Pesquisar
Pesquisar

Cuba comemora ausência de transmissão local de Covid-19 pela primeira vez em quatro meses

A maior parte dos 11,2 milhões de habitantes está livre da doença há mais de um mês e apenas alguns casos foram relatados na última semana, todos em Havana
Redação Nocaute
Nocaute
São Paulo (SP)

Tradução:

Cuba comemora ausência de transmissão local de Covid-19 pela primeira vez em quatro meses. Francisco Durán, chefe de epidemiologia do Ministério da Saúde Pública de Cuba, anunciou neste domingo que a maior parte do país passou para a fase final de controle da pandemia – com a retomada de atividades, com uso de máscaras e distanciamento social, pois nenhum novo caso foi reportado nas últimas 48 horas. Apenas alguns casos de Covid-19 foram relatados em Cuba na última semana, todos em Havana.

A maior parte da Ilha de 11,2 milhões de habitantes está livre da doença há mais de um mês. Os 2,2 milhões de moradores da capital permanecem na primeira fase de três estágios de reabertura: podem usar transporte público e privado, ir à praia e outros centros de recreação e realizar viagens à beira-mar.

Fortemente dependente da indústria turística internacional, Cuba abriu um grupo de resorts para turismo externo – mantendo neles, no entanto, o distanciamento social e o uso obrigatório de máscaras.

O robusto sistema de saúde cubano, integralmente gratuito, permitiu ao país atravessar a pandemia com segurança e manter o número de infecções abaixo de 2500 contaminados e 87 mortes no total, uma das mais baixas taxas de mortes por milhão. O país recebeu altas notas da OMS e da comunidade científica internacional pela forma como informou e conduziu a luta contra a pandemia.

A maior parte dos  11,2 milhões de habitantes está livre da doença há mais de um mês e apenas alguns casos foram relatados na última semana, todos em Havana

Nocaute
O robusto sistema de saúde cubano, integralmente gratuito, permitiu ao país atravessar a pandemia com segurança

Visão diária dos principais indicadores da pandemia pelo mundo

Os três países com as maiores taxas de letalidade (relação entre casos confirmados e mortes) são Reino Unido com 15,3% (para cada 1.000 infectados, 153 vão a óbito), Itália (14,3%) e França (14,2%).

Nas últimas 24 horas, os três países com o maior número de novos casos são Estados Unidos (83.385 novos casos), Índia (39.065) e África do Sul (26.734); os três países com as maiores taxas de crescimento percentual de casos em relação ao dia anterior são África do Sul (7,9%), Colômbia (4,7%) e Índia (3,8%).

Nas últimas 24 horas, os três países com o maior número de mortes são Estados Unidos (718 mortes no dia), Brasil (716) e México (578); os três países com as maiores taxas de crescimento percentual de mortes em relação ao dia anterior são África do Sul (4,8%), Colômbia (3,6%) e Egito (2,7%).

No acumulado da semana (últimos 7 dias), os três países com as maiores taxas de crescimento de casos confirmados são África do Sul (31,9%), Colômbia (31,2%) e Índia (26,9%); os três países com as maiores taxas de crescimento de mortes são Argentina (23,5%), África do Sul (23,4%) e Chile (21,8%).

Os dados foram publicados pela Johns Hopkins University e Worldmeter.

Redação Nocaute


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Nocaute

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei