Pesquisar
Pesquisar

Doente e fragilizado, líder indígena Leonard Peltier é mantido preso há 45 anos nos EUA

Milhares de pessoas no mundo, incluindo personalidades como o Papa Francisco e a ex-presidenta da Irlanda Mary Robinson, expressaram apoio à Peltier
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

O líder indígena e preso político estadunidense Leonard Peltier se contagiou de Covid-19 no fim da semana passada, gerando temores sobre seu estado de saúde aos seus 77 anos e multiplicando as demandas de defensores de direitos civis e humanos de que o governo de Joe Biden o liberte, depois de quase 45 anos de cárcere. 

Peltier, que se considera, junto com milhares de seus defensores, um preso político e cujo caso a Anistia Internacional diz que foi influído por interesses políticos, sempre manteve sua declaração de inocência de ter assassinado dois agentes da Agência Federal de Investigação (FBI) em 1975, durante um enfrentamento na reserva indígena de Pine Ridge, em Dakota do Sul.  

Comandanta Ramona inspira novas gerações de mulheres indígenas na busca por seus direitos

Peltier, um líder do Movimento Indígena Americano (AIM), estava presente e se suspeita que o FBI necessitava responsabilizar a alguém pela morte de seus agentes. 

Seus defensores assinalam que seu julgamento, em 1977, foi parcial e contaminado de problemas incluindo falta de provas contundentes, manipulação e ocultamento de documentos pelos promotores, coerção de testemunhas pelo FBI e integrantes de júri que admitiram ser anti-indígenas.

De fato, um dos promotores federais do caso, James Reynolds, enviou uma carta pessoal ao presidente no ano passado onde expressa como se deu conta de que o julgamento foi injusto, na qual escreve “lhe rogo comutar a condenação de um homem que eu ajudei a pôr atrás das grades”.  

Milhares de pessoas no mundo, incluindo personalidades como o Papa Francisco e a ex-presidenta da Irlanda Mary Robinson, expressaram apoio à Peltier

Reprodução/YouTube
A defesa de Peltier aponta falta de provas contundentes, coerção de testemunhas e que parte do júri admitiu ser anti-indígenas

Mandela, Papa Francisco, Desmond Tutu….

Um grupo distinguido de figuras estadunidenses e internacionais se expressaram a favor da libertação de Peltier durante anos, entre eles o papa Francisco, Nelson Mandela, a ex-presidenta da Irlanda e ex-alta comissionada de Direitos Humanos das Nações Unidas, Mary Robinson, o recém falecido e Prêmio Nobel, arcebispo Desmond Tutu, o reverendo Jesse Jackson, Robert Redford, Gloria Steinem, Harry Belafonte, Willie Nelson, e o cineasta Michael Moore, entre centenas de milhares de pessoas.

Mais recentemente, se multiplicaram os apelos para a clemência executiva e libertação de Peltier impulsionadas pelo Congresso Nacional de Indígenas Americanos, líderes e legisladores estaduais de várias nações indígenas e legisladores federais incluindo Raul Grijalva, Jesus “Chuy” Garcia, Pramila Jayapal, e o senador mais antigo, Patrick Leahy.

Segundo seus advogados, os encarregados de seu caso na Anistia Internacional e outros, em várias ocasiões pensaram que conseguiriam convencer um presidente a comutar a pena, e se iludiram com essa possibilidade com Bill Clinton, e muito depois com Barack Obama, e até com Donald Trump, só para serem decepcionados – nunca lhes foi explicada a razão. 

Todos suspeitam que o obstáculo até hoje é o FBI, primeiro porque o caso tem a ver com dois de seus agentes, segundo porque implicaria algum tipo de admissão sobre problemas com o caso desde seu início há 44 anos. 

O atual advogado de Peltier, Kevin Sharpe, é um ex-juiz federal que, ao inteirar-se do caso, graças à ex-esposa de Willie Nelson, se enfureceu tanto pelo manejo do caso pelas autoridades que decidiu representá-lo pro bono há aproximadamente três anos.   

Em uma entrevista à HuffPost em novembro do ano passado, Sharpe informou que entre os documentos que descobriu há um memorando interno da FBI dos anos 70 que detalhava a estratégia de suprimir o movimento de direitos civis indígenas (AIM) – do qual Peltier era integrante – incluindo fustigamento e detenções constantes: “Parte do que estava acontecendo era uma política de extermínio. Estamos tomando suas terras, seus minerais e vamos nos desfazer completamente de vocês… isso é o que detonou tudo” neste caso.  

Na semana passada, Sharpe reiterou que já era de que o presidente assegure que Peltier saia, e que sua condenação inconstitucional não se torne em uma condenação à morte”. 

 

David Brooks, Correspondente – La Jornada – Nova York
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

VocêSe pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza