Pesquisar
Pesquisar

Diplomatas e militares: as testemunhas que ameaçam Trump de impeachment

A primeira audiência pública de um processo de impeachment em 20 anos apresentou mais dois diplomatas que testemunharam contra o presidente americano
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Abriu-se diante do público a obra política do processo de impeachment de Donald Trump com proclamações de que se está “testemunhando história” por ser só a quarta vez que um presidente dos EUA enfrenta esse tipo de processo.

A primeira audiência pública de um processo de impeachment em 20 anos (depois de quase dois meses de sessões a portas fechadas) foi transmitido ao vivo por televisões, rádios e portais eletrônicos de meios nacionais durante mais de 5 horas, durante as quais milhões viram/escutaram como os 22 integrantes do Comitê de Inteligência da Câmara Baixa – 13 democratas e 9 republicanos – apresentaram seus argumentos enquanto interrogavam as primeiras duas testemunhas desta fase pública.

As testemunhas, o subsecretário assistente de Estado George Kent, e o embaixador interino dos Estados Unidos na Ucrânia, William Taylor repetiram em grande medida o que haviam declarado nas sessões privadas, reafirmando sobre como Trump e assessores buscaram pressionar o presidente ucraniano ao reter assistência militar de quase 400 milhões de dólares e uma visita à Casa Branca até que ele anunciasse investigações contra Joe Biden, pré-candidato presidencial democrata – principal rival eleitoral de Trump -, seu filho Hunter e contra o Partido Democrata.

E mais ainda, Kent deu mais detalhes de como o advogado pessoal de Trump, Rudolph Giuliani operou um canal irregular entre Washington e Kiev, “infectando” a relação com a Ucrânia.

A primeira audiência pública de um processo de impeachment em 20 anos apresentou mais dois diplomatas que testemunharam contra o presidente americano

Twitter / Reprodução
O subsecretário assistente de Estado George Kent, e o embaixador interino dos Estados Unidos na Ucrânia, William Taylor

Nova revelação

A única nova revelação foi oferecida por Taylor, que comentou sobre uma chamada telefônica entre Trump e seu embaixador na União Europeia (e doador) Gordon Sondland, que depois de desligar comentou a um assistente de Taylor que ao mandatário lhe interessava mais o assunto de Biden que qualquer outra coisa com a Ucrânia, o que deu novos elementos para confirmar que Trump estava pessoalmente envolvido com o chamado quiproquó.

Talvez o fato mais importante do dia para os democratas foi a presença ao vivo dos dois diplomatas veteranos, com décadas de experiência e um deles, Taylor, veterano de guerra condecorado, como testemunhas com grande credibilidade e que dificultavam a tarefa dos republicanos de gerar suspeitas sobre suas motivações ou desqualificá-los por alguma razão. 

Isso não impediu que tentassem. De fato, os republicanos, apegados ao seu roteiro, insistiram em que Trump não cometeu nenhuma violação que mereça a destituição de um presidente e acusaram os democratas de estar usando a “burocracia politizada” dentro do governo para promover todo este processo parcial e injusto destinado a derrocar de maneira ilegítima o presidente.

Em suas intervenções denunciaram que os democratas não haviam permitido que testemunhasse o denunciante anônimo cuja queixa formal detonou a investigação e “iniciou tudo isto”, como disse um republicano. Um representante democrata respondeu que “eu gostaria que testemunhasse a pessoa que iniciou tudo isso. O Presidente Trump é bem-vindo a sentar-se aí, na mesa de testemunhas”, provocando a única risada desta sessão.

Trump

Por sua parte, o presidente assegurou repetidamente que estava “demasiado ocupado” para ver as audiências, embora não tenha se aguentado e enviou uns tuítes comentando o que estava ocorrendo, denunciando o processo como “uma farsa” e “uma piada”. 

Antes do início da sessão, Trump enviou uma mensagem pelo Twitter: “Estão tentando me ferir, porque estou lutando por vocês. E nunca deixarei que isso aconteça”. Mais tarde negou tudo da chamada revelada hoje enquanto se dedicava à visita oficial do presidente da Turquia, Tayyip Erdogan.

Algumas pessoas assinalam que o mais perigoso para Trump nesta conjuntura é que as pessoas que se apresentam como testemunhas formais ou que podiam colaborar no caso contra ele são diplomatas, oficiais de inteligência e militares, e ex-funcionários da Casa Branca que foram direta ou indiretamente atacados, ou ofendidos por ele durante sua gestão.

A jornalista veterana Elizabeth Drew comentou que “eu cobri o impeachment de Nixon, e embora Trump seja teoricamente culpado de delitos mais sérios, há algo notavelmente parecido; Ambos se metem em problemas mais graves por fracassar em reconhecer limites para buscar vingança contra opositores políticos”.

*David Brooks é correspondente de La Jornada em Nova York.

**Tradução: Beatriz Cannabrava

***La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação