Pesquisar
Pesquisar

Coreia do Norte condena Japão por distorcer história sobre escravidão sexual e recrutamento forçado na Segunda Guerra

O Ministério de Relações Exteriores tornou pública nota oficial que indica que as autoridades japonesas distorceram abertamente a história
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Pyongyang

Tradução:

A República Popular Democrática da Coreia (RPDC) condenou a condescendência com que o Japão abordou recentemente os desmandos cometidos pelo exército imperial na Segunda Guerra Mundial.

O Ministério de Relações Exteriores da RPDC tornou pública uma nota oficial na qual indica que as autoridades japonesas foram ao extremo de distorcer abertamente a história e pretender apagar a escravidão sexual e o recrutamento forçado de coreanos cometidos por seus militares.

A Chancelaria norte-coreana faz referência a uma reunião do gabinete nipônico realizada em 27 de abril, em que deram a entender que o termo escravidão sexual não é apropriado porque se tratou de “mulheres de lazer para o exército”.

O Ministério de Relações Exteriores tornou pública nota oficial que indica que as autoridades japonesas distorceram abertamente a história

Reprodução: Pixabay
A RPDC indicou que o governo japonês pretende jogar sal nas feridas das vítimas.

Igualmente, afirmaram que o “trabalho forçado” não é uma expressão adequada, porque tudo se fez sob o “Projeto de Ordenança Nacional” vigente naquele momento.

Em sua declaração, a Chancelaria norte-coreana lembra que a comunidade internacional definiu o recrutamento forçado de coreanos por parte das autoridades japonesas, assim como a escravidão sexual, como crimes de lesa humanidade inclusos em 55 categorias penais.

Em particular, o Tribunal Internacional de Crimes de Guerra de Mulheres, realizado em Tóquio em 2000 mostrou a mobilização das autoridades militares e governamentais do Japão para institucionalizar a escravidão sexual militar em tempos de guerra baseado nos testemunhos das vítimas e em vários documentos, afirma. A RPDC indicou que o governo japonês pretende jogar sal nas feridas das vítimas, “fazendo um desafio intolerável para inculcar a visão distorcida da história e o revanchismo nas gerações vindouras, repetindo a história de agressão”.

O Japão se equivocaria seriamente se pensasse que sua história de agressões e atrocidades criminosas passadas podem ser tapadas com os musgos e as folhas caídas do esquecimento amontoadas com o passar do tempo, adverte a nota.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes