Pesquisar
Pesquisar

Documentos relevam tortura e punições cruéis a prisioneiros árabes em prisão israelense

Provas evidenciam graves violações aos direitos humanos; ao longo dos 15 anos de funcionamento, ao menos 11 pessoas morreram
Redação Monitor Do Oriente Médio
Monitor Do Oriente Médio
Londres

Tradução:

Os detalhes da tortura em uma prisão administrada por israelenses no Líbano, incluindo a eletrocussão de uma detida e a negação de cuidados médicos, foram descobertos em documentos israelenses recentemente divulgados.

Prisioneiros árabes foram submetidos a tratamento desumano na Prisão Khiam administrada por Israel no sul do Líbano, que funcionou por quinze anos até que o Estado de ocupação se retirou de seu vizinho do norte em 2000. Detalhes da tortura e graves violações de direitos humanos foram encontrados nos documentos de arquivo divulgado pela agência de segurança interna de Israel Shin Bet.

Os documentos foram divulgados após uma petição ao Supremo Tribunal de Justiça por ativistas de direitos humanos, incluindo o advogado Eitay Mack, que nos últimos anos descobriu os laços questionáveis de Israel com regimes desonestos que abusam dos direitos humanos. Os materiais, dizem os ativistas, registram “tortura e punições cruéis e desumanas” na prisão.

Provas evidenciam graves violações aos direitos humanos; ao longo dos 15 anos de funcionamento, ao menos 11 pessoas morreram

Wikipedia
Placa da prisão de Khiam, no Líbano

“Juntamente com o Exército do Sul do Líbano, as Forças de Defesa de Israel e o Shin Bet administravam uma instalação de detenção e tortura como as das ditaduras militares na América Latina”, disse Mack ao Haaretz. O jornal israelense relatou os detalhes horríveis. 

“A tortura infligida na prisão de Khiam é um crime contra a humanidade”, disse Mack. “Os documentos que foram revelados por causa da petição são chocantes e constituem apenas um vislumbre minúsculo do inferno que eles vivenciaram lá. Continuaremos lutando até que todos os documentos sejam disponibilizados ao público e os responsáveis pelos horrores sejam trazidos à justiça.”

A prisão de Khiam foi inaugurada em 1985 perto da vila de mesmo nome, localizada no sul do Líbano, a poucos quilômetros ao norte da fronteira israelense. Foi originalmente construído como um quartel do exército na década de 1930.

Apenas uma pequena fração dos documentos foi liberada. Processos judiciais estão em andamento para obter todo o material. A escala total da tortura provavelmente será ainda mais chocante.

No entanto, a pequena amostra de documentos divulgados ainda pinta um quadro horrível. Diz-se que entre 250 e 300 detidos foram mantidos na prisão a qualquer momento. Eles pertenciam a várias organizações e partidos políticos, incluindo Amal, Hezbollah, Partido Comunista, Fatah e Frente Popular para a Libertação da Palestina.

De acordo com um documento, uma detida sendo interrogada por suspeita de estar “ligada ao Hezbollah” foi eletrocutada. A vítima “recebeu eletricidade nos dedos”, o que é outra forma de dizer que foi torturada durante o interrogatório.

Um documento datado de 1988 atesta a fome que os presos sofriam na cadeia. “Esta manhã, o gerente da prisão local informou que ontem uma greve de fome eclodiu na prisão devido à falta de alimentos”, diz.

Outro documento, de 1997, discutia problemas médicos dos detentos. Em resumo, o documento diz que existe “um problema doloroso” e que a fonte que o alertou sente “que não tem apoio no caso de um detido morrer na prisão por problemas médicos ou por não administrar o tratamento recomendado pelo médico”.

Segundo a Anistia Internacional, durante os quinze anos de funcionamento da prisão, onze detentos morreram. Com a escala total da tortura ainda a ser revelada, o número de mortos pode realmente ser muito maior.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Monitor Do Oriente Médio

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes