Pesquisar
Pesquisar

Destituição do promotor Juan Francisco Sandoval abre caminho para que Giammattei implante governo cooptado pelo narcotráfico

Entre as investigações empreendidas pela promotoria está uma que atinge o mandatário Alejandro Giammattei sobre o controverso negócio das vacinas
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

Com uma trajetória impecável em seu trabalho de investigador para esclarecer os casos mais impactantes de tráfico de influência, corrupção e impunidade, o promotor Juan Francisco Sandoval — que empreendia uma luta frontal contra as tentativas de frear suas investigações no Ministério Público — foi destituído de seu cargo pela Promotora Geral da Guatemala, pessoa que em descarada aliança com as organizações criminosas no poder sabotou todos os esforços em prol da justiça nesse país. 

O promotor Sandoval não só conta com o respaldo de organizações sociais em seu território, mas também recebeu reconhecimentos por parte de entidades internacionais no âmbito da justiça e dos direitos humanos.

Com sua destituição, fica clara a posição das autoridades guatemaltecas em sua decisão de transformar de golpe essa dependência em um refúgio para garantir a impunidade dos delitos do presidente, Alejandro Giammattei, seus ministros, seus próximos, de empresários corruptos e de uma boa parte da assembleia legislativa e do organismo judicial, todos que agem sob a premissa do silêncio e da cumplicidade. 

Entre as investigações empreendidas pela promotoria está uma que atinge o mandatário Alejandro Giammattei sobre o controverso negócio das vacinas

Twitter – reprodução
O promotor Juan Francisco Sandoval

Ilegalidades

A ação — presumidamente ilegal, segundo indicam especialistas na matéria — realizada pela máxima autoridade do Ministério Público, constitui a pedra fundamental para o estabelecimento de um sistema de governo cooptado pelo narcotráfico e pelo crime organizado, sob a guarda-chuva oportunista de um setor empresarial cujo único afã é perpetuar seus privilégios à custa da segurança e da vida do resto da população.

A cidadania, alheia aos bastidores da manhosa estrutura consolidada durante as passadas administrações e reforçada por um ambiente de excessiva tolerância, não tem sabido reagir com a firmeza esperada depois deste golpe arteiro à justiça. 

Obscuro negócio das vacinas

Entre as investigações empreendidas pela promotoria contra a impunidade lideradas por Juan Francisco Sandoval, se encontra uma que atinge o mandatário sobre o obscuro negócio das vacinas e o que, supostamente, foi a causa primária da destituição deste promotor.

Resulta bastante óbvio que seu trabalho representou, mais que uma pedra no sapato, uma séria ameaça contra aqueles que violam as leis amparados pelo poder. 

O medo imperante entre aqueles que abusaram de maneira descarada dos mecanismos legais para impedir a aplicação da justiça, é hoje uma real ameaça contra a débil estabilidade dos fundamentos institucionais na Guatemala.

Ficou meridianamente claro que os corruptos — reunidos em um pacto perverso — são capazes de cometer qualquer violação à Constituição e às leis com tal de conservar seus bens mal havidos e os privilégios conquistados à força de abusos.

Eles não apenas entorpeceram o trabalho dos investigadores, também estabeleceram um clima de terror e perseguição contra juízes probos, jornalistas éticos e independentes, ativistas de direitos humanos e líderes das distintas comunidades, que arriscam sua vida na defesa da justiça, de seus territórios e de seus direitos. 

Como um Quixote solidário, se despede de seu cargo um dos melhores promotores que já passaram pelo Ministério Público, mas as manifestações de repúdio por sua destituição não são suficientes. É urgente uma tomada coletiva de consciência para compreender, em toda a sua magnitude, a catástrofe institucional que o pacto de corruptos levou ao país e, portanto, agir consequentemente. 

O medo dos corruptos é um perigo iminente contra a democracia.

Carolina Vasquéz Araya, Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala 

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei