Pesquisar
Pesquisar

“Democracia não é apenas votar para eleger autoridades”, diz Arce em posse como presidente da Bolívia

Estiveram presentes na cerimônia deste domingo líderes de todo o mundo; foi notória a ausência de Jair Bolsonaro, um dos últimos a reconhecer Arce
Redação
Diálogos do Sul
Jundiaí

Tradução:

Com um ato solene na Assembleia legislativa Plurinacional da Bolívia, Luís “Lucho” Arce tomou posse, neste domingo (8), como presidente do país. O líder ayamara David Choquehuanca foi empossado como vice-presidente da nação andino-amazônica.

Participaram da cerimônia importantes líderes sociais e autoridades eleitas representantes da Assembleia Legislativa Plurinacional. A presidenta de fato Jeanine-Añez não assistiu à cerimônia. 

A posse de Arce, ex-ministro da Economia do governo Evo Morales marca o retorno do Movimento ao Socialismo (MAS) ao poder após o golpe de Estado no último ano. 

Estiveram presentes no ato o rei da Espanha, Felipe VI; os presidentes da Argentina, Alberto Fernández; da Colômbia, Iván Duque; e do Paraguai, Mario Abdo Benítez, além de outros líderes da América e da Europa. 

Vale destacar que o presidente Jair Bolsonaro não compareceu à cerimônia. Ele também foi um dos últimos mandatários a parabenizar o mandatário eleito. 

Sem discriminação

Após o último ano, no qual se evidenciou o caráter discriminatório e racista do golpe de Estado que afastou Evo Morales do poder, Arce afirmou que seu governo atenderá a necessidade da população “sem nenhuma discriminação”.

“Neste 8 de novembro iniciamos uma nova etapa em nossa história e queremos fazê-lo com um governo que seja para todas e todos, sem discriminação de nenhuma natureza, nosso governo buscará em todo momento reconstruir nossa pátria em unidade para viver em paz”, disse em seu primeiro discurso como presidente da nação. 

Arce recordou o líder socialista Marcelo Quiroga Santa Cruz, fundador do Partido Socialista 1 (Uno), no qual Arce militou em sua juventude: “não é o ódio o que impulsiona nossos atos, mas uma paixão pela Justiça”. 

Participação

Arce destacou ainda a necessidade de fortalecer a participação popular: 

“A democracia não é apenas o voto para eleger autoridades em todos os níveis, mas também eleições abertas, justas. É a participação de todas e todos, sem exclusão de ninguém, muito menos das maiorias sociais, nacionais e culturais. É a proteção dos direitos civis e políticos, como a liberdade de expressão e a liberdade de organização. É pluralismo político.”

Joe Biden

Após a confirmação da eleição de Joe Biden, nos Estados Unidos, Arce disse esperar que as relações com o país norte-americano melhorem. Desde 2008, Bolívia e Estados Unidos estão com relações estremecidas. Na ocasião, embaixadores de ambos os países foram expulsos.

“Com um novo governo, desejamos melhores relações e que elas se traduzam em bem-estar para nossos povos”, escreveu Arce em sua conta no Twitter.  

Benção da Pachamama

O ato de posse teve início às 7h de La Paz 8h (de Brasília) com uma oferenda à Pachama (Mãe Terra), realizada na Praça Murillo, onde amautas (sábio) pediram energia positiva para Arce e Choquehuanca unirem os bolivianos.

Com trajes ancestrais, os amautas também acenderam incensos para pedir que a Bolívia consiga vencer a pandemia do Coronavírus.

Confira:

Confira a cobertura completa:

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei