Pesquisar
Pesquisar
Foto: Kai Schwerdt / Flickr

Dominada pela extrema-direita, eleição na UE jogo bloco em futuro preocupante

Itália, França, Países Baixos, Bélgica, Áustria e Alemanha registraram um avanço implacável das formações ultradireitistas
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Beatriz Cannabrava

As eleições ao Parlamento Europeu confirmaram neste domingo (9) o auge da extrema-direita, em uma tormenta política que motivou a convocação de eleições legislativas antecipadas na França, a demissão do primeiro-ministro belga, Alexander de Croo, e a preocupação latente ante o futuro do projeto comunitário.

Do total de 720 cadeiras que compõem o Parlamento da União, cerca de 497 pertencerão às forças de corte conservador ou ultraconservador, enquanto as formações social-democratas, as “verdes” e anticapitalistas registraram retrocessos generalizados.

A Alemanha é o país com mais elevado número de euro-legisladores, com 96, seguido por França, com (81), Itália, (76), e Espanha, (61). As 406 cadeiras restantes são distribuídas entre as demais nações.

Os partidos que defendem políticas neoliberais e que advogam por uma menor intervenção do Estado formarão o bloco majoritário no novo Parlamento Europeu.

– O Partido Popular Europeu (PPE) foi a formação mais votada no continente, com o que reafirmará sua condição de partido hegemônico, com 189 deputados.

– O grupo Renovar Europa (RE) obteve 83 deputados.

– O grupo Conservadores e Reformistas Europeus, que têm como principal baluarte a primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, somou 72.

– Identidade e Democracia, liderado pela francesa Marine Le Pen, alcançou 58 representantes.

– Além disso, no bloco da direita estariam os 45 assentos dos deputados não inscritos a nenhum grupo, entre eles o partido ultra Alternativa para a Alemanha, que foi expulso do ID por suas posturas frívolas em relação às matanças das SS nazistas.

– Finalmente, estão outros 50 deputados de partidos emergentes, que até agora não haviam se apresentado às eleições e que procedem de grupos conservadores, somando no total 497 assentos.

O bloco da esquerda ficaria com 223 representantes, liderado pela segunda força do Parlamento:

– A aliança de partidos social-democratas, com 135 deputados.

– Os Verdes com 52 deputados.

– O grupo de partidos anticapitalistas e comunistas, que conseguiram 36.

No entanto, além da cor política, as formações claramente pró-europeias continuam tendo ampla maioria: os 191 do PPE, os 135 dos social-democratas e 83 do RE somam 409 assentos.

Reorganização em cada país

Dos seis países fundadores do projeto comunitário, cinco – Itália, França, Países Baixos, Bélgica e Alemanha – registraram um avanço implacável das formações ultradireitistas, assim como ocorreu na Áustria.

Na Alemanha, país que foi o berço do nazismo, dias após a comemoração do 80º aniversário do desembarque na Normandia, o primeiro passo para a derrota definitiva do exército de Hitler, a aliança conservadora CDU-CSU obteve o primeiro lugar, o partido de extrema-direita AfD alcançou o segundo e o partido social-democrata, SPD, do chanceler federal, Olaf Scholz, ficou em terceiro lugar, com o pior resultado de sua história.

Na Espanha, os conservadores do Partido Popular (PP) ganharam as eleições e conseguiram 22 assentos, contra 20 para o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) do presidente do governo Pedro Sánchez que, no entanto, resistiu frente aos prognósticos das pesquisas, que previam um colapso, segundo 99% dos votos escrutinados.

O partido de extrema-direita Vox chegou em terceiro lugar com seis eurodeputados, seguido pela coalizão de forças independentistas Agora Repúblicas, com três, a aliança de esquerda Sumar – sócia do governo central – com outros três; a força emergente de corte populista de direita, Se Acabou a Festa (SALF), com três. Finalmente, o Podemos terá dois deputados, Junts per Catalunya (JxCat), um, e o Partido Nacionalista Basco (PNV), um.

O avanço da extrema-direita, em menor ou maior grau, também abalou o cenário político de países como Croácia, Grécia, Portugal, Bélgica, Áustria, Bulgária, Malta, Países Baixos, Romênia e Suécia.

Daí a importância das palavras da que está chamada a ser reeleita na presidência da Comissão Europeia, a alemã Ursula von der Leyen, que advertiu: “construiremos um bastião contra os extremos de esquerda e de direita.”

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

narendra-modi
Índia: Narendra Modi chega a 3º mandato enfraquecido e com rastro de autoritarismo
Neoliberalismo
Thatcher 2.0? Think tank Atlas Network invade Europa com negacionismo e ultra liberdade de mercado
Jesus-Chuy-Garcia
Vítimas da violência no México e nos EUA se unem contra armamentismo estadunidense
emmanuel-macron
Enquanto fascismo avança, Macron equipara esquerda à extrema-direita e rejeita frente popular