Pesquisar
Pesquisar

Dica de leitura: Realidade – história da revista que virou lenda

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Capa do livro Realidade - história da revista que virou lenda’ de Mylton Severiano
Foto de Capa: Luigi Mamprin

E como dica de leitura, o Diálogos do Sul apresenta a obra ‘Realidade – história da revista que virou lenda’ de Mylton Severiano. O livro conta a história dessa publicação inovadora e irreverente, respondendo algumas indagações que insistem em pairar na atualidade: Afinal, por que não fazer mais uma revista como REALIDADE?

A ditadura se foi de vez?

Há 47 anos, eu estava no Jornal da Tarde, lançado a 4 de janeiro de 1966, de onde me passaria meses depois para REALIDADE, lançada em abril. O JT sacudiu o jornalismo diário, pela diagramação e pela linguagem.

REALIDADE foi mais fundo. Mexeu com as estruturas do “sistema”, desafiou os conservadores, os preconceituosos, quebrou tabus. E em plena ditadura militar.

Neste momento, quase meio século depois, reflito sobre as perguntas que mais me fizeram os estudantes todos esses anos: por que não fazem mais uma revista como REALIDADE?, por que não fazem mais reportagens como aquelas? Muitos abrem a boca de espanto quando digo que é porque a ditadura ainda não acabou. Digo meio de brincadeira, mas leia este livro refletindo comigo: se a ditadura que matou REALIDADE já acabou, então por quê?

O Autor

Apresentação

Uma vez, numa roda de almoço de domingo, Roberto Schwarz observou que uma das circunstâncias espantosas que cercam Machado de Assis é que ele tivesse existido no Rio provinciano, escravocrata, do fim do Século XIX.

Ao ler “Realidade – História da revista que virou lenda”, do Myltainho, pendurou-se no trapézio que tinha na cabeça – já que falamos de Machado – ideia parecida: o que espanta nessa lenda do jornalismo brasileiro é que tenha existido na São Paulo provinciana, escravocrata, sufocada pelo regime militar.

Isso se deve, como diz o autor, à “Grande Banda”, “os loucos de 64”. E também a um completo irresponsável, o “Seu Victor” Civita, fundador da Abril no Brasil, que, movido pelo instinto animal do empresário, fez a Realidade e, depois, a Veja do Mino Carta.

Depois, baixou a “responsabilidade”: o filho, desde sempre mal intencionado, fechou a Realidade e transformou a Veja no que chamo de “detrito de maré baixa”.

Para quem trabalhou na Realidade (e na Veja do Mino), o que o Myltainho revela como documento valioso é a lucidez do nosso Maestro, o Paulinho Patarra. As anotações explicitam o dom de planejar, a estratégia, a visão que o Paulo tinha da futura revista, seu espaço no mercado – e especialmente a fórmula editorial.

Paulinho era um profissional ! Ele tinha o pulso do momento e, por isso, convenceu o patrão.

O que a Realidade já nas bancas pôs para fora foi “o sentimento do povo” que o Paulinho carregava no peito. Trabalhei com poucos profissionais que sentissem o cheiro da galera, como o Paulo. Um talento.

Mais do que o editor-chefe e, na verdade, chefe de reportagem, o Paulo parecia daqueles políticos que sobem no palanque e dizem o que a massa quer ouvir: “hum, isso aí não interessa a ninguém…”

Realidade captou aquela ânsia de entender o mundo desorganizado dos anos 60, os costumes, os novos personagens, a miséria que São Paulo desconhecia: uma realidade que soltava um cheiro parecido com o dos mictórios dos bares que nós frequentávamos. Tudo misturado à intervenção militar.

Já sei que o Myltainho vai se perguntar, mas, Paco, e o “primeiro violino, o Sergio de Souza ? Isso mesmo, Myltainho, o Serjão era o “primeiro violino”. Mas, quem escreveu a partitura foi o Paulo.

O Serjão dava ordem à casa. Com você. Você, na verdade, Myltainho, incentivava a desordem. Como a de dois alucinados jovens repórteres que o só o Paulo ousaria contratar: o Tonho, que era o Haf, e o Paco Maluco, o Perigoso, hoje mais conhecido como … Paulo Henrique Amorim

O Autor: 

Mylton Severiano, paulista de Marília, onde concluiu o ensino médio e um curso de música de seis anos, passou por inúmeras redações de jornais, revistas e telejornais, antes de se tornar free-lancer e dedicar-se a criar peças para campanhas eleitorais e a escrever livros. Publicou, entre outros, Se Liga! – O livro das drogas (Record) e a biografiaPaixão de João Antônio (Casa Amarela) e Nascidos para perder – história do Estadão (Insular).

Realidade – história da revista que virou lenda
[15 x 21cm]
Autor: Mylton Severiano

Editora Insular(Facebook)
Apresentação: Paulo Henrique Amorim
ISBN: 978-85-7474-617-3
Páginas: 320 il.
Peso: 520g
Ano: 2013


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei