Pesquisar
Pesquisar

Documentário com antigo líder do ETA levanta polêmica na Espanha; entenda

Produção estreia em 22 de setembro no Festival de Cinema de San Sebastián
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

O Festival de Cinema de San Sebastián, que acontece de 22 a 30 de setembro, está envolvido numa nova polêmica devido a uma entrevista-documentário filmada pelos jornalistas catalães Jordi Évole e Màrius Sánchez com o antigo líder da organização armada basca ETA José Antonio Urrutikoetxea, conhecido como Josu Ternera.

Nesta peça, intitulada “Não me chame de Ternera”, o militante do ETA reconhece sua participação no assassinato do então prefeito de Galdakao, Víctor Legorburu, em 9 de fevereiro de 1976, e pelo qual nunca foi julgado. A estreia, no primeiro dia do festival, será na cidade onde Urrutikoetxea viveu e se apresentou em inúmeras ocasiões em nome da ETA.

Espanha: Esquerda separatista basca volta a lamentar pelas vítimas do grupo ETA

Atualmente, ele tem 11 acusações do Ministério Público espanhol por homicídio consumado e outras 88 por tentativa de homicídio, mas fugiu da justiça há 17 anos. Ele mora na França há quatro anos, em liberdade condicional, porque sofre de câncer terminal. A Justiça, que pede pena de mais de 2 mil anos de prisão por seus crimes, já pediu sua extradição, mas o processo não foi resolvido.

Ao saber da estreia iminente, um grupo de escritores bascos, políticos e vítimas da ETA, incluindo o filósofo Fernando Savater, o escritor Fernando Arámburu e as vítimas Maite Pagazaurtundua e Marimar Blanco, publicaram uma carta aberta dirigida ao festival para exigir a sua retirada de cartaz.

Continua após o banner

“Este documentário faz parte do processo de branqueamento da ETA e da trágica história terrorista no nosso país, convertido numa história justificada e banalizante que coloca assassinos e cúmplices, vítimas e resistentes no mesmo nível”, afirmaram.

Produção estreia em 22 de setembro no Festival de Cinema de San Sebastián

Foto: Berria/Wikipedia
Josu Urrutikoetxea Bengoetxea, antigo líder da organização armada basca ETA

“ETA não é caiada”

O diretor do festival, José Luis Rebordinos, argumentou em comunicado: “Já vi o filme e é terrível termos de estar o tempo todo assim. Já disse umas 15 vezes em público que para mim o ETA é um bando fascista e assassino. Acho que não poderia ser mais claro. Obviamente, se eu achasse que o filme encobriu o ETA, não o exibiria.”

“Parece-me uma brutal falta de rigor intelectual. É claro que o filme não branqueia a ETA, não é um filme pró-ETA, não apoia a ETA, não tem nada de ilegal. É um filme muito interessante por vários motivos. É um filme que começa com uma vítima e termina com uma vítima, penso que é uma declaração de princípios que a primeira e a última palavra são dadas a uma vítima”, refutou.

Espanha: ex-membros do ETA renunciam a eleições regionais após ataques da ultradireita

Em resposta às exigências, Évole e Sánchez afirmaram numa carta: “Compreendemos o debate que um filme que inclui uma entrevista com um membro histórico da ETA pode gerar, mas surpreendemo-nos que haja uma opinião e até um pedido de que um filme não será exibido no festival, um documentário que não foi visto por ninguém. Estamos convencidos do nosso trabalho e tranquilos. Não é um documentário que encubra ou justifique a ETA.”

Dos poucos detalhes que surgiram até agora do documentário, produzido pela Netflix, sabe-se que a vítima que abre e fecha a obra é um ex-policial municipal de Galdakao, Francisco Ruiz, que foi baleado durante o ataque ao prefeito Legorburu.

Continua após o banner

O conflito no País Basco, nascido durante a ditadura fascista de Francisco Franco (1939-1975), tem sido objeto de numerosos filmes e documentários ao longo da história recente, que suscitaram polêmica, como ocorreu com a obra de Julio Medem, “La pelota basca”, sofreu tentativa de censura pelo então governo espanhol do direitista José María Aznar.

Nos últimos anos, o Festival de San Sebastián iniciou as suas edições com polêmica, como quando entregou o prêmio Donostia ao ator Johnny Depp no momento em que surgiu o escândalo das denúncias de agressões à sua ex-esposa, a atriz Amber Heard.

Armando G. Tejeda | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)