Pesquisar
Pesquisar

Dia Mundial do Teatro do Oprimido

João Baptista Pimentel Neto

Tradução:

Teatro do Oprimido1Nesta segunda-feira, 17 de março, às 19h, o Centro de Teatro do Oprimido – CTO celebra o dia Mundial do Teatro do Oprimido abrindo as portas de seu casarão na Lapa para amigos, parceiros, multiplicadores e interessados na metodologia criada por Augusto Boal.

Entre as atrações está o debate sobre “As estratégias de invisibilidade no Teatro do Oprimido na América Latina e nos Movimentos Sociais”. Monique Rodrigues, Curinga do CTO e participante do Movimento Madalenas – O Teatro das Oprimidas, falará sobre feminismo no TO e sua experiência no Movimento Feminista. Alessandro Conceição, Curinga CTO e do Grupo Cor do Brasil, levantará questões sobre racismo e negritude. Também no bate-papo, os Curingas do CTO farão panorama sobre o 3º Encontro Latino Americano de Teatro do Oprimido que aconteceu na Bolívia em fevereiro passado.

As demais atrações são artísticas, como o ensaio aberto da peça de Teatro-Fórum Cor do Brasil e a performance teatral do grupo Madalenas RJ, além de apresentação musical com Roni Valk e Grão Portátil, que trarão composições próprias e de diferentes gêneros musicais.

O Dia Mundial do Teatro do Oprimido foi instituído por praticantes do método ao redor do mundo como forma de homenagear o criador deste método teatral que mais cresce no planeta, o mestre Augusto Boal, que aniversariava dia 16 de março.

Venha celebrar e participar conosco!

Teatro-do-OprimidoServiço

Dia Mundial do Teatro do Oprimido

Data: 17 de março de 2014
Horário: 19h
Local: Centro do Teatro do Oprimido
Av. Mem de Sá, 31 – Lapa
Rio de Janeiro, RJ – Brasil

Entrada Franca


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

João Baptista Pimentel Neto Jornalista e editor da Diálogos Do Sul.

LEIA tAMBÉM

Porto-Principe-Haiti
Haiti: sem perspectiva de melhora em 2024, crise econômica bloqueia redução da pobreza
Greg-Casar
Greg Casar: deputado dos EUA quer proteção a indocumentados e fim do imperialismo
Chiquita-Brands
Condenada nos EUA, multinacional Chiquita bancou paramilitares autores de massacres na Colômbia
Palestina-mulheres
Carta de mulheres brasileiras pelo fim do genocídio em Gaza ganha repercussão internacional