% (dez), e o MeRA25, partido do ex-ministro grego das Finanças, Yanis Varoufakis, com 3,4% (nove).

Com 39,8% dos votos e 158 deputados, a direita chega ao poder. O Syriza, que chegou a ser cunhado como "esquerda radical" deixa o governo

AbrilAbril
Angela Merkel, chanceler alemã, disse ao seu homólogo grego, Alexis Tsipras, para aceitar o acordo para o terceiro «resgate» à Grécia

A direita que sabe que é direita e a esquerda que afinal não o era

Na rede social Twitter, esta manhã não faltavam comentários sobre o regresso da “direita de sempre” ao governo na Grécia, registrando a “estrondosa derrota” de Alexis Tsipras ou as ilusões que a vitória do seu partido, em 2015, gerou – na Grécia e fora dela.

O engano, para alguns, durou pouco. Às vitórias de tal “esquerda” em Janeiro e Setembro de 2015, seguiram-se greves gerais sucessivas e manifestações com dezenas de milhares nas ruas de Atenas e Salónica. É que as infra-estruturas (portos, aeroportos) estavam sendo privatizadas e as reformas legislativas que afetaram, trabalhadores, pensionistas e a população grega em geral seguiam-se ao ritmo das exigências da troica do capital.

Desemprego elevado, recessão econômica, situação de ruptura social – tudo para agradar aos credores e em nome do “alívio da dívida”. Afinal aquela “esquerda” – que enganara o povo grego com o chamado programa de Salônica (não aplicado) e com o referendo sobre o terceiro resgate – era outra coisa, ao serviço do capital. No entanto, Tsipras disse ontem que sai do governo com a “cabeça erguida” e que, enquanto líder da oposição, irá continuar a batalhar pelos valores da “esquerda”, segundo refere a Euro News.

A extrema-direita continua lá

Um dado importante desta jornada eleitoral é o fato de os neonazis do Aurora Dourada – que chegaram a ter 21 deputados no Parlamento grego – não terem conseguido os 3% necessários para alcançarem representação parlamentar (ficaram-se agora pelos 2,9%).

Por outro lado, o partido Solução Grega (EL), nacionalista de extrema-direita, fundado em 2016 pelo “multifacetado” Kyriakos Velopoulos obteve 3,7% dos votos e dez deputados. Em declarações à imprensa depois de votar, lembrou que o lema do seu partido é “Os gregos primeiro, a Grécia primeiro”, tendo afirmado que será “a verdadeira voz da oposição para defender os direitos dos trabalhadores, especialmente dos gregos”.

Solução Grega e Aurora Dourada obtiveram, juntos, uma percentagem idêntica à que o partido neonazi alcançou nas eleições de Setembro de 2015 (6,9%).

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação