Pesquisar
Pesquisar

Durante pouso de emergência em Barcelona, 28 pessoas fogem do avião; 14 são procuradas

Aeronave solicitou aterrissagem quando uma mulher grávida supostamente fingiu estar em trabalho de parto
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

A polícia espanhola busca catorze pessoas que fugiram de um avião proveniente do Marrocos que fez, nesta quarta-feira (7), uma aterrissagem de emergência em um aeroporto de Barcelona quando uma mulher a bordo fingiu estar a ponto de dar à luz, informaram autoridades. Quando sobrevoavam a ilha de Palma de Maiorca, a aeronave desviou para a capital catalã, aterrissou e foi ativado o protocolo de emergência. 

Uma vez em terra e quando os serviços médicos de urgência entraram no avião, cerca de 28 pessoas saíram da aeronave e correram pela pista de aterrissagem. Deles, 14 já foram detidos pela polícia e devolvidos ao avião, enquanto o resto conseguiu escapar.

O voo comercial saiu de Casablanca com destino a Istambul. Depois de 1h30 de trajeto, quando sobrevoava território espanhol, a tripulação da cabine alertou aos pilotos que uma das passageiras estava em trabalho de parto.  

Os pilotos buscaram o aeroporto mais próximo para aterrizar de emergência para que a mulher recebesse atendimento médico. 

Após obter a autorização, a nave aterrissou no aeroporto barcelonês de El Prat, e uma vez em terra, quando se conectaram as escadas para que entrassem os serviços médicos, os 28 passageiros fugiram do avião. 

A mulher que fingiu estar em trabalho de parte efetivamente está grávida e foi transferida a um hospital barcelonês, onde se constatou que não estava para dar à luz. Foi presa pela polícia que a acusou de “desordens públicas”. Será expulsa do país e proibida de regressar.

Enquanto isso, o barco alemão Louise Michel resgatou 33 migrantes que se encontravam a bordo de um bote de madeira no Mediterrâneo, informaram ONGs, enquanto que o navio de resgate Humanity 1 leva a bordo mais de 250 migrantes resgatados nos últimos dias. 

O governo italiano se recusa a permitir que mais imigrantes desembarquem em seus portos, já que recebeu 95 mil pessoas este ano, e acusa grupos de resgate de encorajar a migração ilegal.

A Organização Internacional para Migração estima que mais de 1.960 pessoas morreram só este ano tentando chegar à Itália.

Armando G. Tejeda | Correspondente do La Jornada em Madri.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação