Pesquisar
Pesquisar

Dilma Rousseff: Privatização da Eletrobras é crime contra nação, economia e povo brasileiro

"Privatizar um setor significa entregá-lo à lógica do lucro. Energia elétrica exige planejamento global e garantia de abastecimento"
Dilma Rousseff
Diálogos do Sul Global
Belo Horizonte

Tradução:

* Atualizado rm 19/05/2022 às 13h00.

A aprovação da privatização da Eletrobras pela Câmara de Deputados, que agora vai ao Senado, coloca o Brasil em uma situação de terrível insegurança energética. A Eletrobras sempre foi uma garantia de estabilidade do sistema interligado nacional e, também, de modicidade tarifária.

O sistema Eletrobras é hoje responsável por 35% da geração de energia elétrica do país, 96% de fontes limpas e 1/3 do consumo de eletricidade. Controla as grandes hidrelétricas do Sudeste e do Centro-Oeste, que são o coração do sistema de abastecimento de energia segura, barata e renovável. Além, é claro, de várias outras usinas espalhadas pelo Brasil, incluindo Itaipu e Eletronuclear.

O sistema é ainda responsáveis por 45% da transmissão que permite que a energia chegue a todas as regiões indiscriminadamente, de Norte a Sul do país, de Leste a Oeste.

É necessário repetir e repetir: a Eletrobras vem garantindo o fornecimento de energia aos lares de cada família brasileira, pelos menores preços e sempre de forma segura.

Quem não aprende com seus erros, corre o grande risco de repetir as catástrofes. Ontem, 20 de maio, deputados aprovaram a catástrofe na Câmara.

"Privatizar um setor significa entregá-lo à lógica do lucro. Energia elétrica exige planejamento global e garantia de abastecimento"

Reprodução
Dilma condena MP que autoriza privatização da Eletrobras

É preciso relembrar. No final do governo FHC, ao se iniciar a privatização da Eletrobras, ocorreu uma forte redução de investimentos em novas usinas hidrelétricas e termelétricas, e ainda em novas linhas de transmissão. A consequência foi o imenso prejuízo sofrido pela população e pela economia do país com os “apagões” que atingiram todas as regiões, exceto o Sul e, o terrível racionamento em consequência.

Privatizar um setor, significa entregá-lo à lógica do lucro que busca retorno rápido, de curto prazo. Energia elétrica exige planejamento global, horizonte de longo prazo e garantia de abastecimento.

Aí, mais do que em muitos setores é necessário compromisso público e encarar a energia como uma alavanca do desenvolvimento e do bem-estar da população, garantindo segurança energética 24 horas por dia, 365 dias do ano. Requer gestão pública que mantenha a rentabilidade desse setor mas com base, repito, em uma visão de desenvolvimento e bem estar da população, visão necessariamente de médio e longo prazo.

O Senado da República pode barrar essa absurda privatização da Eletrobras e impedir que seja cometido um crime contra a nação brasileira, nossa economia e o povo brasileiro.

Texto publicado originalmente no blog da ex-presidenta.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Dilma Rousseff

LEIA tAMBÉM

MST-Frei-Betto
Frei Betto | No MST, consciência política é enriquecida com ação prática e luta
g20-quadrinhos-n2
G20 em quadrinhos | nº 2: Equidade
G20 em quadrinhos n1 - Dedicação
G20 em quadrinhos | nº 1: Dedicação
g20-guarani-ms-3
G20 e universidade do MS fecham parceria para produção de conteúdo jornalístico em guarani