Pesquisar
Pesquisar

E se Trump voltar para a Casa Branca? Analistas já avaliam retorno do magnata à vida política

De acordo com relatórios políticos e da mídia, poucos candidatos republicanos proeminentes ou potenciais estão interessados em criticar publicamente Trump porque sua influência sobre o partido é poderosa
Luis Beatón
Prensa Latina
Havana

Tradução:

O ex-presidente Donald Trump poderá em breve anunciar sua candidatura no grupo republicano para as eleições de 2024, embora alguns de seus companheiros do partido vermelho o considerem uma figura divisória e prejudicial.

Alexander Bolton, um analista do jornal The Hill, descobriu que um número significativo de membros do Senado ficaria aliviado, até mesmo encantado, se Trump ficasse de fora dessas eleições ou pelo menos mantivesse seus objetivos pessoais de campanha em segredo até as eleições de meio de novembro de 2022.

Um olhar sobre as ações do bilionário revela o que muitos já antecipam: seu retorno à arena política, que ele nunca deixou após sua derrota nas urnas em 2020 – apesar do fato de que nem todos entre os vermelhos apoiam suas alegações tão infundadas de que ele foi roubado da vitória.

Recentemente, um senador com a mesma opinião chamou o ex-presidente de ‘narcisista clínico’, enquanto outro disse simplesmente: ‘Prefiro calma’, em referência à sua entrada na corrida da Casa Branca, algo que os republicanos em geral veem como quase certo.

De acordo com relatórios políticos e da mídia, poucos candidatos republicanos proeminentes ou potenciais estão interessados em criticar publicamente Trump porque sua influência sobre o partido é poderosa

Prensa Latina
Donald Trump voltará para a Casa Branca?

O comício político de 9 de outubro em Iowa, apesar de sua recusa em anunciar oficialmente suas intenções, mesmo quando seus críticos reconhecem que ele mantém o controle da bancada nacional, dos partidos estaduais e do processo de nomeação e defesa de candidatos para a Câmara e o Senado nas eleições do próximo ano.

De acordo com relatórios políticos e da mídia, poucos candidatos republicanos proeminentes ou potenciais estão interessados em criticar publicamente o Trump porque sua influência sobre o partido é tão poderosa.

Várias pesquisas, incluindo uma do Pew Research Center, descobriram que 44% de seus co-apoiadores querem que Trump volte a concorrer, enquanto 63% estavam contra aqueles que questionam abertamente o 45ú presidente dos EUA (2017-2021).

Atualmente existem contradições sobre a conveniência de o magnata ter um impacto na política partidária, e alguns estão até rezando para que ele não apareça em apoio aos desafiantes nas próximas eleições, algo que poderia ser contraproducente para os planos do partido de reconquistar a maioria no Congresso.

Muitos no Partido Republicano não querem vê-lo nas urnas em 2024 por causa de seu histórico com eleitores independentes e oscilantes.

Invasão ao Capitólio: Para policiais, conduta de Trump pôs em perigo a vida de todos os membros do Congresso

Membros da máquina republicana do Senado dizem que Trump se candidatará novamente à presidência porque ele anseia por atenção e tem boas chances de ganhar a indicação.

Lindsey Graham, seu aliado mais próximo na câmara superior, disse que o antigo número um no poder está 'ansioso para entrar na corrida'.

No entanto, nem tudo é 'cor-de-rosa' para o homem de negócios. Vários republicanos proeminentes estão até mesmo planejando unir-se 'em objetivos políticos amplos com nossos opositores políticos de longa data – os do Partido Democrata'.

Entre eles está Christine Todd Whitman, ex-governadora de Nova Jersey, que acredita que o ex-presidente perdeu a reeleição em grande parte porque os vermelhos de todo o país desertaram para Joe Biden, o atual presidente.

E assim vai para as eleições intermediárias de 2022 e as eleições presidenciais de 2024; mas por todas as suas falhas e mentiras, Trump não desaparecerá da cena política dos EUA, pelo menos por enquanto.

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Luis Beatón

LEIA tAMBÉM

Dmitry-Peskov-Russia
Kremlin: Conferência de Zelensky mostrou à Otan que, sem Rússia, sem acordo
gaza-palestina2
“Desaparecimentos forçados”: Israel tortura, mata e amputa membros de reféns palestinos
trump-eua
Campos de concentração e desmonte do Estado: por que "Project 2025" de Trump não preocupa?
narendra-modi
Índia: Narendra Modi chega a 3º mandato enfraquecido e com rastro de autoritarismo