Pesquisar
Pesquisar

"Doria pretende acabar com pesquisa no Estado de SP", diz cientista e professor da USP

Não se precisa muita reflexão para entender que, se projeto de lei orçamentária for aprovado, nenhum novo projeto ou bolsa poderá ser implementada pela Fapesp
Hernan Chaimovich
Jornal da USP
São Paulo (SP)

Tradução:

O desgoverno Doria começou por propor o Projeto de Lei 529 que acaba com a autonomia das Universidades e se apodera do fundo de reserva da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de S. Paulo (Fapesp). Para aprovar este despautério, compra votos e se dispõe a pressionar até que a Assembleia confirme estas disposições que acabam com uma das conquistas mais efetivas do Estado de São Paulo. Mas o atentado contra a pesquisa e o ensino superior público de qualidade não acaba aí. 

O Projeto de Lei 627 de 2020, que orça a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício de 2021, prenuncia coisa muito pior para a Fapesp. Usando como base legal a PEC 93/2016, que permite a desvinculação de até 30% das transferências para Estados e Municípios (DREM), o PL retira R$ 454.685.364 das transferências devidas à Fapesp. As transferências do Estado para a Fapesp então passariam, em 2021, de R$ 1.515.617.880 para R$ 1.060.932.516. O desembolso total com fomento da Fapesp em 2019 foi de R$ 1.257.288.187.

Não se precisa muita reflexão para entender que, se este Projeto de Lei Orçamentária do Estado de São Paulo no desgoverno Doria for aprovado, nenhum novo projeto ou bolsa poderá ser implementada pela Fapesp. Tenho receio que, pela primeira vez na história da Fundação, a retirada da reserva e este corte orçamentário podem fazer com que a Fundação deixe de cumprir compromissos já assumidos.

A primeira turma do Supremo Tribunal Federal, em maio deste ano, declarou que a desvinculação da verba da Faperj, nos mesmos termos que o desgovernador Doria ora pretende, era inconstitucional. Portanto existe uma via legal para contestar este desmando, se assim chegar a ser implementado. Mas a via legal pode ser lenta e a Fapesp ficar desguarnecida durante muito tempo. E os bolsistas, e os pesquisadores ficarão fazendo o quê??? E as linhas de pesquisa que devem parar serão retomadas como?

O que pretende o senhor Doria? O PL 529 e o PL 627 são claramente destrutivos. Elaborar intenções é sempre perda de tempo, e muitas vezes conduz a teorias conspiratórias inúteis. Na prática das ações, contudo, é claro que o desgovernador Doria pretende acabar com a pesquisa no Estado de São Paulo.

* Hernan Chaimovich é Professor Emérito do Instituto de Química da USP e ex-presidente do CNPq


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Hernan Chaimovich

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio