Pesquisar
Pesquisar

Ditadura: 156 corpos são encontrados em valas clandestinas em SP e RJ

Número de pessoas enterradas pode ser muito maior; só no estado do Rio, houve 320 denúncias sobre “cemitérios clandestinos” entre 2019 a 2021
Redação Rede Brasil Atual
Rede Brasil Atual
La Plata

Tradução:

Um levantamento do UOL descobriu, desde 2016, a localização de 201 cadáveres em 41 valas clandestinas no Rio de Janeiro e em São Paulo. Só 67 corpos identificados até o momento. 

Para o advogado e membro da Comissão Arns, Belisário dos Santos Junior, o episódio remete ao período mais sombrio da ditadura no Brasil, que matava brasileiros e utilizava valas clandestinas para ocultação de corpos. Por exemplo, da vala de Perus. Segundo ele, a repetição desse crime é fruto da ausência do Estado.“O Estado apodrece quando abre espaço para ações do crime organizado e para as milícias”, lamentou Belisário, em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual.

“A vala de Perus completou 30 anos. Lá foram encontradas mais de mil pessoas enterradas clandestinamente, porque suas mortes foram fruto de crime. Isso se repetir no século 21 mostra que o Estado está ausente e, assim, estamos vendo a criação de tribunais do crime. Isso acontece porque o Estado não existe nessas regiões”, afirma o jurista. 

Número de pessoas enterradas pode ser muito maior; só no estado do Rio, houve 320 denúncias sobre “cemitérios clandestinos” entre 2019 a 2021

Polícia técnico científica de são paulo
Em São Paulo, a polícia vincula quase todos os casos ao "tribunal do crime" do Primeiro Comando da Capital, o PCC

A reportagem aponta que 156 cadáveres foram encontrados em 33 valas clandestinas no estado de São Paulo, a maioria nas cidades da região metropolitana e na periferia da capital. E outros 45 corpos localizados em oito valas clandestinas no estado do Rio, no mesmo período. Todos os espaços para desova de corpos considerados pelo levantamento tinham mais de uma vítima.

Violência incentivada

O número de pessoas enterradas e ainda não localizadas pode ser muito maior. Só no estado do Rio, o Disque-Denúncia recebeu 320 relatos sobre “cemitérios clandestinos” entre 2019 a 2021. A maioria das denúncias é na cidade de Angra dos Reis e em quatro bairros da Zona Oeste do Rio de Janeiro: Jacarepaguá, Taquara, Guaratiba e Realengo.

No Rio, cinco das oito valas clandestinas estavam em áreas dominadas por milícias. As outras três, em locais ocupados por facções diversas. Já em São Paulo, a polícia vincula quase todos os casos ao “tribunal do crime” do Primeiro Comando da Capital, o PCC.

“Bolsonaro incentiva a desagregação do Estado. O número de armas de civis é alto. Armar a sociedade é dar um recado para que ninguém confie no Estado. Enquanto isso, as milícias se intensificam e seguem existindo, elegendo até vereadores e deputados”, criticou o advogado, ao comentar o excesso de violência na atualidade.

O integrante da Comissão Arns lembra que seria possível precaver esse tipo de crime, com o Projeto de Lei (PL) 6240/2013, que tipifica o crime de desaparecimento forçado. Entretanto, o projeto segue sem designação relator para ser encaminhado à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC). De acordo com Belisário Junior, há um lobby de setores militares para frear o avanço do texto.

“Desde a ditadura existe a desaparição forçada, que é uma segunda punição para a família. Enquanto isso, dorme no Congresso Nacional o projeto de lei que trata da desaparição forçada. E isso não passa porque há um lobby militar com medo de voltarmos a falar sobre os desaparecidos da ditadura. Além disso, o crime de desaparecimento não prescreve”, acrescenta. Desse modo, como ele observa, ainda cabe punição a esses militares.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Rede Brasil Atual

LEIA tAMBÉM

mulheres-guerras-violencia
Violência sexual, perda de direitos, invisibilidade: o impacto das guerras no corpo feminino
gaza-palestina2
“Desaparecimentos forçados”: Israel tortura, mata e amputa membros de reféns palestinos
fome-onu-Somalia
“Tormenta”: fome atinge 18 localidades do mundo e exige ação urgente, alerta ONU
frei-betto-ressocializacao
Frei Betto | Sim, é possível ressocializar presos comuns