Pesquisar
Pesquisar

Deus é Paz, a violência desfigura seu nome

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

papaNa Mesquita Central de Bangui, o papa Francisco disse que sua visita pastoral à República centro-africana não estaria completa sem o encontro com a comunidade muçulmana.

Com palavras de alento, enfatizando em que “cristãos e muçulmanos somos irmãos” e que “temos que permanecer unidos”, o papa de Roma pediu:

“Juntos digamos não ao ódio, não à vingança, não à violência, em particular a que se comete em nome de uma religião ou de Deus. Deus é paz, salam”.

Frente a esses tempos dramáticos, o papa alentou às autoridades religiosas cristãs e muçulmanas a impulsar a solidariedade e expressou sua profunda esperança de que as próximas eleições nacionais dêem ao país representantes que saibam unir os centro-africanos e que esta nação, situada no coração da África, seja impulsora de harmonia, reconciliação e paz para todo o continente africano.

Queridos amigos, queridos irmãos – reiterou o papa Francisco – convido-os a rezar e a trabalhar em favor da reconciliação, a fraternidade e a solidariedade entre todos, tendo presente pessoas que mais tem sofrido por esses acontecimentos”


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA