Pesquisar
Pesquisar

CPI da Covid: Marcelo Queiroga mente e se contradiz sobre vacinas e Copa América

Ministro da Saúde disse que país é o terceiro que mais vacinou no mundo (é o 66º) e atribuiu crise da covid-19 à nova cepa
Redação RBA
Rede Brasil Atual
São Paulo (SP)

Tradução:

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, começou seu segundo depoimento à CPI da Covid, nesta terça-feira (8), com contradições e mentiras sobre a vacinação, a crise da pandemia de covid-19 e também ao defender a realização da Copa América no país. 

Na abertura de seu depoimento, ele afirmou que o Brasil ultrapassou a marca de 160 milhões de doses de vacina entregues. Segundo ele, 30% da população já recebeu a primeira dose e 14,3% está totalmente imunizada. Assim, segundo ele, o Brasil seria “o terceiro país que mais vacinou no mundo”. Entretanto, os dados foram contestados e corrigidos nas redes sociais.

O jornalista Ricardo Noblat cita os dados da Our World in Data, plataforma alimentada por pesquisadores da Universidade de Oxford, que coloca o Brasil em 66ª posição no ranking global de vacinação na relação por 100 habitantes. Sobre a segunda onda que atingiu o país nos últimos meses, o ministro atribuiu a crise à variante P1, encontrada em Manaus e afirmou que o ministério está reforçando estados e municípios para que não falte insumos. Novamente, a fala de Marcelo Queiroga na CPI da Covid foi desmentida. O também jornalista Kennedy Alencar lembra que o ministro está há dois meses na Saúde e que o aumento de casos e mortes pelo vírus também está em sua conta. “Segunda onda se deveu à negligência homicida de Bolsonaro. Ele joga conta em nova cepa. Mentira. Ritmo de vacinação diminuiu em maio na comparação com abril. Obra dele. Grande feito foi desconvidar Luana Araújo por ordem de Bolsonaro”, afirmou

Ministro da Saúde disse que país é o terceiro que mais vacinou no mundo (é o 66º) e atribuiu crise da covid-19 à nova cepa

Reprodução: Twitter
O ministro da Saúde também defendeu a realização da Copa América no Brasil, com início no próximo domingo (13)

Cloroquina no debate

 O ministro disse ainda que o debate sobre o uso ou não da cloroquina e da ivermectina no tratamento do coronavírus não ajuda a terminar com a pandemia no Brasil. Ele afirmou que o debate tem provocado forte divisão entre a classe médica.

 O físico, professor e divulgador científico Leandro Tessler criticou a fala de Queiroga, por dizer que ainda “não há evidência científica” para o tratamento precoce. “Ou seja, ele acha que a qualquer momento haverá. Depois diz que há uma ‘divergência médica’. Não há controvérsia científica. Nenhum dos muitos testes bem feitos mostrou eficácia. Picareta”, tuitou.

Para a presidenta do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), o segundo depoimento de Marcelo Queiroga na CPI da Covid comprova a falta de autonomia do ministro. “Ele já chegou titubeando sobre uso da cloroquina, que chamou de divergência médica. Como ficou claro no depoimento da Dra. Luana Araújo, o Ministro da Saúde não tem tem autonomia”, lamentou.

Copa América

O ministro da Saúde também defendeu a realização da Copa América no Brasil, com início no próximo domingo (13). Ele afirmou que as práticas esportivas estão liberadas no país e que não há provas que essa prática aumenta o risco de contaminação pela covid-19. 

“O esporte está liberado no Brasil e não existe provas de que essa prática aumenta o nível de contaminação dos atletas”, argumentou Queiroga, que acrescentou que apenas um caso de covid-19 foi confirmado entre atletas. Entretanto, foi rebatido pelo vice-presidente da comissão, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que lembrou dos 350 casos de infectados durante o campeonato brasileiro de 2020. 

A vereadora paulistana Erika Hilton (Psol) questionou a versão do ministro. “Queiroga insiste que a Copa América se trata do que acontece no campo. Uma Copa continental que mobiliza milhares de profissionais, turistas que vem ao país acompanhar sua seleção, eventos e coletivas de imprensa… Mas o protocolo vale só pro campo de futebol?”, publicou em seu Twitter.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação RBA

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio