Pesquisar
Pesquisar

Cooperação Angola e Brasil: nova jazida de petróleo é descoberta em menos de uma semana

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Juliane Cintra*

Luanda (Angola) - O presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, dá as boas-vindas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva  Foto: Ricardo Stuckert/PR Foto: Ricardo Stuckert/PR – Agência Brasil

A Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol), em parceria com a Petrobrás, encontra novo poço de petróleo em águas profundas a 200 quilômetros da capital Luanda. Esta descoberta, a segunda anunciada em menos de uma semana, ocorreu no poço Manganês-01, perfurado no bloco 18/06, no qual a estatal brasileira é operadora.

A aposta em Angola, resultado de uma antiga parceria, representa o maior programa de perfuração exploratória da Petrobrás fora do Brasil. Atualmente, a companhia opera em três blocos (Blocos 18/06, 6/06 e 26) e participa, como não-operadora, em outros três consórcios (Blocos 2/85, 15/06 e 34).

Com 1500 metros de profundidade, em reservatórios arenosos de idade Miocênica, o poço Manganês-01, segundo comunicado oficial, “comprovou a existência de óleo de excelente qualidade”.  Em operações teste, a Petrobrás ressaltou a produção de petróleo “com altas vazões e excelente índice de produtividade”.

Planejando investir US$ 900 milhões até 2012, a Petrobrás pretende perfurar 11 poços exploratórios até 2011 e consolidar sua atuação em Angola, iniciada em 1979.

A empresa brasileira também desenvolve atividades em outros países africanos, como a Tanzânia, Guiné Equatorial, Moçambique, Líbia e Nigéria.

Fonte: Agência Brasil e O Estado de São Paulo


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei