Pesquisar
Pesquisar

Cooperação com Rússia pode dar impulso a nova era na África, livre do dólar e dos EUA

Criar circuitos econômicos distantes do eixo ocidental e anglo-saxão é uma necessidade premente para o desenvolvimento do Sul Global
Bruno Beaklini
Monitor Do Oriente Médio
Porto Alegre (RS)

Tradução:

A realização da segunda Cúpula e Fórum Econômico Rússia-África, que ocorre em São Petersburgo entre 27 e 28 de julho, pode gerar impactos positivos para o desenvolvimento econômico africano assim como a expansão da indústria russa na região. O papel do fórum é o desenvolvimento de soluções para questões delicadas, como desafios alimentares, particularmente considerando a importância histórica da Rússia e da África como fonte de alimento. A potência eurasiática é um grande produtor de alimentos e está diante de um desafio, que é o de manter as parcerias comerciais apesar dos bloqueios e sanções aos quais está submetida.

Continua após o banner

Todo Fórum como este que se avizinha traz perspectivas de sucesso, considerando os resultados da primeira edição, os quais expomos no texto com o crescimento exponencial das trocas comerciais russo-africanas. A atualização destas pode ser um salto de qualidade, evoluindo do comércio entre commodities primárias e apontando para a infra-estrutura e desenvolvimento de novas cadeias de valor, como a ampliação das atuais capacidades industriais com produtos de alta tecnologia, além de serviços financeiros distantes do privilégio do dólar estadunidense. Vale esforçar esta evidência. Criar outros circuitos econômicos distantes do eixo ocidental e anglo-saxão é uma necessidade premente para o desenvolvimento do Sul Global.

 

A trajetória histórica-estrutural da descolonização e etapa posterior

Cabe uma visão histórica dos papéis desempenhados pelos Estados Unidos e seus aliados das antigas potências coloniais na África. A própria criação do Africom (Comando Permanente de Combate dos EUA destinado aos países africanos) é proporcional ao aumento da presença salafista e takhfirista nos territórios sub-saarianos. Embora seja uma decisão de outubro de 2007, sua trajetória pode ser vista como uma continuidade da era colonial.

Leia também: África: Para deter China e Rússia, Otan agora leva suas sombras às areias do Sahel

Importante observar que em 25 de maio de 1963 foi criada a Organização pela Unidade Africana, estrutura que perdurou até 1999, sendo sucedida pela União Africana (https://au.int/en). Embora sejam ambas as organizações de tradições pan-africanistas, a primeira está mais vinculada com o período da descolonização e da Guerra Fria e, a segunda, é contemporânea da globalização capitalista e do momento em que os Estados Unidos acreditaram estar em uma era unipolar.

Este segundo período definitivamente acabou diante da prepotência dos EUA. Com o emprego do uso do dólar como moeda corrente mundial e arma de guerra econômica, todos os países com alguma pretensão de exercício de soberania produtiva e exercício pleno das decisões fundamentais se veem diante de uma situação inexorável. Ou se busca uma saída soberana na utilização de moedas distintas do dólar ou cada governo nacional e suas respectivas sociedades serão reféns da arquitetura financeira mundial pós Bretton Woods e posterior ao fim da União Soviética.

Continua após a imagem

Criar circuitos econômicos distantes do eixo ocidental e anglo-saxão é uma necessidade premente para o desenvolvimento do Sul Global

Kremlin
A cooperação da Rússia pode ampliar o nível de complexidade e complementaridade das economias africanas

Este tema é recorrente e vemos uma espécie de “herança” pós-soviética em aspectos da política externa russa. Isto se nota em certa presença do Kremlin no Oriente Médio, na aproximação estratégica com poderes regionais importantes (como Turquia e Irã) e, necessariamente, com os países africanos. Apesar de terem apoiado a criação do Estado do Apartheid Sionista na Palestina Ocupada, a reorientação soviética se aproxima da Causa Árabe e também da Unidade Africana. Nos processos de descolonização do continente co-irmão da América Latina, comissionados de origem soviética e especialmente, operadores voluntários de Cuba, tiveram um papel muito importante na expulsão de colonialistas europeus. 

Nesta década do século XXI, a realidade da competição e cooperação entre Estados e áreas de influência se dá diante das disputas pelas formas de desenvolvimento capitalista. O African Export-Import Bank (Afreximbank) tem sede no Cairo (Egito) e filiais em Abidjan (Costa do Marfim), Abuja (Nigéria), Harare (Zimbabwe), Kampala (Uganda) e Yaoundé (Camarões). As relações orgânicas entre o banco e o Fórum são visíveis na participação desta importante e multilateral instituição financeira africana no Fórum Econômico, e a reunião de Cúpula Russo-Africana indica que podemos estar diante do aumento da presença da potência eurasiática no continente. A exemplo do processo liderado pela China, secundado por Turquia e Irã – e por doze anos com muita presença do Brasil – formam o conjunto de economias não ocidentais a disputar influência com as antigas potências coloniais europeias e seu hegemon, os EUA. 

O presidente do Afreximbank, Benedict Okey Oramah, afirmou que o Banco atuaria como um Parceiro Organizacional do Fórum. Este estatuto inclui a promoção do evento na África, a captação do público-alvo, a assistência necessária aos oradores do programa empresarial e a construção do pavilhão.

Continua após o banner

Oramah concentrou-se separadamente no comércio em desenvolvimento ativo entre os países africanos e a Rússia. Segundo ele, há poucos anos, o volume negociado era de US$ 8,9 bilhões, ante os atuais US$ 12 bilhões. “A Rússia desempenha um papel fundamental no fornecimento de grãos, às vezes até 30-40%. O mesmo se aplica aos fornecimentos de fertilizantes: a Rússia é o principal fornecedor destes”, disse Oramah.

As relações russo-africanas são estratégicas. Bloqueios e sanções que impeçam a chegada de insumos da cadeia de valor da agricultura são a condenação de países inteiros à fome e à devastação societária. Logo, é necessário avançar nas trocas econômicas multilaterais garantindo a presença de produtos russos na África.

A presença russa pode ser ampliada nas oito regiões econômicas da União Africana

Em complementaridade ao Afreximbank, a União Africana organiza “Comunidades Econômicas Regionais (CERs)”. Segundo o portal da UA, as CERs são agrupamentos regionais de Estados africanos, desenvolveram-se com cada suas particularidades, tendo papéis e estruturas diferentes. Geralmente, o propósito das CERs é facilitar a integração econômica regional entre os membros das regiões e através da Comunidade Econômica Africana (AEC) – estrutura mais ampla -, que foi estabelecida sob o Tratado de Abuja (1991).

A União Africana reconhece a oito Comunidades Econômicas Regionais (CERs):

• União do Magrebe Árabe (UMA)
Mercado Comum da África Oriental e Austral (COMESA)
Comunidade dos Estados do Sahel–Saara (CEN–SAD)
Comunidade da África Oriental (EAC)
Comunidade Econômica dos Estados da África Central (ECCAS)
Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO)
Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (IGAD)2
Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Leia também: Tempo, memória e reencontro: retornar à África vai além de atravessar o Atlântico

A cooperação da Rússia com cada uma das oito comunidades regionais assignadas acima pode ampliar o nível de complexidade e complementaridade destas economias. Para tal, é necessário superar as medidas impostas pelos EUA e a União Europeia (UE) como sanções, bloqueios e a proibição de acesso ao Sistema Swift de trocas interbancárias. Evidente que os acordos da Basileia já não servem mais para o comércio mundial e é necessária a criação de uma nova arquitetura financeira mundial, baseada em organismos continentais – como o Afreximbank – e de escala global, como o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB, o Banco dos BRICS).

Um avanço concreto pode ser a criação de uma ou mais linhas de seguros e garantias do frete marítimo organizadas em cooperação entre instituições financeiras russas, de países africanos e com o aval do NDB. A otimização logística, com desembarques únicos para múltiplos destinos, é uma das vantagens que esse novo arranjo – baseado nas CERs – pode vir a criar. O mais relevante, além da concretude destes intercâmbios comerciais e de desenvolvimento econômico, é a meta estratégica de estabelecer novos circuitos e rotas que passem cada vez mais longe da possibilidade do imperialismo estadunidense operar com seu poder de veto. Qualquer avanço neste sentido é benéfico para a economia do Sul Global e suas parcerias não ocidentais.

Bruno Beaklini (@estanalise / blimarocha@gmail.com/ estrategiaeanaliseblog.com) em Monitor do Oriente Médio.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Bruno Beaklini

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes