Pesquisar
Pesquisar

Dia Mundial do Braille

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Braille - BRASIL ESCOLAHoje é comemorado o dia Mundial do Braille. Foi graças ao francês Louis Braille, nascido em 4 de janeiro de 1809, que as pessoas cegas puderam beneficiar-se da escrita e da leitura, o que, além de lhes permitir o acesso ao conhecimento, permite-lhes a inclusão na sociedade e o pleno desempenho da cidadania.
O sistema Braille é um código de leitura táctil e escrita baseado em seis pontos em relevo, cujo arranjo combinatório resulta em símbolos capazes de representar letras do alfabeto, numerais, sinais de pontuação, simbologia aplicada a notação musical, científica, fonética e da informática. A leitura é feita mediante leve pressão exercida pela ponta dos dedos sobre o relevo formado pelos pontos.

O Sistema Braille chegou ao Brasil em 1854, pelas mãos do jovem cego José Álvares de Azevedo, no Imperial Instituto dos Meninos Cegos, atual Instituto Benjamin Constante no Rio de Janeiro. Porém ganhou força e visibilidade a partir de 1940, com a criação da Fundação para o Livro do Cego no Brasil, hoje fundação Dorina Nowill para Cegos, localizada em São Paulo, que abriga uma das maiores imprensas do país para a produção de livros em Braille.

Segundo os novos dados do Censo 2010, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existem no Brasil 6.585.308 pessoas com deficiência visual. Deste total, 582.624 pessoas possuem cegueira e 6.056.684 possuem baixa visão. O número representa 3,5% dos brasileiros, ou seja, a deficiência com maior incidência na população do País. A pesquisa revela ainda que 23,91% da população brasileira tem algum tipo de deficiência.

As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei