Pesquisar
Pesquisar

Do Iraque à Venezuela: quem é John Bolton, o especialista dos EUA em golpes de Estado?

Em entrevista à CNN, Bolton admitiu, nesta terça (12) ter participado do planejamento de golpes de Estado em diversos países: “dá muito trabalho”, afirmou
Redação Página 12
Página 12
Buenos Aires

Tradução:

A confissão do ex-conselheiro de Segurança Nacional dos EUA John Bolton sobre o patrocínio da administração Trump a vários golpes de Estado mostrou apenas parte do trabalho hostil que ele teve em sua longa carreira como funcionário de várias administrações republicanas, a partir da reta final da Guerra Fria.

A fim de ter o poder político e operacional para derrubar governos democráticos através de falsos canais institucionais, Bolton tem tido uma longa história como um dos mais eficazes assediadores anticomunistas e conspiradores antidemocráticos.

De mãos dadas com Reagan

Embora tenha sido membro do Partido Republicano desde os anos 1960, seu primeiro papel na Casa Branca foi durante a presidência de Ronald Reagan. Ele ocupou um cargo na Coordenação de Programa e Política na Agência para o Desenvolvimento Internacional, um think thank encarregado de projetar a estratégia dos EUA sobre os chamados países do Terceiro Mundo, vários dos quais estavam em processo de saída das ditaduras militares promovidas durante os anos 1960 e 70 por Washington por meio de Henry Kissinger.

Durante aqueles anos em que estas nações foram despojos da Guerra Fria, Bolton tornou-se emissário da Casa Branca republicana no Judiciário. Em 1985, ele foi nomeado Procurador-Geral Adjunto dos Estados Unidos e serviu nesse cargo por três anos, até 1988.

Ele não era apenas um confesso anticomunista, mas também um belicista declarado, que foi capaz de exercer sua influência ao Capitólio como operador político. As biografias que se referem a ele o descrevem como um personagem direto, intempestivo e hostil. Ele era “bajulador de seus superiores e abusivo com seus subordinados”, como o ex-senador republicano Carl Ford o definiu.

Ele passou a servir nos Departamentos de Justiça e de Estado em três administrações. De 1989 a 1993, foi Secretário de Estado Adjunto para Assuntos de Organização Internacional e depois chefe do Controle de Armas e Assuntos de Segurança Internacional.

Em entrevista à CNN, Bolton admitiu, nesta terça (12) ter participado do planejamento de golpes de Estado em diversos países: “dá muito trabalho”, afirmou

Flickr
John Bolton, o especialista dos EUA em golpes de Estado

Iraque, Afeganistão, Líbia

A partir daí, e através de seus contatos na Organização das Nações Unidas (ONU), ele se tornou um dos arquitetos da invasão estadunidense no Iraque. Essa conquista lhe permitiria, dois anos depois, sentar-se na cadeira do embaixador dos EUA no grupo de nações.

Ele não só se sentou à pequena mesa para planejar a ofensiva militar no Iraque, mas, de um ponto de vista diplomático, também teceu a estratégia passo a passo de Washington para alcançar o consenso internacional que mais tarde permitiu derrubar Saddam Hussein, com a falsa acusação de que o ex-líder iraquiano tinha armas de destruição em massa em sua posse.

América Latina: Tentativas de golpe aparecem quando imperialismo sente a força do povo

Entretanto, o contraponto que ele teve com a Casa Branca foi se opor à cessação da pressão sobre a Líbia, então nas mãos de Muammar Khadafi, para eliminar o programa de armas de destruição massiva do país.

Em agosto de 2005, ele retornou à Casa Branca sob George Bush filho., que o confirmou como embaixador na ONU. A partir daí, ele defendeu a continuação dos EUA no Iraque, a continuação das intervenções militares nos países do Oriente Médio e a invasão do Afeganistão após os ataques terroristas de 11 de março de 2004, em Madri, na Espanha.

“O Irã deve ser bombardeado”

Uma vez afastado do poder pelo advento das administrações democráticas, Bolton continuou a influenciar o perfil hostil do Partido Republicano. Ele defendeu greves preventivas contra a Coreia do Norte e o Irã, dois países com capacidade nuclear. “A ideia não é ter hostilidades muito maiores, mas impedir os iranianos de se envolverem nas hostilidades que já estão fazendo contra nós dentro do Iraque”, disse ele.

Em 2015 publicou um artigo de opinião no The New York Times em que argumentou que “para deter a bomba iraniana, é preciso bombardear o Irã”. Depois disso, previu que “os Estados Unidos poderiam fazer um trabalho minucioso de destruição” de mãos dadas com Israel.

Conselheiro de Trump

A mesma postura que ele manteve quando, em 2018, Donald Trump o chamou para ser Secretário de Segurança dos EUA. De lá, ele liderou as tentativas de derrubar Nicolás Maduro, na Venezuela, e continuou promovendo o que ele confessou nas últimas horas: “ajudar a planejar golpes em outros países”.

Redação Página 12

Tradução: Vanessa Martina Silva


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Página 12

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição