Pesquisar
Pesquisar

É ilusão pensar que só engajamento nas redes sociais pode mudar sistemas políticos

Presença cidadã nunca pode ser somente virtual, e não somente física, mas sim também imponente, ruidosa e exigente de seus direitos
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul Global
Cidade da Guatemala

Tradução:

As redes sociais nos têm deslumbrado. Acreditamos, em nossa estreita margem de familiaridade com o mundo da comunicação virtual, em uma ilusão de influência para um universo do qual desconhecemos sua magnitude, mas também sua profundidade. Nesse encantamento no qual caímos – pelo simples fato de ter um instrumento capaz de conectar-nos com o mundo – esquecemos de algo tão básico como a importância da ação direta e, nessa atuação, a responsabilidade que nos cabe para o nosso entorno imediato.

Desse modo, o que deveria representar uma participação ativa no sistema do qual formamos parte, nos voltamos para um arremedo de exercício cidadão em mensagens, comunicados e protestos incorpóreos de monitor a monitor, tudo o qual morre ao ritmo de novas mensagens, novos comunicados e novos protestos. Nesse fluxo incessante cabe tudo; desde os apelos a uma ação que não se produz até a ilusão de haver gerado algum tipo de reação entre aqueles que nos escutam à distância. 

Nesse transitar desde a poltrona em frente ao computador, esquecemos do mais importante: é que essas redes que tanto nos fascinam, não nos pertencem. São sistemas manejados desde lugares remotos por seres anônimos, altamente treinados, divorciados completamente de nossas ânsias e preocupações, e muito conscientes de seu poder.

Essas redes, esses sistemas de alta tecnologia que cruzam o mundo virtual, estão totalmente fora do nosso alcance e, por razões óbvias, fora de nossa capacidade de exercer sobre eles algum tipo de influência. 

Isto não significa afastar-se deste recurso, o qual tem demonstrado sua enorme utilidade. No entanto, é importante ter presente que não substitui, em nenhum caso, o exercício cidadão direto, aquele em cujas ações descansa toda a engrenagem do sistema político e, por consequência, nossas débeis democracias. A presença cidadã nunca pode ser somente virtual, e não somente física, mas sim também imponente, ruidosa e exigente de seus direitos. 

Presença cidadã nunca pode ser somente virtual, e não somente física, mas sim também imponente, ruidosa e exigente de seus direitos

Wikipedia Commons
Chegamos à tecnologia com um baixo nível de entendimento.

A capacidade humana de se habituar a diferentes entornos – tal como sucede hoje com a tecnologia – tende a criar ilusões e a perder de vista a realidade. É imperativo compreender a urgência de pôr os pés sobre a terra e lutar pela justiça e pelos direitos desde a mesma plataforma onde são violados diariamente. Esse é o ensinamento forte e vital a partir dos povos que, por sua condição de pobreza, não têm acesso a esse recurso tão sofisticado como discriminatório. 

A dependência criada por estratégias de mercado agressivas e sedutoras a partir do mundo da alta tecnologia deve ser mantida sob controle, por sua capacidade para alienar-nos de nossa realidade.

A presença em redes sociais, à qual adjudicamos mais importância do que corresponde, é uma boa forma de comunicação, mas não o recurso mágico para gerar mudanças estruturais em sistemas políticos que degeneraram em abusos e corrupção. Deixar-nos enganar por sua duvidosa efetividade é uma forma de eludir um cúmulo importante de responsabilidades.

A força de uma cidadania consciente reside em sua presença, em sua voz e sua capacidade para impor sua autoridade, como foi demonstrado ao longo da História. Nada pode substituir o poder das massas quando estas assumem a autoridade que lhe pertence por direito.

Nada pode substituir o poder da presença física de uma cidadania consciente.

Carolina Vásquez Araya é colaboradora da Diálogos do Sul na Cidade da Guatemala.
Tradução de Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Carlos Rodríguez
"Milei provocou uma das recessões mais rápidas e profundas da história", diz ex-braço direito
Embajada_de_México_en_Ecuador
México pede medidas cautelares devido à invasão da embaixada em Quito e CIJ rejeita
Luis-Abinader
Reeleição de Abinader, na República Dominicana, deve piorar situação de haitianos
Javier_Milei
Milei bloqueia 5 mil ton de comida, deixa mais pobres com fome e inflama revolta na Argentina