Pesquisar
Pesquisar

Desenvolvimento do subdesenvolvimento: por que muitas teorias sobre capitalismo falham?

A teoria do “desenvolvimento do subdesenvolvimento” explica que “a maioria dos estudos adoecem por não levar a consideração as relações econômicas
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

Enquanto o mundo desenvolvido se afunda em um pântano de enfrentamentos provocados pela ambição e a busca de hegemonia, os países menos privilegiados devem lutar sozinhos para sobreviver.

As instâncias de alcance global, criadas para garantir um certo equilíbrio entre nações – entre elas a ONU e suas agências – não só perderam o espaço; também o pouco respeito que ainda conservavam na opinião pública. Hoje, o desprestígio às alcançou em cheio por sua passividade diante dos abusos das potências.  

Assista na TV Diálogos do Sul

Mesmo quanto a maioria dos seres humanos carece de meios para compreender a magnitude do descalabro mundial, o fato é que todo o sistema sob o qual se rege o mundo está colapsando de modo acelerado. A economia, baseada na exploração e no uso irracional dos recursos naturais, cavou uma enorme fossa acabando com o precário equilíbrio do planeta e lançando-nos para uma devastação nunca antes vista.

A inconcebível onda de saque das riquezas dos países em desenvolvimento e os efeitos acelerados da mudança climática, marcam um processo destrutivo e genocida sem paralelo na história da Humanidade. Tudo isso, acompanhado de políticas ambiciosas que utilizam a extorsão contra governos débeis.

Análise: o poder ao agro como projeto de subdesenvolvimento

Estas nações, progressivamente dependentes da ajuda de organismos financeiros internacionais – cujo objetivo é aumentar a debilidade do terceiro mundo – vão caindo em uma situação que lhes impede de ter acesso a um desenvolvimento pleno e sustentável

A teoria do “desenvolvimento do subdesenvolvimento” explica que “a maioria dos estudos adoecem por não levar a consideração as relações econômicas

Antenado com a Geografia
O desenvolvimento do subdesenvolvimento




Teoria do “desenvolvimento do subdesenvolvimento”

A teoria do “desenvolvimento do subdesenvolvimento”, elaborada pelo economista e sociólogo alemão André Gunder Frank já há mais de 50 anos, explica que “a maioria dos estudos do desenvolvimento e do subdesenvolvimento adoecem por não levar em consideração as relações econômicas e outras entre as metrópoles e suas colônias econômicas ao longo da história da expansão mundial e do desenvolvimento do sistema mercantilista e capitalista.

Por conseguinte, a maioria de nossas teorias fracassam em explicar a estrutura e o desenvolvimento do sistema capitalista como um todo e em ter em conta sua geração simultânea de subdesenvolvimento em alguns lugares e desenvolvimento econômico em outros”. 

Isto é, supõe-se uma semelhança entre o passado dos países desenvolvidos e a atual situação dos não desenvolvidos, como se fosse apenas uma questão de tempo para que os últimos alcancem os mesmos níveis. Essa visão, no estado atual das relações entre uns e outros, leva a uma perspectiva perigosamente enganosa.

Na atualidade, frente a uma situação de enorme tensão entre as máximas potências e nações aliadas, toda teoria do desenvolvimento cai ante uma realidade que tem o mundo à beira do abismo, arrastando consigo os nossos países dependentes e vulneráveis. 

Nesta frente carregada de violência e ambição geopolítica, o custo cai, de fato, sobre os povos abandonados à sua sorte, sobre os incessantes desfiles de migrantes – cuja precariedade é obra da voracidade e indiferença dos países desenvolvidos –, sobre os deslocados de seu território pela ambição da indústria extrativista e sobre grandes conglomerados privados de água e alimento.

O inconcebível repontar do nazismo na Europa constitui, de modo direto, um signo destes novos tempos nos quais a vida humana é um mero obstáculo, capaz de entorpecer seus planos de criar um mundo distópico, branco, unificado, obediente. 

A situação mundial nos compete a todos ao condicionar nossas vidas, sem exceção.

Carolina Vásquez Araya | Colaboradora da Diálogos do Sul na Cidade da Guatemala.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)