Pesquisar
Pesquisar

Desastre na Síria e Turquia: confira os 5 piores terremotos do século 21

Com número de vítimas que vão de 34 mil a 250 mil pessoas, tremores deixaram rastro de devastação em diferentes regiões do mundo
Vanessa Martina-Silva
Diálogos do Sul Global
Jundiaí (SP)

Tradução:

Nesta segunda-feira (6), um tremor de magnitude 7,8 atingiu a Turquia e a Síria. Até o momento, há mais de 1700 vítimas no país turco e mais de 1300 na nação síria, além de outros milhares de feridos e desaparecidos.

Desastres naturais como o de hoje marcaram a história da humanidade em diversos períodos, deixando extensos rastros de destruição e vidas ceifadas. Especificamente de 2001 até agora, cinco tremores foram particularmente devastadores. Confira a relação a seguir:


5. Irã, Oriente Médio

Em 26 de dezembro de 2003, um terremoto com epicentro na cidade de Bam, na província de Kerman, no sudeste do Irã, atingiu 6.6 graus na escala Richter.

Os tremores deixaram pelo menos 34 mil mortos e 200 mil feridos. Os efeitos destrutivos do abalo sísmico foram ampliados pelo tipo de construção utilizado na região.

ao menos 70% das edificações da cidade ruíram com o sismo, que interrompeu o funcionamento das redes de energia, água e telefonia (stringfixer)


4. Paquistão, Ásia

Na Caxemira, no Paquistão, um terremoto de 7,6 graus na escala Richter, foi sentido em 8 de outubro de 2005.

Impactos desse terremoto foram sentidos em localidades da Índia e de Xinjiang, na China.

Mais de 86 mil pessoas morreram, e mais de 80 mil feridos foram registrados no terremoto mais mortal do sul da Ásia.

As estradas bloqueadas dificultaram o acesso à região montanhosa de Caxemira (Wikimedia)


3. China, Ásia

O Terremoto de Sichuan, ocorrido em 12 de maio de 2008, na China, teve como epicentro a cidade a 80 quilômetros da capital da província, Chengdu.  

O tremor de 8 pontos na escala Richter foi seguido por várias trepidações secundárias que ocorreram durante meses.

O número de desabrigados ultrapassou 4,5 milhões e 87 mil mortos e desaparecidos.

A maioria dos sismos que ocorrem na Ásia central e oriental são resultados da constante compressão da placa tectônica da Índia em direção à placa eurasiana (Wikipedia)


2. Haiti, Caribe

Ao menos três milhões de pessoas foram afetadas pelo terremoto de 2010, que teve como epicentro a cidade de Léogâne, a aproximadamente 25 quilômetros da capital do Haiti, Porto Príncipe.

Com 7 graus na escala Richter, o terremoto foi seguido por outros 52 tremores secundários.

Não se sabe ao certo os números da tragédia, mas o governo haitiano estimou, à época, que ao menos 230 mil pessoas morreram e outras 300 mil ficaram feridas.

Com número de vítimas que vão de 34 mil a 250 mil pessoas, tremores deixaram rastro de devastação em diferentes regiões do mundo

Wikipedia

Na época dos abalos de 2010, o aeroporto da capital Porto Príncipe foi severamente afetado, o que dificultou a chegada de ajuda humanitária




1. Indonésia, Oceano Índico 

O terremoto ocorrido em 26 de dezembro de 2004 teve como epicentro o norte da ilha de Sumatra, na Indonésia. 

O tremor, que atingiu 9,3 graus na escala Richter, provocou um tsunami com ondas de até 30 metros de altura.

Ao longo do Oceano Índico, o terremoto provocou a morte de cerca de 250 mil pessoas em 14 países, sendo uma das maiores tragédias da história da humanidade.

Um terremoto de grandes proporções é uma tragédia. Neste caso, porém, foi só o começo (Wikipedia)

Vanessa Martina Silva | Jornalista, cientista política e editora da Revista Diálogos do Sul.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Vanessa Martina-Silva Trabalha há mais de dez anos com produção diária de conteúdo, sendo sete para portais na internet e um em comunicação corporativa, além de frilas para revistas. Vem construindo carreira em veículos independentes, por acreditar na função social do jornalismo e no seu papel transformador, em contraposição à notícia-mercadoria. Fez coberturas internacionais, incluindo: Primárias na Argentina (2011), pós-golpe no Paraguai (2012), Eleições na Venezuela (com Hugo Chávez (2012) e Nicolás Maduro (2013)); implementação da Lei de Meios na Argentina (2012); eleições argentinas no primeiro e segundo turnos (2015).

LEIA tAMBÉM

Dmitry-Peskov-Russia
Kremlin: Conferência de Zelensky mostrou à Otan que, sem Rússia, sem acordo
gaza-palestina2
“Desaparecimentos forçados”: Israel tortura, mata e amputa membros de reféns palestinos
trump-eua
Campos de concentração e desmonte do Estado: por que "Project 2025" de Trump não preocupa?
narendra-modi
Índia: Narendra Modi chega a 3º mandato enfraquecido e com rastro de autoritarismo