Pesquisar
Pesquisar

Cúpula de afro-descendentes clama por unidade e paz

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Maylín Vidal*

Jesse Jackson
O reverendo estadunidense Jesse Jackson.

A III Cúpula de Prefeitos e Mandatários Afro-descendentes encerrou-se na cidade de Cartagena de Índias com um apelo à unidade e à paz entre os povos como fonte de desenvolvimento da humanidade.

O reverendo estadunidense Jesse Jackson foi o encarregado de encerrar a jornada com um discurso no qual advogou por uma maior presença dos afro-colombianos nas altas esferas do Estado.

Na Colômbia a população de afro-descendentes representa aproximadamente 25 por cento dos habitantes e tem apenas nove representantes no Congresso e isso é preciso mudar, afirmou Jackson em declarações difundidas pelo diário local El Universal.

Há que desaprender a superioridade das raças; temos que mudar as disparidades econômicas em saúde e educação sustentou o reverendo e defensor dos direitos humanos.

Na declaração final do encontro foram definidos 19 pontos, um deles centrado na gestão no sentido criar um fundo para o desenvolvimento econômico dos povos afro, e outro sobre o resgate de símbolos históricos como praças, ruas e monumentos que reconheçam o legado dessas comunidades.

O investimento na educação esteve entre os eixos fundamentais do encontro, sobretudo para mudar o que se ensina nas instituições do mundo, acrescentou a fonte.

Durante o ato de encerramento o vice-presidente colombiano Angelino Garzón agradeceu o apoio da população afro e convidou a todos para continuar avançando nos diálogos de paz entre o Governo  e a guerrilha das FARC-EP, que acontece em Cuba desde novembro de 2012.

Ao fazer um resumo do principal resultado dessa Cúpula, na qual participaram mais de 2.000 delegados de 20 países, o Alto Conselheiro para as negritudes na Colômbia, Óscar Gamboa, anunciou que serão fundados programas de etno-educação em todas as instituições e serão incentivadas bolsas de estudo para os afro-descendentes no país.

Gamboa considerou um êxito o encontro que foi realizado pela primeira vez em solo colombiano. Entre os resultados alcançados citou como exemplo a criação de uma rede mundial de prefeitos e líderes afro para impulsionar o desenvolvimento econômico com sustentabilidade e que será formada por oito países, entre os quais Senegal, Costa do Marfim, Gana, Brasil e Honduras.

No final do encontro foi entregue o mandato à Costa do Marfim que será a sede da quarta edição da cúpula em 2014.

Ao encontro em Cali, capital do Valle do Cauca, compareceram destacadas personalidades unidas pelo desejo de aprofundar o diálogo político e a cooperação internacional para o desenvolvimento da diáspora africana.

Os principais problemas dos povos afro-descendentes e o desafio de unir todas as comunidades da diáspora africana estiveram presentes nos debates dessa terceira edição à qual compareceu, entre outras personalidades, a ministra italiana de integração  Cecile Kyenge.

*Prensa Latina de Bogotá, Colômbia, para Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Colômbia_Acordo_de_Paz
Descumprimento de acordos coloca em risco processo de paz na Colômbia
Colombia_Petro
Colômbia: Petro determina intervenção em gigante da saúde com contas suspeitas
Trump se agarra ao muro e acelera campanha pela sua reeleição em meio a pandemia
A Colômbia na OTAN e os protocolos da capitulação