Pesquisar
Pesquisar

Dowbor | Corporações-abutres definem o futuro global. Qual a saída?

O conto de fadas da “mão invisível” parece agora completamente estúpido, é uma narrativa feita para justificar a ganância corporativa
Ladislau Dowbor
Outras Palavras
São Paulo (SP)

Tradução:

Com o enorme poder das plataformas, do dinheiro virtual, dos gigantes financeiros globais, dos paraísos fiscais, na ausência de qualquer tributação ou regulamentação correspondente, estamos indo pelo ralo. Uma forma poderosa de compreender como as corporações ricas à escala mundial, lideradas por executivos bem treinados, continuam a construir esta catástrofe em câmara lenta, é olhar para os numerosos estudos sobre os líderes e seu processo de tomada de decisão. Não é estúpido, é bem azeitado e é desastroso.

Ladislau Dowbor*

Estamos todos olhando as nuvens escuras que temos pela frente e, com razão, preocupados com nossos filhos, ou até com nós mesmos. Tudo depende do quão longe olhamos, mas só escurece à medida que alcançamos um horizonte mais distante. Tudo parece muito estranho porque estamos ao mesmo tempo inundados de notícias fantásticas sobre o progresso tecnológico e científico, que nos mostram como crescem as oportunidades para fazer um mundo melhor, e tomando nota das alterações climáticas, da destruição da biodiversidade, da contaminação da água em todo o mundo o planeta e da explosão da desigualdade.

A revolução digital está nas mãos de poucos, gerando um impressionante poder privado no topo, enquanto as decisões democráticas estão fragmentadas em muitos países, com discussões complexas que são da era analógica. Particularmente importante é o fato de as decisões políticas a nível das nações estarem migrando para as mãos do mundo empresarial, enquanto a regulamentação global é simplesmente inexistente. Bretton Woods foi em 1944, sem atualizações.

Assista na TV Diálogos do Sul

A reunião de estatísticas sobre as ameaças crescentes é vital, mas o mesmo se deve dizer da capacidade de olhar várias décadas para trás, porque a força do fluxo histórico se torna evidente. Há alguns anos, escolhi o Straight from the Gut (Direto das Tripas), livro de Jack Welch, típica literatura de aeroporto bem financiada e distribuída, e fiquei surpreso com a bela imagem que um homem pode fazer de si mesmo quando se sabe o desastre que ele trouxe para a General Electric.

A ética é mencionada a cada poucas páginas, mas não os acordos que a corporação teve de pagar por tantas fraudes. Até onde podemos ir na construção de imagens, na justificação de quase tudo? Bem, faz parte do dinheiro.

Dowbor: como as corporações cercam a democracia

Lava-se o dinheiro das empresas por meio dos paraísos fiscais, e as marcas e os nomes dos executivos por meio do controle das comunicações. As grandes empresas trabalham simultaneamente no processo econômico de ganhar dinheiro, no controle da política, do poder judicial, da imprensa (o seu marketing as financia) e nas iniciativas militares. Com que rapidez Trump conseguiu reduzir os impostos sobre as empresas de 35% para 21%. Quão fácil foi legalizar o financiamento corporativo da política em 2010! Ironicamente, usaram o nome de Cidadãos Unidos. As narrativas são fundamentais e nós as engolimos com muita facilidade. 

Em contraste com o livro autobajulatório de Welch, David Gelles escreveu uma história preocupante de O homem que quebrou o capitalismo: como Jack Welch estripou a economia (em tradução livre, de The Man Who Broke Capitalism: How Jack Welch Gutted the Heartland). Este tranquilo analista de negócios do New York Times trouxe os fatos de volta à Terra, e o resultado é que chegou a uma compreensão impressionante de como essas coisas funcionam. Não apenas bandidos, mas um sistema de seleção natural baseado na maximização unilateral dos retornos para os acionistas.

Continua após o banner

Esta abordagem da análise econômica é fundamental porque os desafios são estruturais, dizem respeito ao cerne da forma como as decisões econômicas são tomadas e mostram-nos quão ultrapassadas as instituições podem estar. As instituições são fundamentais para o nosso quadro jurídico, mas pertencem a outra época.1

O conto de fadas da “mão invisível” parece agora completamente estúpido, é uma narrativa feita para justificar a ganância corporativa

Outras Palavras
Emerge uma nova cultura econômica, certamente parte da revolução digital e da consequente sociedade da informação

As nossas discussões eram sobre comunismo, socialismo, capitalismo e os nomes compostos que inventamos para trazê-los à realidade, tais como capitalismo extrativista, capitalismo parasita, ou mesmo capitalismo de Estado para a China. Estamos agora a tentar procurar esperança em nomes como capitalismo progressista (Stiglitz), socialismo democrático (Piketty) e tantas definições que apenas mostram quão profunda é a mudança sistêmica que enfrentamos. Resumindo, o conto de fadas da “mão invisível” parece agora completamente estúpido, é uma narrativa feita para justificar a ganância corporativa. O que herdamos das simplificações de Friedmann é um lixo face às demandas de Gestão Ambiental, Social e Corporativa (ESG). A OCDE e a ONU procuram um sistema fiscal global que corresponda à dimensão global do mundo empresarial (BEPS2). A definição de um novo New Deal Verde Global, um novo Bretton Woods e uma nova arquitetura financeira global (Paris, junho de 2023) estão a mobilizar muitas instituições, organizações sociais, universidades e até mesmo empresas pioneiras.

Mas voltemos a David Gelles. Sob a liderança de Welch (1981 a 2001), a General Electric passou da produção de eletrodomésticos úteis para a gestão financeira. À medida que o resto do setor corporativo dos EUA seguiu o exemplo de Welch, as finanças tornaram-se a parte da economia dos EUA com o mais rápido crescimento. Um exemplo simples é que desde 1982, “em vez de investir em novos produtos e serviços, ou nos seus empregados, as empresas podiam agora usar os seus lucros para simplesmente recomprar as suas próprias ações, elevando seus preços… Isso deixou muito pouco para investimentos em capacidades produtivas”, ou rendimentos mais elevados para os empregados (p. 66). A questão resultante é que “a rentabilidade empresarial não se está a traduzir numa prosperidade econômica generalizada” (p. 65). Os livros extremamente úteis de Thomas Piketty apenas iluminam a análise econômica: hoje em dia, a procura de renda financeira paga muito melhor do que o investimento produtivo.

Alguém tem que pagar pelo dinheiro que o rentismo financeiro arrebanha. Isto envolve a estagnação do rendimento de 50% dos estadunidenses na base da pirâmide social. Envolve também países do Terceiro Mundo cujos recursos naturais foram drenados para pagar dívidas, tendo como resultado 800 milhões de pessoas que passam fome no mundo. A inflação é outro mecanismo poderoso, pois é principalmente “inflação de lucros” e não “inflação de custos”, como pode ser visto no gráfico acima.2 O sistema de rentismo financeiro transformou-se num número crescente de atividades econômicas, que ainda estão ativas mas reorientadas para a maximização dos ganhos dos acionistas, quaisquer que sejam as externalidades, ambientais, sociais ou políticas, como mostra o livro de Brett Christophers sobre Capitalismo Rentista: quem é o dono da economia e quem paga por ela [Rentier Capitalism: who owns the economy and who pays for it].

Assista na TV Diálogos do Sul

A riqueza da abordagem de Gelles é que, à medida que a análise segue os passos da transformação da GE num gigante financeiro, drenando riquezas em vez de as produzir, acompanhamos os impactos concretos dos movimentos de desregulamentação e privatização de Reagan e Thatcher, proporcionando um liberou geral da globalização financeira, o enterro da regulamentação Glass-Steagall por Clinton em 1999 e o controle financeiro tanto sobre as actividades produtivas como sobre a política. E a dinâmica semelhante na Boeing, BlackRock, PayPal e outros. Na verdade, emerge uma nova cultura econômica, e tenho dúvidas se devemos chamá-la de capitalismo. Certamente, faz parte da revolução digital e da consequente sociedade da informação.

Uma contribuição igualmente rica é o estudo de Christopher Leonard sobre as indústrias Koch, e como Charles Koch assumiu gradualmente tantas áreas de atividades, com enormes aquisições baseadas em fortunas feitas com os recursos naturais da terra: petróleo e gás. Enquanto o estudo de Gelles sobre a GE mostra a contaminação de muitas outras áreas da economia americana e mundial, Leonard constrói uma análise histórica detalhada de como as decisões foram tomadas, como o dinheiro foi feito e como os sindicatos foram quebrados. É particularmente importante a forma como Koch-lândia conseguiu descarrilar os regulamentos e a legislação sobre as alterações climáticas, como construiu os mecanismos de manipulação das eleições políticas em todos os Estados, e como foi fácil para esta máquina obter mudanças políticas importantes de Bush, fragilizar as políticas ambientais de Obama, ou obter mudanças nos impostos sobre as empresas de Donald Trump.3

A financeirização está gerando desigualdade a níveis aberrantes

A criação e o financiamento de think tanks como importantes instrumentos de manipulação política, como o American for Prosperity, o Tea Party e tantos outros, mudaram para sempre a democracia política. A manipulação dos preços mundiais e dos fluxos financeiros por meio de derivativos, um território obscuro para a maioria das pessoas (mais de US$ 600 bilhões, enquanto o PIB mundial ronda os US$ 100 bilhões), e outros mecanismos torna-se clara porque eles são apresentados à medida que são criados e utilizados por uma das maiores corporações do mundo. O controle das universidades, por meio de muito dinheiro, também é mais bem compreendio. E o constante ensinamento de Charles Koch a respeito do que ele chamou de Gestão Baseada no Mercado, justificando fortemente a maquinaria de extração de dinheiro como uma ética superior, é impressionante. Todos eles criam suas narrativas.

Embora o dinheiro virtual (97% da liquidez mundial) permita uma manipulação em escala global, o escape em relação aos impostos e à regulamentação e a acumulação de fortunas gigantescas no topo da sociedade, parte da mudança sistêmica que estamos vivendo está no departamento de comunicações. Tal como o dinheiro, a informação tornou-se virtual, o que mais lemos, bilhões de nós, está basicamente nas telas, e a informação, liberada do suporte material, banha o ambiente eletromagnético do mundo em marketing, notícias falsas, jornalismo falso ou real, livros, esculturas gregas, pornografia, sambas ou tangos, e tantas mensagens de ódio e emocionais. Isto é uma revolução. É a “economia da atenção”, a luta pelos nossos sentimentos e compreensão. Está nas mãos de qualquer pessoa, mas na verdade é controlado por algumas poucas mãos.

Continua após o banner

A base tecnológica da comunicação foi transformada, mas também a sua base econômica. Faço o possível para vender meus livros e decidi colocá-los gratuitamente em meu site. Mas o dinheiro e os trilhões de dólares em comunicação provêm do marketing. “O negócio do jornalismo é uma indústria cada vez menos lucrativa. A maior parte das receitas provém de anúncios digitais veiculados em sites de notícias – portanto, em vez de vender as notícias aos consumidores, é o tempo e a atenção dos consumidores que são vendidos aos anunciantes. Além disso, alguns dos conteúdos de melhor qualidade estão bloqueados por acessos pagos baseados em assinaturas.”4 Cada vez que compramos algo, pagamos os custos de marketing correspondentes incluídos nos preços. Ao comprar um produto da Johnson & Johnson, por exemplo, 27% dos custos são despesas de marketing, incluídas no preço que pagamos. É uma fórmula maravilhosa, pagamos-lhes para interromperem um filme que dizem que nos é oferecido gratuitamente. As narrativas são fantásticas e, com a revolução das comunicações, tornaram-se uma indústria gigante.

Max Fisher escreveu A máquina do caos: como as mídias sociais reconectaram nossas mentes e nosso mundo [The Chaos Machine: How the Social Media Rewired Our Minds and Our World], uma extensa análise de como funciona esse novo mundo.5 Escrito em 2022, traz-nos as diversas pesquisas recentes de universidades e outras instituições. Juntando-as, surge uma nova compreensão deste universo. Podemos transformar todos numa fonte de rendimento, através da venda de anúncios: “Num memorando de 2014, o CEO da Microsoft afirma que ‘cada vez mais, o bem realmente raro é a atenção do ser humano” (p.161). O YouTube afirma que conseguiu criar “uma identidade coletiva”:

O neoliberalismo em estado terminal: E se a tirania dos mercados estiver chegando ao fim?

O fato de terem conseguido analisar e organizar bilhões de horas de vídeo em tempo real, e depois direcionar bilhões de usuários pela rede, com esse nível de precisão e consistência, foi incrível para a tecnologia, e demonstrou a sofisticação e o poder dos algoritmos (p.272).

Os preços dos anúncios são cobrados de acordo com o alcance. Assim, os algoritmos são direcionados para identificar e divulgar as mensagens com maior probabilidade de serem reproduzidas, comentadas e divulgadas, atingindo mais pessoas. Os algoritmos identificaram que o que funciona são as emoções, principalmente o ódio, sentimentos de pertencimento a um grupo, eventualmente contra outros, fortalecendo o sentimento de identidade. A polarização política e racial resultante disso levou a massacres em diferentes partes do mundo, mostrando que o universo das redes sociais está levando a uma transformação cultural global.

Continua após o banner

Sugiro que uma compreensão geral dos nossos desafios, no ambiente, na desigualdade, no caos financeiro, na erosão da democracia e nas polarizações ideológicas, possa ser melhor obtida por meio de uma análise caso a caso, particularmente com atividades concretas das gigantescas corporações que assumiram o controle de tantas áreas cruciais, como dinheiro, energia, infraestrutura, comunicação e até política. Na minha opinião, isto é muito mais do que o capitalismo com um qualificativo a mais, estamos derivando rapidamente para outro modo de produção, com muito mais concentração de poder econômico, cultural e político, e uma mudança sistêmica na forma como a humanidade está construindo o seu futuro. Isto não é economia de mercado, nem livre concorrência para melhor nos servir. É uma guerra entre gigantes, a serviço dos grandes acionistas. Em termos da organização social global, excluindo a China e alguns outros, não temos regulação de mercado nem planejamento adequado. Mercados livres? Liberdade sem responsabilidade é uma farsa.

Continua após o banner

Minha mensagem pessoal? Em vez de ficarmos boquiabertos de admiração pelos Welches, Kochs, Musks, Bezoses, Zuckerbergs e similares, concordando com a narrativa de que quanto mais ricos ficam os mais ricos, mais nós, mortais, ficaremos satisfeitos com o gotejamento que vem deles, sugiro que sigamos o conselho de Lula: colocar “os pobres no orçamento e os ricos no imposto de renda”. Isto significa a regulação tanto da esfera pública como do mercado, e não o culto a heróis corporativos que alimentam acionistas ausentes e gestores de ativos.


Notas

* Texto publicado originalmente em inglẽs, na Meer

1 David Gelles, The Man Who Broke Capitalism: How Jack Welch Gutted the Heartland, Simon&Schuster, 2022; Uma bela leitura sobre como a GE gerencia as relações internacionais por meio do Judiciário americano pode ser encontrada no livro de Frédéric Pierucci e Matthieu Aron, The American Trap, Hodder Stoughton, 2020.
2 FMI, Europe’s Inflation Outlook, 26 de junho de 2023.
3 Christopher Leonard, Kochland: the Secret History of Koch Industries and Corporate Power in America – Simon & Schuster, New York, 2019.
4 Visual Capital, 29 de julho de 2022.
5 Max Fisher, The Chaos Machine: How the Social Media Rewired Our Minds and Our World, Little, Brown and Cy., New York 2022; usei a tradução brasileira.

Ladislau Dowbor | Economista e colunista na Diálogos do Sul.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Ladislau Dowbor

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos