Pesquisar
Pesquisar

Crítica de Prates ao PPI mostra disposição do governo em resolver distúrbio na Petrobras

Segundo o presidente da companhia, quem define a política de preços é o governo e atual regra prejudica a competitividade do mercado de combustíveis
Tiago Pereira
Rede Brasil Atual
São Paulo (SP)

Tradução:

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, afirmou que o Preço de Paridade de Importação (PPI) deixa de ser “o único parâmetro”. Em entrevista coletiva, nesta quinta-feira (2), ele disse que o PPI virou um “dogma”, uma “abstração”.

Ressaltou que quem define a política de preços é o governo, e que na maioria das vezes vezes o PPI não serve para garantir competitividade do mercado de combustíveis.

Assista na TV Diálogos do Sul

“Sempre tenho dito que política de preços é do governo. A Petrobras vai seguir preços competitivos conforme ela achar que deve ser para manter a sua fatia de mercado. Na maior parte do tempo, o PPI não é”, afirmou. “O PPI foi essencial para os importadores, não quer dizer que ele seja essencial para a Petrobras”.

Nesse sentido, ele frisou que o PPI vai valer a partir do “primeiro metro cúbico” que o país precise importar, após a Petrobras abastecer o mercado nacional. Ele aponta no sentido de “abrasileirar” os preços dos combustíveis, como prometeu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante a campanha.

Hoje cerca de 25% do diesel e 20% da gasolina consumida no Brasil vem do exterior. No entanto, para atender o restante do mercado, a Petrobras estabelece os preços dos combustíveis como se eles fossem importados também. Não se trata apenas de acompanhar preços do petróleo no mercado internacional, cotados em dólar. A estatal contabiliza ainda “custos” com frete e tarifas portuárias que nem se quer existem.

Segundo o presidente da companhia, quem define a política de preços é o governo e atual regra prejudica a competitividade do mercado de combustíveis

Petrobrás
Prates: "Nós decidimos, propomos e o investidor decide se quer estar conosco ou se quer estar com o cash"




Distorção e lucro

O intuito do PPI é equiparar o preço local com os combustíveis importados principalmente do Golfo do México, que apesar do nome, abrange a principal área petrolífera dos Estados Unidos. É de lá que vem grande parte dos derivados importados consumidos no Brasil, desde que o PPI foi adotado pela Petrobras, em 2016, após o golpe do impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff.

Assim, a Petrobras deixa de estabelecer o preço mais competitivo possível. Em vez disso, fixa o preço dos combustíveis num patamar mais elevado que possibilite a participação dos importadores.

Em 2022, Bolsonaro explorou povo brasileiro e garantiu R$ 209 bi a acionistas da Petrobras

Em 2021, as importações de diesel, por exemplo, saltaram para 14,4 milhões de metros cúbicos de diesel, maior marca da série histórica, de acordo com a ANP. Para o ano passado, os dados ainda não foram computados.

Em 2016, no entanto, antes do PPI, o Brasil importou 7,4 milhões de metros cúbicos do combustível. Na gasolina, o crescimento das importações também é parecido. Até o final do ano passado, eram 634 traders vendendo combustíveis importado atuando no Brasil.


Dividendos

Com o PPI, a Petrobras também viu seus lucros explodir. Ontem a estatal anunciou lucro líquido recorde de R$ 188,3 bilhões em 2022. E deve pagar mais de 200 bilhões em dividendos aos acionistas relativo ao resultado do ano passado. Os investimentos da companhia, no entanto, vem caindo.

Durante a coletiva, Prates destacou que a política de distribuição de dividendos deve mudar. Mas descartou estabelecer regras rígidas. “Dividendo tem que ter uma regra mais solta. Quanto mais flexível melhor.Tem trimestres que são diferentes dos outros. Uma regra dessa amarra para o bem e para o mal”.

Desse modo, ele sinalizou também para ampliação de investimentos, principalmente com vistas à transição energética. Ainda assim, destacou que o petróleo não vai deixar de existir “de uma hora para outra”, e que a estatal vai expandir investimentos também no pré-sal.

“Você deixa o dinheiro comigo e eu vou te mostrar projetos muito bons, muito legais para o futuro. Para agora, um portfólio bem composto de curto, médio e longo prazo, sustentável, sólido, e o investidor decide. Nós decidimos, propomos e o investidor decide se quer estar conosco ou se quer estar com o cash certo do dividendo de curto prazo”.

Tiago Pereira | Rede Brasil Atual


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Tiago Pereira

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos