Pesquisar
Pesquisar

Ditadura Pinochet usou navio como centro de tortura; dos 1200 levados para lá, poucos voltaram

Embarcação usada como casa flutuante transitória, na qual ocorreram torturas física e psicológica, teve uma réplica construída por ex-presos políticos
Rafael Duarte
ComunicaSul
Valparaíso

Tradução:

Ricardo Jorge Aravena Cerpa tinha 17 anos de idade quando foi preso em Valparaíso, dia 28 novembro de 1973, pela recém-instalada ditadura de Augusto Pinochet.

Líder estudantil na escola industrial e militante da Juventude Socialista de Valparaíso, foi detido em casa sob a acusação de ser militante infiltrado no Movimento de Esquerda Revolucionária (MIR), ativista subversivo e instrutor de escolas de Guerrilha em Rancagua, uma comuna da província de Cachapoal, interior do Chile.

Pinochet havia tomado o Palácio de La Moneda em 11 de setembro daquele ano, após um golpe militar que provocou o suicídio do presidente Salvador Allende. A partir dali até 1990, o Chile viveu 17 anos de intenso terror, perseguição, sequestros e assassinatos.

Embarcação usada como casa flutuante transitória, na qual ocorreram torturas física e psicológica, teve uma réplica construída por ex-presos políticos

Ricardo Jorge Aravena
Ricardo Jorge Aravena foi torturado no navio e fez uma réplica da embarcação do terror

Uma das estratégias usadas pela ditadura de Pinochet para negar as violações aos Direitos Humanos era esconder os presos e levá-los para bem longe dos olhos da população e das organizações humanitárias internacionais.

Frente de oposição de esquerda se une a Boric contra projeto neoliberal no Chile

Assim nasce o navio Lebu como centro de detenção e tortura.

A embarcação foi cedida pela inglesa Companhia Sudamericana de Vapores e recebeu, entre setembro e dezembro de 1973, aproximadamente 1.200 presos políticos chilenos. Poucos sobreviveram às sessões de interrogatórios e tortura nos porões do navio.

Ricardo Aravena contou histórias de horror vividas sob a ditadura de Augusto Pinochet / foto: Alana Souza

Alguns deles, como Ricardo Aravena, decidiram recriar em 2021 uma réplica do Lebu para que os chilenos não esqueçam do horror da ditadura.

– Isso funcionou desde os primeiros dias do golpe, 12 ou 13 de setembro, até o final de dezembro do mesmo ano. É uma casa flutuante transitória, na qual ocorreu tortura física e psicológica. Você não sabia se sairia vivo ou morto. Nos tiravam do barco pela madrugada e nos levavam a quartéis do Exército para interrogar-nos”, destacou o ex-preso político.

O protótipo do navio Lebu será exposto dia 11 de dezembro no Parque Cultural de Valparaíso. Na ocasião, será lançado também o livro “El Sinistro Barco Lebu”, com testemunhos de seis ex-presos políticos sobreviventes do centro de tortura. Além de Ricardo Aravena participam da obra Antônio Oyarzo, Luis Madariaga, Alvaro Vidal, Gilberto Hernandez e Patrício Carasco. Em 2022, o projeto chegará ao Museu da Memória e Direitos Humanos de Santiago.

“Você não sabia se sairia vivo ou morto. Nos tiravam do barco pela madrugada e nos levavam a quartéis do Exército para interrogar-nos”

Torturas físicas e psicológicas: o terror no navio Lebu / foto: Alana Souza

A reportagem da Agência Saiba Mais/ComunicaSul conversou com Ricardo Aravena sobre os 18 dias em que ele foi mantido preso sob tortura no Lebu. Mulheres, mesmo grávidas, eram trancadas e mantidas em condições sub-humanas:

— Aqui está representado como nós estávamos, enclausurados no fundo, sem nenhum tipo de proteção. Fazíamos nossas necessidades dentro desses baldes. Aí dentro. Havia muito mal cheiro e todo esse tipo de coisa. Com uma corda, suspendiam o balde e atiravam ao mar. Nossas companheiras eram mantidas em ‘camarotes’, nos quais era possível ver como elas estavam. Havia muitas mulheres grávidas detidas.

Para vitória da esquerda será preciso construir frente ampla com o centro

— Olha, foi muita tortura física e psicológica. Ameaça de matar toda a sua família caso não dissesse o que queriam. Tortura física com corrente elétrica, porradas. Praticavam o chamado ‘submarino’, que era nos deixar com goteiras pingando na cabeça durante todo o dia e noite, para te enfraquecer e dizer o que eles queriam ouvir”, destacou.

 

Confira vídeo especial da Agência Saiba Mais/ComunicaSul com Ricardo Aravaneda:

Esta reportagem integra o projeto Saiba Mais/ComunicaSul no Chile e está sendo financiada pela Intersindical, Sindicato dos Bancários do RN, Sicoob, Sintrajufe/RS, Centro de Mídia Barão de Itararé, Apeoesp Sudoeste Centro, Sinjusc, Carta Maior, Hora do Povo, Diálogos do Sul, Agência Sindical e mais 136 pessoas que apoiaram individualmente esta cobertura colaborativa e acreditam no jornalismo independente.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Rafael Duarte

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia