Pesquisar
Pesquisar

Corrupção, alianças e rupturas: entenda a crise no governo da Catalunha

Escândalo envolvendo Presidenta do Parlamento catalão culminou no abandono em massa de diversos dirigentes do governo
Armando G. Tejeda
La Jornada
Moscou

Tradução:

O governo catalão está à beira da ruptura. Após pouco mais de um ano da atual legislatura, o bloco nacionalista se fraturou e foi anunciada como iminente a saída de um dos dois partidos que formam o governo, Junts per Catalunya (JxCat), os antigos dirigentes do conservador Convergencia i Unió.

O presidente da Generalidade, Pere Aragonés, que pertence ao outro pilar da coalizão, Esquerra Republicana de Catalunya (ERC), terá que assumir a demissão em massa da metade de seus conselheiros e buscar alianças parlamentares para finalizar os três anos que restam para terminar a legislatura, ou, em caso contrário, convocar eleições antecipadas.

O ERC, com 33 deputados, e o JxCat, com 32, formaram um pacto de governo há pouco mais de um ano e meio, depois das eleições de fevereiro de 2021 nos quais, pela primeira vez, foi eleito como presidente da Generalidade um líder da esquerda republicana separatista. Aragonés também contou com o apoio dos anticapitalistas da CUP, que com nove cadeiras inclinaram a balança, quase dividida pela metade, do bloco nacionalista.

Escândalo envolvendo Presidenta do Parlamento catalão culminou no abandono em massa de diversos dirigentes do governo

Governo da Catalunha
O presidente da Generalidade, Pere Aragonés

As negociações foram árduas, sobretudo porque os altos representantes do JxCat, herdeiros do nacionalismo conservador fundado pelo histórico líder catalão Jordi Pujol, se negaram a ceder a presidência da Generalidade a seus rivais do setor separatista.

Separatismo catalão retoma ruas em meio a rupturas e busca por rota à independência

Finalmente chegaram a um acordo, Aragonés assumiu o cargo e a representante do JxCata, Laura Borràs, assumiu a presidência do Parlamento catalão, que é a segunda instituição mais importante do país.

No entanto, o equilíbrio de forças se rompeu entre as duas formações nacionalistas quando Borràs foi processada por um grave caso de corrupção referente a quando atuava como conselheira de Cultura, ao vincular numerosos contratos a um amigo pessoal. O processo provocou sua destituição como presidenta do Parlamento com os votos a favor majoritários da Câmara, incluídos os dos deputados do ERC.

Esse fato fraturou definitivamente a aliança, ao acontecer depois de uma série de movimentos que culminaram com a atual ruptura. Primeiro, as manobras do JxCat para submeter a Aragonés sua moção de confiança por não ter cumprido com a rota marcada no pacto de governo para conseguir a independência. E depois, a decisão de Aragonés de destituir seu vice-presidente e homem de confiança de Barràs, Jordi Puigneró. 

Essa destituição fulminante provocou que a cúpula do JxCat decidisse convocar seus militantes a uma votação com uma pergunta direta: deviam ou não abandonar em massa o governo. A votação teve resultado a favor, com 55% dos votos dizendo que deveriam abandonar o Executivo catalão. 

Além do presidente espanhol, 61 políticos pró-independência da Catalunha foram espionados

Isso supõe a demissão em bloco dos conselheiros, a partir da qual Aragonés deverá fazer uma remodelação profunda no governo, o que prevê que haja menos conselheiros e vinculados só ao partido republicano catalão. 

Neste difícil equilíbrio parlamentar para manter o governo, o Partido Socialista da Catalunha, que está vinculado ao Partido Socialista Obrero Espanhol, que governa a Espanha, ofereceu seu apoio para dar estabilidade ao governo, até que termine a legislatura. 

Armando G. Tejeda | Correspondente do La Jornada em Madri.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes