Pesquisar
Pesquisar

"Continuemos defendendo o sonho de uma Argentina justa!”, diz Massa após vitória de Milei

“A partir de amanhã a responsabilidade sobre o funcionamento político, social e econômico da Argentina é do novo presidente eleito, e esperamos que o faça”
Guilherme Ribeiro
Diálogos do Sul Global

Tradução:

Javier Milei é o novo presidente da Argentina. Com cerca de 98% das urnas apuradas, o candidato neofascista, da chapa A Liberdade Avança, figura com 55,76% dos votos, frente a 44,23% de Sergio Massa, da União pela Pátria.

Pouco antes dos resultados serem oficializados no site da Direção Nacional Eleitoral do país, por volta das 20h (horário de Brasília), Massa já se encontrava no bunker da UP para reconhecer a derrota. Iniciou seu discurso falando sobre o clima hostil ao longo da campanha e sobre a importância de superá-lo:

“Que após 40 anos de democracia, a coexistência democrática e o valor do respeito a quem pensa diferente se instale para sempre na Argentina”, conclamou.

Massa fez amplos agradecimentos, especialmente aos seus 11 milhões de eleitores deste domingo e à militância: “No metrô, de casa em casa, tentaram contar a cada argentino e a cada argentina qual o projeto de país que representamos”, afirmou.

Atual ministro da Economia, ele reforçou as políticas defendidas pela UP, como o sistema de segurança nas mãos do Estado, educação e saúde públicas, a indústria nacional, o trabalho e os direitos dos trabalhadores: “Sentimos que essa é a melhor forma de construir prosperidade, mobilidade social ascendente, mas acima de tudo, o progresso para nossa nação”, acrescentou.

Para saber mais sobre a disputa eleitoral no país, confira nossa editoria especial: Eleições na Argentina.

Em evidente recado a Milei, o candidato progressista frisou que a Argentina possui um sistema democrático forte, sólido, transparente e que respeita sempre os resultados das eleições. Comentou, inclusive, que contatou o vencedor para parabenizá-lo, e aos presentes no bunker lembrou:

“A partir de amanhã, a responsabilidade, a tarefa de dar certezas, de transmitir garantias sobre o funcionamento político, social e econômico da Argentina, é do novo presidente eleito, e esperamos que o faça!”.

Finalizando o breve discurso, Massa disse que termina hoje uma etapa de sua vida política, mas que vai continuar defendendo os valores do trabalho, da educação pública, da indústria nacional e do federalismo como valores centrais da Argentina.

“A partir de amanhã a responsabilidade sobre o funcionamento político, social e econômico da Argentina é do novo presidente eleito, e esperamos que o faça”

Foto: Reprodução/Twitter
Massa: "Que milhares e milhares de jovens da Argentina continuem a se apaixonar pela ideia de que esse é um grande país"

“Existem milhares e milhares de argentinos como aqueles que estão aqui e que têm a convicção e o valor de defender esse país inclusivo em que acreditamos”, declarou, convidando ainda as novas gerações a fazer parte da luta:

“Que milhares e milhares de jovens da Argentina continuem a se apaixonar pela ideia de que esse é um grande país e que juntos podemos torná-lo um país de progresso, desenvolvimento inclusivo e igualdade de oportunidades. […] Continuemos defendendo o sonho de uma Argentina justa!”, finalizou.

Confira o discurso na íntegra, em espanhol.


Líderes da América Latina comentam resultado

Após o resultado do pleito deste domingo, lideranças da América Latina felicitaram Milei pela vitória. Por meio de mensagens em suas redes sociais, os chefes de Estado do Brasil, do Chile, da Colômbia e de outros países destacaram a escolha do povo argentino.

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, desejou êxito ao novo governo e manifestou que o país está disposto a trabalhar junto aos argentinos.  

Gabriel Boric, presidente do Chile, saudou Milei e destacou a atitude honrada de Sergio Massa em reconhecer a derrota. “Ao povo argentino, desejo o melhor e saibam que sempre contarão com nosso respeito e apoio. Como presidente do Chile, trabalharei incansavelmente para manter nossas nações irmãs unidas e colaborando para o bem-estar de todos e todas”, declarou. 

“A extrema-direita ganhou na Argentina; é uma decisão da sua sociedade. Triste para a América Latina e já veremos… o neoliberalismo já não tem proposta para a sociedade, não pode responder aos problemas atuais da humanidade”, disse, por sua vez e em tom crítico, o chefe de Estado colombiano, Gustavo Petro.

Ele destacou, no entanto, que as relações entre os dois países e os vínculos entre os povos se manterão com respeito mútuo. “Felicito a Milei, e esperamos do progressismo argentino as avaliações que permitirão que os povos latino-americanos aprendam com as lições da história”, escreveu.

Guilherme Ribeiro e Érika Ceconi | Especial para Diálogos do Sul, ComunicaSul e Barão de Itararé*


* A reprodução deste conteúdo é livre e gratuita, desde que citadas a fonte e a lista de entidades apoiadoras da cobertura.

A Agência ComunicaSul está cobrindo as eleições de 2023 na Argentina graças ao apoio das seguintes entidades: jornal Hora do Povo, Diálogos do Sul, Barão de Itararé, Portal Vermelho, Correio da Cidadania, Agência Saiba Mais, Agência Sindical, Viomundo, Fórum 21, Instituto Cultiva, Asociación Judicial Bonaerense, Unión de Personal Superior y Profesional de Empresas Aerocomerciales (UPSA), Sol y Sombra Bar, Federação dos Trabalhadores em Instituições Financeiras do RS (Fetrafi-RS); Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe-RS); Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos; Federação dos Comerciários de Santa Catarina; Confederação Equatoriana de Organizações Sindicais Livres (CEOSL); Sindicato dos Comerciários do Espírito Santo; Sindicato dos Hoteleiros do Amazonas; Sindicato dos Trabalhadores das Áreas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisa, e de Fundações Públicas do Rio Grande do Sul (Semapi-RS); Federação dos Empregados e Empregadas no Comércio e Serviços do Estado do Ceará (Fetrace); Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços da CUT Rio Grande do Sul (Fetracs-RS); Intersindical, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Única dos Trabalhadores do Paraná (CUT-PR); Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (AASPTJ-SP), Federação dos/as Trabalhadores/as em Empresas de Crédito do Paraná (FETEC-PR), Sindicato dos Trabalhadores em Água, Resíduos e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Sintaema-SP); Sindicato dos Trabalhadores em Água, Resíduos e Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina  (Sintaema-SC), Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada no Estado do Paraná (Sintrapav-PR), Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp Sudeste-Centro), Sindicato dos Escritores no Estado de São Paulo, Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário Federal de Santa Catarina (Sintrajusc-SC); Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina (Sinjusc-SC), Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário Federal em Pernambuco (Sintrajuf-PE), mandatos populares do vereador Werner Rempel (PCdoB/Santa Maria-RS) e da deputada federal Juliana Cardoso (PT-SP) e dezenas de contribuições individuais.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Guilherme Ribeiro Jornalista graduado pela Unesp, estudante de Banco de Dados pela Fatec e colaborador na Revista Diálogos do Sul.

LEIA tAMBÉM

Luis-Abinader
Haiti gravita sobre o novo mandato dominicano de Luis Abinader
Javier_Milei
Milei bloqueia 5 mil ton de comida, deixa mais pobres com fome e inflama revolta na Argentina
Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru