Pesquisar
Pesquisar

Crises econômica e política estão explodindo na América Latina, avaliam pesquisadores

Pesquisadores Joana Salém e Hector Mondragon debatem protestos recentes na América Latina, com destaque para Chile e Colômbia
Vanessa Martina-Silva
Diálogos do Sul Global
Jundiaí

Tradução:

Muitos de nós estamos acompanhando atentos o processo eleitoral dos Estados Unidos. A provável derrota de Donald Trump lá tem para nós um sabor especial porque é, ainda que simbolicamente, uma derrota para Jair Bolsonaro aqui.

É um processo importante, sem dúvida, porque vai pautar a geopolítica mundial pelos próximos quatro anos.

Mas estão acontecendo outras coisas que são tão importantes ou mais do que as eleições nos Estados Unidos. A América Latina está em chamas, convulsionada por protestos sociais que estão questionando, tentando pôr abaixo a ordem neoliberal que foi imposta — pelos Estados Unidos — à revelia de nosso povo.

Pesquisadores Joana Salém e Hector Mondragon debatem protestos recentes na América Latina, com destaque para Chile e Colômbia

Montagem Diálogos do Sul
Protestos na Colômbia e no Chile, respectivamente

No Chile, há um ano, grandes protestos populares pediam o fim do governo de Sebastián Piñera. Conseguiram convocar uma assembleia constituinte exclusiva para acabar de vez com a Constituição herdada da ditadura de Augusto Pinochet.

Na Colômbia, líderes sociais estão sendo assassinados sem que medidas efetivas sejam tomadas pelo governo. Isso tem gerado uma revolta profunda na sociedade. O que temos visto no país são protestos, marchas e paralisações nacionais contra o governo de Iván Duque. 

O que há em comum entre esses dois casos e o que eles apontam para o Brasil? Para descobrir, a Diálogos do Sul conversou com a historiadora Joana Salém, que aborda o processo que culminou na aprovação de uma Assembleia Constituinte exclusiva no Chile, e com o professor colombiano Hector Mondragon, que assessorou, por mais de 20 anos, associações indígenas e camponesas na Colômbia.

Confira:

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Vanessa Martina-Silva Trabalha há mais de dez anos com produção diária de conteúdo, sendo sete para portais na internet e um em comunicação corporativa, além de frilas para revistas. Vem construindo carreira em veículos independentes, por acreditar na função social do jornalismo e no seu papel transformador, em contraposição à notícia-mercadoria. Fez coberturas internacionais, incluindo: Primárias na Argentina (2011), pós-golpe no Paraguai (2012), Eleições na Venezuela (com Hugo Chávez (2012) e Nicolás Maduro (2013)); implementação da Lei de Meios na Argentina (2012); eleições argentinas no primeiro e segundo turnos (2015).

LEIA tAMBÉM

Lopez-Obrador-Claudia-Sheinbaum (2)
Eleições no México: sob legado de Obrador, esquerda caminha para vitória com Claudia Sheinbaum
Cópia de DIREITA TERÁ FORÇA PARA DERROTAR CONSTITUIÇÃO(124)
Roberto Requião: Saí do PT porque adotaram liberalismo econômico do Guedes
Luis Abinader
Política de Abinader contra refugiados do Haiti é contradição que ameaça economia dominicana
Carlos Rodríguez
"Milei provocou uma das recessões mais rápidas e profundas da história", diz ex-braço direito