Pesquisar
Pesquisar

Cultura do esquecimento é risco à democracia e expõe humanidade aos efeitos do passado

Na rota do esquecimento e da conformidade terminamos por abandonar nosso papel ativo como membros de sociedades organizadas
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

Durante o transcurso dos anos, os acontecimentos mais decisivos da história da Humanidade vão adquirindo a tinta sépia das velhas fotografias. Transformam-se pouco a pouco em lendas ou, no melhor dos casos, em acontecimentos isolados desprovidos do impacto na realidade atual. Assim é como são ensinados nas aulas de história, talvez com um propósito de isolá-los em uma cápsula de tempo para esterilizar sua transcendência. 

No entanto, esses marcos representam momentos nos quais a rota se modificou para traçar um caminho novo, embora nem sempre melhor. Na medida em que as sociedades avançam pressionadas pelos desafios da sobrevivência, seus momentos de dor e de perda vão ficando ocultos em uma bruma propícia para o esquecimento, que representa o enorme risco de repetir o ciclo uma e outra vez, abandonando, ao largo dessa marcha, os sonhos e ambições de criar sociedades mais justas e humanas. É a cultura do esquecimento, uma doença coletiva que, como um vírus maldito, nos condicionou a deixar para trás as lições mais valiosas. 

Uma das consequências deste fenômeno coletivo é o rebrote de movimentos marcados pelo racismo e pela violência fascista em países que experimentaram o pior do nazismo durante as maiores e mais cruéis caçadas humanas da história, mas também estendidos ao resto do planeta. É um exercício de poder e perversão cujo germe pareceria estar presente no próprio núcleo da espécie humana, tal e como se manifesta em outras caçadas, perpetradas sob algumas regras que segmentam as comunidades entre aqueles que possuem o direito de viver e aqueles que hão de ser exterminados. 

Na rota do esquecimento e da conformidade terminamos por abandonar nosso papel ativo como membros de sociedades organizadas

Notícias ao Minuto
A cultura do esquecimento

Um processo similar se produz diante do esgotamento dos recursos, da destruição dos ecossistemas e da mortal indiferença daqueles que têm o poder de intervir para mudar o curso dos fatos. As comunidades humanas – parte do problema e também da solução – só observam, com atitude cética e conformistas, como é destruído seu mundo.

As evidências sobre a extinção de espécies, consequência do afã de riqueza e poder, vão de mãos dadas com as imagens de civis – convertidos em “danos colaterais” no meio de ataques bélicos de enorme magnitude – cujo único propósito é o controle econômico e geopolítico para aqueles que têm o poder. 

Os mecanismos de eliminação da memória são ativados enquanto a realidade começa a estorvar nosso pequeno mundo cotidiano e a causar-nos moléstias na consciência. É a maneira de sacudir de nossa mente algo sobre o qual não temos modo de incidir; é o mecanismo do caranguejo que busca uma concha vazia na praia para esconder-se de seus depredadores e seguir adiante com sua vida.

O problema é que não temos um refúgio para nos proteger da destruição desses elusivos marcos de convivência nos quais baseamos nossa confiança. Entre eles, a ideia purificada e abstrata do significado de democracia. 

Na rota do esquecimento e da conformidade terminamos por abandonar nosso papel ativo como membros de sociedades organizadas. Nos trocaram as regras do jogo e seguimos jogando sem conhecer os truques do adversário, porque tampouco sabemos quem é.

Como o caranguejo, buscamos o refúgio precário no esquecimento. E, como o caranguejo, acreditamos ser imunes ao olho treinado dos depredadores que nos rodeiam. 

Estamos expostos aos efeitos do passado cada vez que tentamos esquecê-lo. 

Carolina Vásquez Araya, Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala
Tradução de Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)
Hipátia de Alexandria
O assassinato de Hipátia de Alexandria, a mulher filósofa