Pesquisar
Pesquisar

Deterioração da OEA é maior do que Joe Biden poderia supor; EUA seguem nomeando embaixadores anticubanos para organismo

Embora o secretário-geral Luis Almagro — eleito e reeleito sem concorrentes — tenha se esforçado por submeter a OEA cada vez mais à política regional da Casa Branca, não pôde obter consensos contra a Revolução Cubana
Jorge Luna
Prensa Latina
Havana

Tradução:

A deterioração da OEA de Luis Almagro é maior do que pensava o presidente estadunidense, Joe Biden, que insiste em incrementar suas ações anticubanas dentro e fora desse organismo regional, do qual Havana foi expulsa em 1962. 

Assim afirmaram diplomatas, depois da nomeação na véspera do cubano-americano de Miami Francisco Mora, ex subsecretário de Defesa para o Hemisfério Ocidental, como novo embaixador estadunidense na OEA, em substituição ao também cubano-americano de Miami Carlos Trujillo, que serviu na administração de Donald Trump.

Mora, como Trujillo, figura entre os democratas que exigem endurecer as tentativas de desestabilização do governo cubano e que se opõem, também, a qualquer flexibilização do bloqueio econômico, comercial e financeiro que Washington aplica a Cuba há mais de seis décadas.

Embora o secretário-geral Luis Almagro — eleito e reeleito sem concorrentes — tenha se esforçado por submeter a OEA cada vez mais à política regional da Casa Branca, como durante o golpe de Estado de 2019 na Bolívia, não pôde obter consensos contra a Revolução Cubana.

Nesta semana, a maioria dos países-membros desmascarou as manobras da cúpula dessa organização, que buscava um pronunciamento condenatório de Cuba o que resultou em um maior isolamento dos Estados Unidos nesta e em outras regiões do mundo.

Veja também:
“É ilegal usar fome como arma política”: Em manifestação, estadunidenses denunciam sanções de Biden contra Cuba

Quase todos os membros da OEA, inclusive os 13 países integrantes da Comunidade Caribenha (Caricom), repudiaram as tentativas de ofender a ilha antilhana, o que o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, descreveu como uma nova derrota do organismo regional.

Esses Estados também reiteraram em carta dirigida a Biden sua demanda de levantar o bloqueio estadunidense contra Cuba — condenado, ano após ano, quase por unanimidade, nas Nações Unidas — lembrando as relações sólidas e mutuamente benéficas entre Havana e o resto do Caribe durante os últimos 49 anos.

O Caricom, afirma a missiva, considera Cuba e seu povo como membro valioso e respeitado de nossa família de nações caribenhas.

A crise da OEA de Almagro ocorreu precisamente na mesma data em que, há 59 anos, Cuba fora expulsa do organismo — fundado em 1948 com raízes na Doutrina Monroe — ao qual nunca retornou, apesar de pedidos em 2009 para que voltasse a seu seio.

Analistas latino-americanos consideram aquele fato uma anomalia, já que essa medida nunca foi aplicada a outro Estado-membro na história da OEA e, de fato, marca uma política de duplo padrão.

Em 1962, o México foi o único país que se opôs à expulsão de Cuba e nunca rompeu relações diplomáticas com a ilha.

Não foi casual, então, que o atual presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, falasse na semana passada aos chanceleres da América Latina e do Caribe da urgência de substituir a OEA por “um organismo autônomo, não lacaio de ninguém”.

Propôs, nesse sentido, construir algo semelhante à União Europeia, mas “apegado à história, a nossa realidade e a nossas identidades”.

Já é inaceitável a política dos últimos dois séculos, disse, caracterizada por invasões para pôr ou tirar governantes segundo os interesses da superpotência. Digamos adeus às imposições, às ingerências, às sanções, às exclusões e aos bloqueios, enfatizou.

Leia também:
Dedicação “histérica” de Washington de esmagar Cuba é extraordinária, diz Chomsky ao analisar política externa dos EUA

O atual panorama regional — renovado com próximas eleições em vários países — poderá facilitar esforços integracionistas impulsionados pela Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América (ALBA-TCP), a União de Nações Sul-americanas (Unasul) e a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac).

A Celac, que abrange mais de 650 milhões de habitantes e enormes recursos naturais em 33 países, sem incluir os Estados Unidos nem o Canadá, será presidida a partir do próximo ano pela Argentina.

* Tradução de Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Jorge Luna

LEIA tAMBÉM

Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA
Alvaro-Uribe
Colômbia: Uribe pode ser condenado a 12 anos de prisão em julgamento por suborno e fraude
Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU