Pesquisar
Pesquisar
Foto: Steve (Primus) / Flickr

Crise climática afeta saúde de 70% da classe trabalhadora global; como protegê-la?

Segundo OIT, calor excessivo é um dos efeitos mais nocivos e atinge pelo menos 2,41 bilhões de trabalhadores no mundo
Sergio Ferrari
Rebelión

Tradução:

O planeta continua a arder, com um custo humano cada vez mais alto. Sete em cada dez trabalhadores sofrem com este aquecimento, que até 2050 poderá produzir perdas equivalentes a 19% do rendimento global.

As alterações climáticas provocam fenômenos meteorológicos à escala planetária tão dramáticos quanto persistentes: ondas de calor, ciclones tropicais, precipitações pluviais com inundações descontroladas e incêndios florestais devastadores, entre muitos outros.

Crise climática sem fronteiras

Em 2023, a Ásia foi a região mais afetada pelos cataclismos climáticos. As temperaturas da superfície do mar no noroeste do Pacífico foram as mais elevadas já registradas, tanto que o próprio Oceano Ártico sofreu uma onda de calor marinho. A taxa de aquecimento deste continente excedeu a média global, duplicando em pouco tempo a tendência crescente de 1961 a 1990.

De acordo com a Base de Dados Internacional de Desastres EM-DAT (Banco de Dados de Eventos de Emergência), no ano passado a Ásia sofreu 79 desastres hidrometeorológicos. Destes, mais de 80% foram causados por tempestades e inundações que afetaram diretamente mais de 9 milhões de pessoas.

Em outro relatório regional, também do final de abril, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) descreve o impacto do clima cada vez mais preocupante na Europa, onde, devido às temperaturas extremas, a mortalidade aumentou cerca de 30% nas últimas duas décadas. O ano 2023 foi um dos dois anos mais quentes desde que existiram medições: as temperaturas estiveram acima da média durante 11 meses. Foi também o ano com mais dias de “stress térmico extremo”, ou seja, desequilíbrios significativos no corpo humano devido a temperaturas extremas devido ao calor ou ao frio.

O mundo do trabalho particularmente vulnerável

Embora estes cataclismos afetem a população em geral, atingem em particular os trabalhadores, geralmente as pessoas mais expostas aos rigores do clima durante períodos mais longos e temperaturas mais intensas. 

Um novo relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT), intitulado “Garantir a segurança e a saúde no trabalho num clima em mudança”, aponta que as alterações climáticas estão a causar efeitos nocivos na saúde de 70% destas pessoas em todo o mundo, tais como lesões dermatológicas, câncer, doenças cardiovasculares, problemas respiratórios, degeneração macular e problemas mentais.

O relatório, publicado na terceira semana de abril – o Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho é comemorado no dia 28 deste mês – inclui evidências irrefutáveis ​​de seis efeitos principais das alterações climáticas na segurança e saúde no trabalho. Estes efeitos, muitos dos quais não são novos, foram selecionados pela sua gravidade e pela magnitude do seu impacto: calor excessivo, radiação ultravioleta, fenômenos meteorológicos extremos, poluição atmosférica, doenças transmitidas por vetores (mosquitos, por exemplo) e alterações climáticas no uso de agroquímicos.

Foto: MD. Hasibul Haque Sakib

O calor excessivo é um dos efeitos mais nocivos e generalizados. Segundo a OIT, pelo menos 2,41 bilhões de trabalhadores sofrem com esta doença, especialmente na agricultura, gestão de recursos naturais, construção, recolha de resíduos, transportes, turismo e esporte. As altas temperaturas podem causar insolação, exaustão, rabdomiólise, síncope, cólicas, erupções cutâneas, doenças cardiovasculares e danos renais agudos e crônicos. O relatório contabiliza mais de 22 milhões de feridos no local de trabalho e quase 19 mil mortes anualmente devido ao calor extremo.

Além disso, cerca de 1,6 bilhões de trabalhadores são expostos anualmente à radiação ultravioleta, com consequências graves, como queimaduras solares, bolhas, lesões oculares agudas, enfraquecimento do sistema imunitário, pterígio, cataratas, câncer de pele e degeneração macular, entre outras. Milhares de pessoas morrem anualmente de câncer de pele não melanoma relacionado apenas com diferentes formas de trabalho.

No que diz respeito ao impacto dos fenômenos meteorológicos e hidrológicos extremos, a OIT estima mais de 2 milhões de mortes nos últimos 50 anos, especialmente entre pessoal médico e paramédico, bombeiros, trabalhadores de emergência em geral, bem como no setor agrícola e da pesca.

Outros 850 mil trabalhadores morrem anualmente devido à poluição atmosférica, vítimas de doenças graves como cancro (nomeadamente pulmonar), cardiovasculares e respiratórias.

Pelo menos 873 milhões de pessoas que trabalham no setor agrícola enfrentam um risco aumentado de exposição a produtos agroquímicos, com a correlação de uma ampla gama de diagnósticos de intoxicação, câncer, neurotoxicidade, desregulação endócrina, distúrbios reprodutivos, doenças cardiovasculares e pulmonares obstrutivas crônicas e imunossupressão. E mais de 300 mil mortes por ano são devidas ao envenenamento por pesticidas. Neste mesmo setor, mas especificamente no que diz respeito a ocupações como construção civil e bombeiros, ocorrem anualmente mais de 15 mil mortes causadas por doenças parasitárias e vetoriais, como leishmaniose, chagas, tripanossomíase africana, malária, dengue e esquistossomose.

Prioridade imperativa: proteger os trabalhadores

Mais de dois em cada três trabalhadores enfrentam diariamente graves consequências para a saúde devido ao impacto das alterações climáticas na sua atividade laboral. Segundo a OIT, é provável que estes números globais só piorem e que, sendo a inércia o pior conselheiro, devem ser tomadas medidas urgentes e em várias direções. Alguns setores, como os trabalhadores agrícolas, bem como os trabalhadores que realizam tarefas pesadas ao ar livre em climas quentes, são particularmente vulneráveis ​​aos efeitos do aquecimento global. Em ambos os casos, é necessário pensar em medidas adicionais de proteção.

Além disso, veja como adaptar as atuais políticas de saúde e segurança ocupacional em resposta às mudanças climáticas. Também não devemos excluir, segundo a OIT, a avaliação da legislação em vigor e o desenvolvimento de novos regulamentos e diretrizes para garantir que o local de trabalho esteja devidamente protegido contra as ameaças resultantes do aquecimento global.

Outro passo essencial para o futuro próximo é garantir que as preocupações climáticas reforcem a importância da segurança e saúde no trabalho e que novas orientações sejam integradas nas políticas climáticas. Será também essencial aumentar a investigação e garantir uma base empírica mais sólida para orientar as respostas necessárias. O atual ponto de partida é fraco porque as evidências científicas em muitas áreas críticas são extremamente limitadas. É necessária uma investigação mais extensa para desenvolver e avaliar a eficácia das medidas preventivas relativas à saúde e segurança ocupacional em diferentes países e setores de atividade. Tudo isto no quadro de um diálogo social eficiente que dê uma resposta eficaz a estes problemas num mundo do trabalho em mudança. 

No “Sul”, os mais afetados

Devido às alterações climáticas, mesmo que as emissões de CO₂ fossem drasticamente reduzidas a partir de hoje, em 2050 a economia mundial poderia perder 19% do seu rendimento potencial. Este é o cálculo de um grupo de especialistas do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático (PIK) publicado na revista Nature na terceira semana de abril.

Com base em dados empíricos recolhidos em mais de 1.600 regiões do mundo ao longo dos últimos quarenta anos, estes especialistas argumentam que tal perda poderia ser seis vezes maior do que os custos necessários para limitar o aquecimento global a dois graus Celsius. 

A cientista do PIK Leonie Wenz, uma das coordenadoras do estudo, comenta que “as alterações climáticas causarão enormes danos econômicos nos próximos 25 anos em quase todos os países do mundo, mesmo nos altamente desenvolvidos, como a Alemanha, a França e os Estados Unidos. “E explica que “estes danos a curto prazo são o resultado das nossas emissões passadas [e que] precisaremos de mais esforços de adaptação se quisermos evitar pelo menos alguns deles”. 

Por isso, propõe “reduzir as nossas emissões de forma drástica e imediata. Caso contrário, as perdas econômicas serão ainda maiores na segunda metade do século”. Conclui que “proteger o nosso clima é muito mais importante e mais barato do que não o fazer, e isso sem sequer considerar os impactos não econômicos, como a perda de vidas ou de biodiversidade”. Dentro deste panorama extremamente preocupante, a equipa do PIK alerta que os países do sul da Europa serão os mais afetados no continente.

Por outro lado, o Sul da Ásia e a África serão as regiões mais atingidas do mundo. Ou seja, as nações mais pobres do mundo e aquelas que têm menos responsabilidade pelo aquecimento global sofrerão os efeitos mais devastadores dele resultantes.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Sergio Ferrari

LEIA tAMBÉM

mulheres-guerras-violencia
Violência sexual, perda de direitos, invisibilidade: o impacto das guerras no corpo feminino
gaza-palestina2
“Desaparecimentos forçados”: Israel tortura, mata e amputa membros de reféns palestinos
fome-onu-Somalia
“Tormenta”: fome atinge 18 localidades do mundo e exige ação urgente, alerta ONU
frei-betto-ressocializacao
Frei Betto | Sim, é possível ressocializar presos comuns