Pesquisar
Pesquisar

Crítica a Jair Bolsonaro dá o tom na Parada do Orgulho LGBT na Avenida Paulista

Primeira parada durante governo Bolsonaro reuniu ativistas, famílias e festeiros dias após a criminalização da homofobia pelo STF
Redação Revista Fórum
Revista Fórum
São Paulo (SP)

Tradução:

A 23ª edição da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo assumiu o caráter de movimento político e de oposição ao governo Jair Bolsonaro, que tem um histórico de declarações consideradas homofóbicas. “Resistência” era a palavra mais repetida entre os participantes do evento, que teve início por volta do meio-dia neste domingo (23) e terminou por volta das 21 horas, segundo reportagem das agências de notícias Estadão Conteúdo e Efe.

Foi a primeira edição do evento desde o início do governo do presidente Jair Bolsonaro e que aconteceu apenas dez dias depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) tipificar a homofobia como crime. Nos trios elétricos, ativistas, artistas e políticos também criticaram o governo federal.

Segundo organizadores, o evento reuniu 3 milhões de pessoas na Avenida Paulista. Durante a última semana, a presidente da Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, Cláudia Regina Garcia, tinha dito que neste domingo as pessoas sairiam às ruas e os governantes entenderiam que “ninguém vai voltar para casa, pro armário ou para a senzala”.

Com o tema, “50 anos de Stonewall – Nossas conquistas, nosso orgulho de ser LGBT+”, a multidão acompanhou 19 trios elétricos durante mais de seis horas. Em uma grande festa e com forte tom político, diversos participantes levavam cartazes com frases como “A nossa arma é o amor”, “Transformamos vergonha em orgulho” e “Ele não, fora Bolsonaro”.

Primeira parada durante governo Bolsonaro reuniu ativistas, famílias e festeiros dias após a criminalização da homofobia pelo STF

Rerodução/Twitter/ParadaSP
Evento LGBT contou com a presença do prefeito de SP, mas não a do governador e do presidente, que preferiram a marcha para Jesus

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, estava no evento e disse à imprensa que “o mais importante” é “mostrar ao Brasil e ao mundo” que a cidade “quer ser uma referência nos direitos humanos”. Sem citar diretamente o nome de Bolsonaro, ele afirmou ser “muito triste” ver “casos como o da demissão” de um diretor de banco porque “contratou atores e atrizes LGBT para um comercial”, em referência ao veto presidencial a uma propaganda do Banco do Brasil, que culminou com a demissão do então diretor de marketing da instituição, Delano Valentim, em abril.

Como parte do movimento da festa deste ano, a Prefeitura autorizou que alguns sinais de trânsito da Avenida Paulista exibissem casais homoafetivos no lugar dos bonequinhos que indicam se o pedestre pode atravessar ou deve aguardar. Além disso, vários edifícios colocaram decorações com as cores do arco-íris nas janelas e algumas faixas de pedestre foram coloridas.

Os primeiros discursos oficiais reforçaram o tom político. A ex-prefeita de São Paulo e ex-senadora Marta Suplicy afirmou que essa é “a mais importante Parada da história”. “É a luta contra todo o retrocesso civilizatório que tem se apresentado”, completou Marta, defensora histórica da pautas LGBT.

O deputado federal David Miranda (PSOL-RJ) também reforçou a ideia de que a Parada é um movimento político. “Esse é um movimento contra um projeto de poder que atenta contra as nossas vidas. Uma Parada que ganha mais importante porque temos um presidente declaradamente homofóbico”, afirmou.

Família e apoiadores

Entre os participantes, muitas famílias que foram ao evento para apoiar filhos e amigos. “É a minha primeira vez. Eu era uma pessoa com muitos preconceitos. Meu filho me ensinou a ver a vida de outro jeito. Hoje estou aqui para apoiá-lo”, comentou Lourdes Fragoso, de 66 anos.

A transexual Vanessa Leite, de 30 anos, levou a mãe para a parada LGBT. “Minha mãe é uma mulher evoluída. Ela não é juíza de ninguém. E me apoia”, disse. Já Erundina Moreira, de 70 anos, mãe de Vanessa, retribuía a admiração da filha. “Tenho muito orgulho. Não admito que nenhum preconceituoso chegue sequer perto de mim”.

“Sou hétero, mas estou aqui pelos meus amigos. Vivemos um período de perseguição e violência contra a comunidade gay. Não vou soltar a mão deles. Mexeu com eles, mexeu comigo”, falou o engenheiro Hernandes Souza, de 32 anos.

Ex-soldados do Exército Brasileiro, os amigos Vitor Muniz e Mateuz Souza, de 23 anos, foram à Parada de farda e coturnos. “Somos as ‘milicas do amor'”, diziam. Era uma ironia em “homenagem ao presidente”, segundo eles, que é capitão.

Os vendedores que atuam na Avenida Paulista também se adaptaram ao evento. Canecas, chocolates e adereços com referências às cores do arco-íris estiveram em alta. “Votei no Bolsonaro, mas não tenho nada contra ninguém. É preciso garantir o sustento da família”, disse o ambulante Jorge Amadeus, de 40 anos, que vendia adereços para a cabeça.

Clima de carnaval

Depois dos primeiros discursos, a Parada ganhou ares de festa. Com a música alta, a Avenida Paulista e a Rua da Consolação viraram uma balada. “Dançar e beijar na boca também é político”, gritou um rapaz para a reportagem – que tentou, mas não conseguiu ouvir o nome dele.

Muitos presentes se enfeitaram com purpurina e adereços na cabeça – uma coroa fornecida por um patrocinador era o mais comum. Por todos os lugares, pessoas eram vistas enroladas em bandeiras de arco-íris.

No posto médico, na Paulista, a maioria dos casos de atendimento era decorrente de excesso de consumo de bebidas alcoólicas. A reportagem flagrou duas pessoas procurando postos policiais para reclamar de furto de celular. Até o momento, a polícia não apresentou um balanço das ocorrências, mas policiais dizem que a “impressão” é de muitos casos de furto de celular.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Revista Fórum

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza