Pesquisar
Pesquisar

Documentos comprovam golpe político organizado pela CIA na América Latina em 1964

Pouco conhecido, arquivos desclassificados comprovam mais um golpe ordenado por Kennedy e orquestrado pela Agência Central de Inteligência na Guiana Britânica
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

O presidente John F. Kennedy aprovou uma campanha encoberta da CIA para interferir nas eleições da então Guiana Britânica para evitar “outro Castro”, revelam documentos oficiais desclassificados e difundidos pelo Arquivo de Segurança Nacional em Washington.

Em 1962, Kennedy informou ao primeiro ministros britânico, Harold MacMillan, que para Estados Unidos era “seriamente perturbante” contemplar uma Guiana independente encabeçada por Cheddi Jagan, um dos candidatos presidenciais favoritos nas eleições programadas para 1964 e a quem a inteligência estadunidense qualificou de “comunista”, ou pelo menos que sua esposa o era. 

Kennedy acrescentou que: “temos que ser completamente francos em dizer que simplesmente não podemos deixar ver outro regime tipo (Fidel) Castro estabelecido neste hemisfério. Por isso devemos estabelecer como nosso objetivo uma Guiana Britânica independente sob outro líder”.

Os documentos divulgados pelo Arquivo detalham uma operação clandestina da CIA, incluindo a “inteligência” que guia uma campanha encoberta promovida pela política anticomunista do governo de Kennedy, uma ação que foi aprovada pouco depois da grande derrota Washington em sua operação da Baía dos Porcos em Cuba.

Pouco conhecido, arquivos desclassificados comprovam mais um golpe ordenado por Kennedy e orquestrado pela Agência Central de Inteligência na Guiana Britânica

Fonte: Reality in Writing: Caribbean Political Economy
Dr. Cheddi Jagan

Exposições do Digital Digital Security Archive

As preocupações da Guerra Fria sobre outra Cuba comunista na América Latina levaram o presidente John F. Kennedy a aprovar uma campanha política secreta da CIA para organizar eleições nacionais na Guiana Britânica, então uma colônia britânica, mas que logo será independente, de acordo com documentos desclassificados publicados hoje pelo Arquivo de Segurança Nacional. 

As preocupações da Guerra Fria sobre outra Cuba comunista na América Latina levaram o presidente John F. Kennedy a aprovar uma campanha política secreta da CIA para organizar eleições nacionais na Guiana Britânica, então uma colônia britânica, mas que logo será independente, de acordo com documentos desclassificados publicados hoje pelo Arquivo de Segurança Nacional.

A inteligência dos EUA concluiu que o primeiro-ministro Cheddi Jagan, um dos principais candidatos presidenciais nas próximas eleições de 1964, era comunista, embora não necessariamente sob o domínio de Moscou. No entanto, Kennedy decidiu que Jagan teria que ir e instou Londres a cooperar no esforço. Já em meados de 1962, JFK informou o primeiro ministro britânico que a noção de um estado independente liderado por Jagan “nos perturba seriamente”, acrescentando: “Devemos ser totalmente francos ao dizer que simplesmente não podemos dar ao luxo de ver outro tipo Castro regime estabelecido neste Hemisfério. Segue-se que devemos estabelecer como objetivo uma Guiana Britânica independente sob algum outro líder. ”

A publicação de hoje detalha uma operação clandestina que é muito menos conhecida do que outras ações da CIA na América Latina e em outros lugares durante a Guerra Fria. Ele fornece uma visão por trás das cenas do processo de inteligência, que molda uma campanha secreta complexa e oferece idéias fascinantes sobre a perspectiva anticomunista de Kennedy e seus conselheiros. Os documentos foram obtidos através de pesquisas de arquivo em bibliotecas presidenciais e de desclassificações da CIA. Eles fazem parte da publicação do Digital National Security Archive “CIA Covert Operations III: De Kennedy a Nixon, 1961-1974”, a mais recente da série autorizada compilada e com curadoria de um dos principais historiadores da inteligência do mundo, o Dr. John Prados.

A narrativa completa sobre o desenvolvimento da política americana e sua intervenção na Guiana pode ser encontrada em: Exposições do Digital Digital Security Archive

David Brooks, correspondente de La Jornada em Nova York

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava

Edição Complementar: João Baptista Pimentel Neto


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação