Pesquisar
Pesquisar

Discurso de Petro na COP28 reafirma ousadia contra crise climática e massacre em Gaza

Presidente da Colômbia anunciou medidas para transição enérgica e alertou: "Hitler está batendo às portas da classe média europeia e norte-americana"
George Ricardo Guariento
Diálogos do Sul
Taboão da Serra

Tradução:

Na última sexta-feira (1º), Gustavo Petro fez um pronunciamento impactante no palco da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28). O evento é realizado em Dubai, Emirados Árabes, de 30 de novembro a 12 de dezembro.

No anúncio surpreendente, que reverberou globalmente, o presidente da Colômbia declarou que seu país se abstém de assinar novos contratos de exploração de petróleo, marcando uma virada significativa na política energética.

“Decidimos não mais pactuar novos contratos para a exploração de carvão, petróleo e gás. Isso não implica uma escassez imediata, já que há fontes em exploração e contratos em vigor. O que buscamos é conter a expansão dessas atividades”, afirmou.

Veja a fala completa:

Continua após o vídeo

Petro destacou a necessidade urgente de superar uma matriz econômica historicamente centrada na extração, grande mineração e, sobretudo, nos combustíveis fósseis. “Por 40 anos, a Colômbia fundamentou sua economia nesses pilares, gerando agora uma contradição que precisamos enfrentar”, ressaltou o líder.

Durante os primeiros dias da COP, Gustavo Petro teve diálogos estratégicos, não apenas com o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, mas também com o presidente do Paraguai, Santiago Pena, consolidando laços diplomáticos em prol de objetivos climáticos comuns na América do Sul.

Continua após a imagem

Presidente da Colômbia anunciou medidas para transição enérgica e alertou: "Hitler está batendo às portas da classe média europeia e norte-americana"

Foto: Mahmoud Khaled-UNFCCC/Flickr
Petro: "Se vermos uma Palestina livre emergir dos escombros, veremos amanhã uma humanidade viva emergir dos escombros da crise climática"




Posição firme contra massacre em Gaza

Além do compromisso ambiental, o presidente Petro, conhecido por sua franqueza e determinação, não hesitou em abordar questões geopolíticas. No dia 1º de dezembro, ele criticou veementemente o massacre em Gaza, comparando a situação a momentos sombrios da história. “Hitler está batendo às portas das casas da classe média europeia e norte-americana – e muitos já o deixaram entrar”, alertou Petro, enfatizando a necessidade de ações coletivas para evitar tragédias similares.

A intervenção de Petro na COP28 mostra coragem e reflete sua ousadia e a determinação em abordar tanto as questões ambientais cruciais quanto os desafios geopolíticos sensíveis, posicionando-se como um líder comprometido com um futuro mais sustentável e justo para todos.

Em outro momento do seu discurso contundente, o presidente colombiano clamou pela unidade do Sul Global para enfrentar não apenas as atrocidades geopolíticas, mas também os desafios climáticos. “A Colômbia aguarda a unidade do Sul para salvar a vida no planeta. Talvez se vermos hoje uma Palestina livre emergir dos escombros, veremos amanhã uma humanidade viva emergir dos escombros da crise climática”, expressou o presidente colombiano.

George Ricardo Guariento | Jornalista e colaborador da Diálogos do Sul
Edição: Guilherme Ribeiro


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
George Ricardo Guariento Graduado em jornalismo com especialização em locução radiofônica e experiência na gestão de redes sociais para a revista Diálogos do Sul. Apresentador do Podcast Conexão Geek, apaixonado por contar histórias e conectar com o público através do mundo da cultura pop e tecnologia.

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei