Pesquisar
Pesquisar

Declarações contra Acordo de Taif reavivam polêmica no Líbano, avaliam analistas

Acordo que pôs fim à guerra civil de 1975-1990, distribuiu em partes iguais o poder entre islâmicos e cristãos
Armando Reyes Calderín
Prensa Latina
Líbano

Tradução:

As declarações contra o Acordo de Taif formuladas por Ahmad Qabalan, uma figura importante muçulmano-chiita, retomaram a polêmica que nunca termina no Líbano, avaliam os analistas.

Esse acordo, que pôs fim à guerra civil de 1975-1990, distribuiu em partes iguais o poder entre islâmicos e cristãos, embora especialistas digam que na realidade foi uma manobra para escamotear o avanço de um movimento de esquerda.

O discurso de Qabalan provocou divisões e reavivou nos libaneses o debate sobre qual é a melhor fórmula de Governo, considerando que a atual levou o país à pior crise em décadas.

Acordo que pôs fim à guerra civil de 1975-1990, distribuiu em partes iguais o poder entre islâmicos e cristãos

Reprodução: Winkiemedia
Acordo de Taif pôs fim à guerra civil de 1975-1990

É evidente que o sistema de cotas religiosas entrou em decadência, a julgar pelas manifestações de massa antigovernamentais iniciadas em 17 de outubro último em demanda de mudanças na elite dominante.

A instabilidade política e o enfrentamento sectário caracterizaram a nação dos cedros desde a independência da França, em novembro de 1943.

E o apelo para romper com o estipulado na cidade saudita de Taif também ocorre em meio à batalha contra a pandemia do novo coronavírus que aguçou a penúria dos cidadãos mais carentes.

O bloco parlamentar do partido Corrente Futura, do ex-primeiro ministro Saad Hariri, rapidamente criticou a exortação a eliminar o acordo que, na opinião de seus filiados, ajudou a coexistência de religiões no país.

“A demanda de círculos partidários e sectários de um sistema federal ou de outro tipo diferente do atual alimenta outra luta civil e leva ao colapso do estado e à divisão de suas instituições”, afirmou uma declaração da Corrente Futura.

O bloco adverte quanto aos riscos que origina qualquer apelo a revogar o Acordo de Taif e a fórmula libanesa, segundo o qual, consolidou-se a independência e se consagrou o conceito de convivência nacional, acrescenta a nota.

Qabalan afirmou que a fundação do Líbano deu-se sobre uma base sectária e tirânica com o objetivo de servir ao projeto imperialista e monopolista, uma fórmula, disse, que não funciona.

O que fizeram Beshara Khoury e Riad Solh, os fundadores da nação, acrescentou, não é válido para um estado que deve representar um ser humano, um cidadão, e não um crente.

Com o apoio da França, o poder colonial naquele momento, Khoury e Solh chegaram a um consenso nacional não escrito sobre a repartição do poder entre muçulmanos e cristãos.

O pacto de 1943 impôs um Parlamento com maioria cristã (de 99 deputados, 54 pertenciam a este credo) e o resto a muçulmanos. No entanto, no Acordo de Taif ficou estipulado que haveria 128 assentos, 64 para cada uma das religiões predominantes no país.

No entanto, Qabalan, filho de Abdel-Amir Qabalan, chefe do Conselho Superior Islâmico Chiita, a máxima autoridade religiosa dessa variante muçulmana no Líbano, qualificou de corruptos aquela Constituição e o mecanismo adotado de Governo.

“Suficiente para monopolizar o estado e suas instituições, descuidar de nossa gente e de nosso país, enfrentar as seitas, aderir a um sistema político em ruínas e levar o país à falência”, denunciou.

Portanto, digo bem alto: não ao Taif, não a uma granja de seitas, não a um estado de cotas, não a um sistema para compartilhar saque e não a um estado que leva a fome aos cidadãos, e sim a um estado como instituição forte e justa, disse.

Os pronunciamentos de Qabalan ecoaram uma demanda chave de centenas de milhares de libaneses que saíram às ruas em um levantamento popular sem precedentes e que também exigem a derrubada da elite política que acusam de corrupção e má governança.

A essa demanda generalizada, o Governo nunca respondeu e a ministra de Informação, Manal Abdel-Samad, reiterou o compromisso do Executivo com Taif.

A reação mais forte a Qabalan veio do chefe das Forças Libanesas, Samir Geagea, para quem jogar com o Acordo de Taif equivale a suicídio.

“Temos ouvido que a fórmula libanesa de coexistência está morta e não acreditamos nisso porque, no momento em que morrer a fórmula libanesa, o Líbano morrerá”, acrescentou Geagea.

O presidente do Parlamento, Nabih Berri, um firme defensor do Acordo de Taif, repudiou o que chamou de vozes discordantes que pedem um sistema de governo federal.

Segundo o jornal digital saudita Asharq al-Awsat, Berri está desgostoso com esses enfoques e mesmo fontes em seu entorno indicaram que foram tomadas medidas para conter as repercussões dos comentários de Qabalan.

Em outro momento, o chefe do Partido Socialista Progressista, Walid Joumblatt, refutou os argumentos em prol de um sistema de governo federal, cujas primeiras demandas surgiram de grupos cristãos radicais durante a guerra civil.

“É um projeto suicida para todos sem exceção, que ocasionará mais destruição e ruína para o Líbano”, escreveu Joumblatt em uma mensagem por redes sociais.

Berri, Geagea e Joumblatt participaram das negociações de Taif como figuras chave das facções que se confrontaram no conflito armado.

Daquele acordo até hoje, o Líbano acumulou uma dívida externa de mais de 90 bilhões de dólares, equivalentes a 170% de seu Produto Interno Bruto, uma economia que faz água por todos os lados e uma carência de serviços sociais ostensiva no temor de que a Covid-19 arrase com tudo.


Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja Também



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando Reyes Calderín

LEIA tAMBÉM

Rafah-ataque-Israel
Fepal: Como Alemanha nazista, Israel deve ser parado pela força das armas
Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
12 mortes/hora: EUA usam crise de overdose no país para abalar progressismo de Obrador