Pesquisar
Pesquisar

Crise de violência se agrava na Líbia após nomeação de primeiro-ministro paralelo

Mandato de Abdel Hamid Dbeibah terminaria em 24 de dezembro do ano passado, quando ocorreria nova eleição, mas pleito foi adiado
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Trípoli

Tradução:

Uma solução para a crise líbia parece distante hoje após a polarização causada pela nomeação de Fathi Bashagha como primeiro-ministro interino para substituir Abdel Hamid Dbeibah, que se recusa a ceder o poder antes das eleições.

A nação norte-africana tem dois chefes de governo, mais uma prova das profundas divisões entre o leste e o oeste que foram acentuadas durante a guerra civil da última década.

A Câmara dos Deputados, sediada na cidade oriental de Tobruk, escolheu Bashagha, 59 anos, para substituir Dbeibah porque o mandato de Dbeibah expirou em 24 de dezembro, data originalmente escolhida para a eleição presidencial. Entretanto, as eleições foram adiadas devido a diferenças profundas entre vários candidatos, falta de segurança e problemas técnicos.

Até agora não há data para as eleições, e todas as indicações são de que elas serão realizadas no próximo ano. Dbeibah rejeita a tese da legislatura e assegura que seu mandato permaneça em vigor até a realização das eleições.

A nomeação de Bashagha é uma fraude e mostra uma falta de transparência e integridade por parte de alguns parlamentares que controlam o corpo, escreveu ontem no Twitter.

Ambos os políticos apresentaram suas candidaturas para estas eleições e já se enfrentaram em fevereiro de 2021 em sua luta para liderar o governo provisório de Unidade Nacional, uma batalha ganha por Dbeibah. Em meio a esta situação, vários atores internos se posicionaram a favor de um ou outro competidor.

Mandato de Abdel Hamid Dbeibah terminaria em 24 de dezembro do ano passado, quando ocorreria nova eleição, mas pleito foi adiado

Abdel Hamid Dbeibah e Fathi Bashagha – Reprodução / Twitter
Abdel Hamid Dbeibah, à esquerda, e Fathi Bashagha, à direita

Prefeitos, deputados, políticos, analistas e várias milícias tomaram partido nos últimos dias, enquanto outros apelaram à calma e para evitar uma maior polarização que poderia levar a uma retomada do conflito em todo o país.

De fato, desde o adiamento das eleições e em meio ao clima de tensão e recriminações, numerosas milícias reforçaram suas posições na capital e vários confrontos foram relatados até mesmo na periferia da cidade.

Por enquanto, a ONU está mantendo um equilíbrio frágil ao considerar a eleição da Câmara dos Deputados como uma decisão soberana, embora tenha mantido seu apoio ao Dbeibah.

A este respeito, a emissária da ONU para a Líbia, Stephanie Williams, reuniu-se separadamente com ambos os líderes rivais na véspera, sem endossar nenhum deles.

A Líbia está em uma espiral de violência desde a derrubada de Muammar al-Gaddafi em 2011, após uma guerra apoiada pelos membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte, incluindo os Estados Unidos, a França e o Reino Unido.

Sob os auspícios da ONU, 75 delegados líbios representando várias facções e territórios elegeram há um ano um governo de transição para liderar o país até as eleições presidenciais, um processo no qual a população está depositando todas as suas esperanças de pôr fim a uma longa crise.

Prensa Latina — Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso
Rafah-ataque-Israel
Fepal: Como Alemanha nazista, Israel deve ser parado pela força das armas
Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu