Pesquisar
Pesquisar

É hora de falar a verdade sobre as mudanças climáticas e o que devemos fazer diante disso

Propostas progressistas estão ocupando o centro do debate político, desde um New Deal Verde, um seguro de saúde universal e acesso gratuito às universidades
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

“Agora, a única coisa que fiz mal/Foi ficar demasiado tempo perdido no deserto… A única coisa que fizemos bem/ Foi o dia em que começamos a lutar/Mantém teu olhar sobre o prêmio, sustenta-te (versos de Keep your Eyes on the Prize, parte essencial do repertório dos hinos de luta e resistência do movimento de direitos civis dos anos 1950 e 1960).

Entre raios de esperança e o anunciado início do Apocalipse climático e/ou nuclear parece haver pouco espaço. Essas odes à resistência, à perseverança, à fé, às vezes são pouco convincentes, sobretudo em um dos países mais violentos da história, agora sob um regime que está disposto a anular o futuro não apenas do seu povo, mas de todo o planeta. 

Depois de ler, ver, escutar as notícias em todos as múltiplas plataformas modernas que nos inundam de material em um assalto incessante a cada manhã, necessita-se um esforço quase super-humano para continuar com o dia. Às vezes um pouco de humor ajuda, como recordar a um amigo húngaro refugiado no México das guerras e da perseguição na Europa que, quando alguém lhe perguntava o que fazia todos os dias, respondia: “pois, me levanto, tomo café da manhã, leio o jornal e se não estou nos obituários, saio e vou para o trabalho”.

“Há esperança infinita, só que não para nós”, escreveu Kafka, recorda o escritor Jonathan Franzen no The New Yorker sugerindo que talvez, na conjuntura atual, haverá que modificar essa frase a algo como: “Não há esperança, exceto para nós”, já que é hora de falar a verdade sobre a mudança climática e o que teríamos que fazer dado os prognósticos científicos de desastres existenciais, e a pouco ou nula ação do mundo diante da atual desestabilização da vida planetária, já tão evidente. Aqui a resposta oficial dada por este regime é maravilhosamente orwelliana: tudo isso é puro fake news. 

Propostas progressistas estão ocupando o centro do debate político, desde um New Deal Verde, um seguro de saúde universal e acesso gratuito às universidades

Wikipédia
Inundações

E então?

Rompe o coração ver jovens mobilizados que perguntam porque todos os adultos permitiram que se chegasse a este ponto em que o próprio futuro está sendo anulado de propósito. Mas também oferecem parte da única resposta possível, na qual existe o renascimento desse futuro hoje, quando estes mesmos jovens indignados declaram: “somos a mudança que estávamos esperando”.  

Essa frase não é nova e tem retumbado ao longo dos momentos mais nobres da história neste e em outros países, com diferentes palavras, mas é mais urgente que nunca, agora diante de uma das eras mais escuras neste país. É escutada em vários rincões e expressões – muitas das quais não são tão divulgadas. Está presente, por exemplo, na greve de 20 mil trabalhadores de telecomunicações da AT&T em nove estados que começou no mês passado por práticas abusivas patronais e falta de direitos trabalhistas. Ao longo dos últimos dois anos, assombraram (as cúpulas e outros) greves com dezenas de milhares de professores, milhares de trabalhadores na indústria hoteleira (Marriott) e no setor de saúde, outros milhares em ações para obter direitos trabalhistas básicos no ramo de comida rápida.

De repente, há propostas progressistas que estão ocupando o centro do debate político do país, desde um New Deal Verde, a um seguro de saúde universal, acesso gratuito às universidades públicas e muito mais.

Algumas pessoas dizem que o nível de “ativismo” e o mosaico de resistência contra o assalto da direita neste país nunca foi mais amplo, com surpreendentes expressões de apoio para o “socialismo” por 40 por cento da população, maiorias favorecendo a legalização e o respeito dos direitos dos imigrantes, como a defesa de liberdades civis de todos. Outros indicam que as maiores manifestações de protesto na história estadunidense foram impulsionadas durante os dois anos e meio do regime atual. 

De tudo isto, junto com o resgate das histórias e das lutas contra o fim da história, talvez haja a possibilidade, talvez a última, de um renascimento.

Springsteen and the Seeger Sessions band

Escute

https://open.spotify.com/track/57kHJ3wBv5RaFYt4jYmMXO?si=lKPAkX-TRfer7vMX4hKi6A

https://open.spotify.com/track/0jWgAnTrNZmOGmqgvHhZEm?si=4K65pDfNSRGldSzeiz8PVA

*Publicado em La Jornada – México

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação