Pesquisar
Pesquisar

Dos 3500 haitianos deportados, 30% são crianças e muitos nasceram nos EUA

A Unicef alertou que mais de dois em cada três haitianos que retornam dos Estados Unidos são mulheres e crianças, incluindo alguns recém-nascidos
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Havana

Tradução:

Quase 3.500 haitianos foram deportados dos Estados Unidos desde que o país iniciou as deportações em massa devido a uma nova crise migratória, e mais voos devem chegar hoje.

O Departamento Internacional de Migrações contabilizou, de 19 a 27 de setembro, 3.456 repatriados, dos quais cerca de 30% são crianças, muitos dos quais nem mesmo nasceram no país.

A organização que pertence ao sistema das Nações Unidas estima que cheguem em média 400 pessoas todos os dias, a maioria ao aeroporto Toussaint Louverture, na capital, embora desde a semana passada também chegam à cidade de Cap Haitien.

A Unicef alertou que mais de dois em cada três haitianos que retornam dos Estados Unidos são mulheres e crianças, incluindo alguns recém-nascidos

prensa latina
As expulsões em massa e sumárias que estão sendo realizadas atualmente, sem tentar determinar as necessidades em termos de proteção

As deportações não pararam, apesar de a própria ONU ter alertado que pessoas com graves pedidos de asilo podem estar em risco.

Enquanto Haiti vive crise imensurável, EUA deportam crianças e adultos em massa

“As expulsões em massa e sumárias que estão sendo realizadas atualmente, sem tentar determinar as necessidades em termos de proteção, são contrárias ao direito internacional e podem constituir devoluções”, disse Filippo Grandi, chefe da agência da ONU, em um comunicado na semana passada sobre refugiados.

Por sua vez, o Fundo das Nações Unidas para a Infância alertou que mais de dois em cada três haitianos que retornam dos Estados Unidos são mulheres e crianças, incluindo alguns recém-nascidos.

Sua diretora-executiva, Henrietta Fore, destacou que o país caribenho vive um novo ciclo de crise, marcado por desastres naturais, violência de gangues e a pandemia de Covid-19, enquanto os retornados voltam sem proteção adequada, o que os torna ainda mais vulneráveis à pobreza, à insegurança e deslocamento.

Para silenciar as vozes, Washington estabeleceu um programa de ajuda de 5,5 milhões de dólares que deve fornecer assistência aos migrantes haitianos repatriados, embora o governo ainda não tenha confirmado a entrega.

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil