Pesquisar
Pesquisar

Convenção chilena aprova os primeiros artigos da nova Constituição

Avanço foi sopro de oxigênio após semanas de acusações de conservadores de que esquerda busca criar texto ideológico, revanchista e excludente
Aldo Anfossi
La Jornada
Santiago

Tradução:

Escamoteada pelo establishment político empresarial e midiático, horrorizada em redes sociais e angustiada em sua intimidade pela noção do fracasso, a Convenção Constitucional chilena que se debate contra o tempo para acordar um texto, entra nesta quinta-feira em terra direita quando conseguiu deixar firmes os primeiros artigos da provável nova Carta Magna

O provável se refere a que esse texto que deve estar pronto no máximo em 4 de julho – quando se esgota o prazo legal de existência da Convenção – deverá ser submetido a um referendo que o ratifique em outubro, no qual será obrigatório o voto para 15 milhões de chilenas, chilenos e estrangeiros habilitados, diferentemente das contendas eleitorais em que a participação é voluntária e nas quais a abstenção beira os 50 por cento. 

Especificamente, os convencionais votavam nesta quinta-feira “em particular” 14 artigos sobre o sistema de justiça que previamente haviam sido aprovados “em geral”, e que consideram questões tão relevantes como estabelecer aparelhos judiciais diferenciados para os povos indígenas originários, algo que se for concretado seria completamente inovador no país. 

Não é menor a conquista, considerando que cada artigo e seus respectivos incisos necessitam como mínimo o respaldo de dois terços (105 votos) dos 154 convencionais em função.

Avanço foi sopro de oxigênio após semanas de acusações de conservadores de que esquerda busca criar texto ideológico, revanchista e excludente

Republica Federal de Chile
Direita está “com ataque”, como dizem no Chile, diante da iminência de que a carta fundamentalmente lhes escape das mãos

O avanço foi um sopro de oxigênio para a Convenção depois de semanas suportando um ataque sistemático do conservadorismo, acusando o órgão de estar construindo um texto ideológico, maximalista, revanchista e excludente, até a ameaça explícita de retirar-se porque “não tem havido nenhuma moderação nem consideração a propostas sérias”.

Houve algumas ideias descabeladas – como aquela subscrita por oito convencionais para suprimir os três poderes típicos do Estado – mas em geral parece estar sendo plasmado um teto integrador, diametralmente distinto à constituição do ditador Pinochet, consagradora do neoliberalismo, para avançar a um país de direitos sociais garantidos, plurinacional, com paridade de gênero é construído sobre sua diversidade cultural e social.

Assista na TV Diálogos do Sul

“A direita está representando um show daqueles na Convenção. A briga é penosa porque descobriram o que acontece quando é minoria e não há tanques, empresários e hawker hunters que te salvem quando vais perdendo. Querem chutar o tabuleiro e não sabem como… ainda” escreveu no twitter o convencional Jorge Baradit. A menção a Hawker Hunters é alusiva ao modelo de avião com que a Força Aérea bombardeou o Palácio de La Moneda em 1973, durante o golpe de Estado contra o presidente Salvador Allende.

Enquanto a ultradireitista integrista Marcela Cubillos publicou: “Dissemos isso no início. A esquerda tem os votos para escrever sozinha a Constituição e é isso que está fazendo. Põem-se de acordo entre eles e têm facilmente os 2/3. É a primeira vez em décadas que não se pode culpar a direita nem a ex-Concertação. É “seu” texto “de refundação”. 

Efetivamente, a direita está “com ataque”, como dizem no Chile, diante da iminência de que a carta fundamentalmente lhes escape das mãos: “É importante compreender que uma Constituição não é um programa de governo, não é uma lei; uma Constituição é o marco de unidade de projeção que se dão os países para muitas décadas e por isso é fundamental que não seja de uns e não de outros, esse tem sido nosso problema durante os últimos 40 anos”, interveio o presidente Sebastián Piñera, ao reaparecer após semanas de anonimato ao dar início à construção da Linha 7 do metrô de Santiago.

Aldo Anfossi, correspondente de la jornada em Santiago do Chile


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Aldo Anfossi

LEIA tAMBÉM

Lopez-Obrador-Claudia-Sheinbaum (2)
Eleições no México: sob legado de Obrador, esquerda caminha para vitória com Claudia Sheinbaum
Cópia de DIREITA TERÁ FORÇA PARA DERROTAR CONSTITUIÇÃO(124)
Roberto Requião: Saí do PT porque adotaram liberalismo econômico do Guedes
Luis Abinader
Política de Abinader contra refugiados do Haiti é contradição que ameaça economia dominicana
Carlos Rodríguez
"Milei provocou uma das recessões mais rápidas e profundas da história", diz ex-braço direito